Catirina entre desencanto e emancipação: Uma leitura filosófico-social do “Mais IDH”

Nythamar Hilario Fernandes de Oliveira Junior, José Henrique Assai

Resumo


A filosofia social se propõe a explicitar o social (Das Soziale) inserido nas múltiplas formas de vida e compreendido como condição constitutiva para se entender a liberdade e a individualidade. Nesse sentido, a filosofia social questiona não apenas a legitimidade das instituições sociopolíticas mas também a justificação de nossas ações e, sobretudo, das estruturas das instituições e práticas sociais orientadas à emancipação. Pretendemos explicitar em que sentido o programa social “Mais IDH” pode ser concebido como uma forma de vida social emancipatória que está inserida numa expressão normativa do social cuja orientação à práxis se fundamenta na efetividade social enquanto condições mínimas de existência social.


Palavras-chave


filosofia social, normatividade, programa social Mais IDH, socialidade.

Texto completo:

PDF

Referências


ALLEN, Amy and Eduardo MENDIETA (orgs), From Alienation to Forms of Life: The Critical Theory of Rahel Jaeggi. Penn State University Press, 2018.

BOURDIEU, Pierre. A economia das trocas linguísticas: o que falar quer dizer. São Paulo: EDUSP, 1996.

_______. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2003.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular: Ensino Médio. Brasília, DF, 2018.

BRUNKHORST, Hauke. Solidarität: Von der Bürgerfreundschaft zur globalen Rechstgenossenschaft. 1.ed. Frankfurt am Main: Suhrkamp Verlag, 2002.

CARDOSO, Letícia Conceição Martins. As mediações no bumba meu boi do Maranhão: uma proposta metodológica de estudo das culturas populares. 2016. 268 f. Tese (Doutorado em Comunicação Social) – Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), Porto Alegre, 2016.

FORST, Rainer et.al. (orgs.). Sozialphilosophie und Kritik. 1.ed. Frankfurt am Main: Suhrkamp Verlag, 2009.

GOLDMAN, Alvin. Knowledge in a Social World. Oxford University Press, 1997.

HABERMAS, Jürgen. Im Sog der Technokratie. 1.ed. Berlin: Suhrkamp Verlag, 2013.

_______. Kommunikatives Handeln und detranszendentalisierte Vernunft. Stuttgart: Reclam, 2001.

_______. Truth and Justification. Boston: MIT Press, 2003.

HELFER, Inácio. Os bens sociais são sempre bens convergentes? Trans/Form/Ação, Marília, v.35, n.2, p.163 – 186, 2012.

HONNETH, Axel. A textura da justiça: sobre os limites do procedimentalismo contemporâneo. Civitas 9/3 (2009): 345-368.

IKÄHEIMO, Heikki, LAITINEN, Arto. Recognition and Social Ontology. Leiden: Brill, 2011.

INTERNATIONALE SOZIALPHILOSOPHISCHE TAGUNG “EMANZIPATION”, 2018, Berlin. Humboldt-Universität zu Berlin, 2018.

JAEGGI, Rahel. Kritik von Lebensformen. 2.ed. Berlin: Suhrkamp Verlag, 2014.

JAEGGI, Rahel, CELIKATES, Robin. Sozialphilosophie: Eine Einführung. München: C.H.Beck, 2017.

KORSGAARD, Christine. Self-Constitution:Action, Identity, and Integrity. Oxford University Press, 2002.

MARANHÃO (Estado). Secretaria de Estado do Planejamento e Orçamento. Instituto Maranhense de Estudos Socioeconômicos e Cartográficos. Plano de Ação Escola Digna. Disponível em: http://www.educacao. ma.gov.br/escola-digna/ Acesso em: 3 maio 2018.

_______. Secretaria de Estado do Planejamento e Orçamento. Instituto Maranhense de Estudos Socioeconômicos e Cartográficos. Plano de Ação Mais IDH. São Luís, 2015.

_______. Secretaria de Educação. Caderno de Filosofia: Orientações curriculares para o ensino médio. São Luís, 2017.

OLIVEIRA, Nythamar. Affirmative action, recognition, self-respect: Axel Honneth and the phenomenological deficit of critical theory. Civitas 9/3 (2009): 369-385.

PINZANI, Alessandro, REGO, Walquíria. Vozes do Bolsa Família: autonomia, dinheiro e cidadania. São Paulo: Unesp, 2013.

PINZANI, Alessandro, TONETTO, Milene C. (orgs.). Teoria Crítica e Justiça Social. Florianopólis: Nefiponline, 2012.

_______. Minimal Income as Basic Condition for Autonomy. Veritas: Ética e Filosofia Política, Porto Alegre, v.55, n.1, p.9 – 20, 2010.

RAWLS, John. Uma Teoria da Justiça. Tradução Almiro Pisetta e Lenita Esteves. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

SEN. Amartya. The Idea of Justice. Cambridge: Harvard University Press, 2009.

WACQUANT, Loic. Three steps to a historical anthropology of actually existing neoliberalism. Social Anthropology, n. 20, p. 66–79, 2012.

_______. Três Etapas para uma antropologia histórica do neoliberalismo realmente existente. Tradução Renato Aguiar. Caderno CRH, Salvador, v. 25, n. 66, p. 505 – 518, set. – dez. 2012.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1984-6746.2018.2.31810



ATENÇÃO

Sistema em manutenção

Migração do sistema OJS para a versão 3.0. Durante este período os usuários:

  • Poderão acessar todo o conteúdo já publicado
  • Não poderão efetivar encaminhamentos do fluxo editorial (submissão, avaliação, publicação)

Previsão: 06/07/2020


ISSN-L: 0042-3955 | e-ISSN: 1984-6746


Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada. Copyright: © 2006-2020 EDIPUCRS