ESTÉTICA E ÉTICA NA TERCEIRA CRÍTICA

Nythamar Fernandes de Oliveira

Resumo


 

Trata-se de reexaminar a relação entre estética e ética na terceira Crítica, partindo de uma análise crítica do livro de Donald Crawford sobre a teoria estética de Kant, com O intuito de evitar o que seria uma “leitura reducionista” da filosofia kantiana. Assim como fora reduzida a uma Erkenntristheorie pelos adeptos da escola neokantiana de Marburg, parece-nos igualmente infundada uma leitura da filosofia prática de Kant que reduza o sistema do idealismo transcendental a um moralismo ou que venha a subvertê-lo num esteticismo (pós-moderno). Ao retomar a teoria kantiana das representações, procuro responder aos problemas levantados pela leitura esteticista da crítica do juízo, particularmente, a concepção do belo enquanto símbolo fundante da moralidade, à luz do debate entre Donald Crawford e Paul Guvyver, de forma a mostrar em que sentido a “estética” (lato sensu) pode compreender um sentido “epistemológico” e “estético propriamente dito” (stricto sensu) sem incorrer numa forma de esteticismo.

 

 


Palavras-chave


Estética. Esteticismo. Ética. Filosofia transcendental. Moralismo. Unidade da razão. Teoria das representações.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1984-6746.2001.4.35034



ISSN-L: 0042-3955 | e-ISSN: 1984-6746


Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada. Copyright: © 2006-2020 EDIPUCRS