Humanidade e dignidade em Kant

Paulo César Nodari

Resumo


A ciência e a tecnologia ocupam um lugar fundamental e insubstituível na construção da realidade sociocultural atual. Estão ligadas ao destino da vida humana, sendo que o ser do homem está marcado cada vez mais pela ciência e a depender dela em sua efetivação. Porém, do expressivo avanço científico tecnológico advém um dilema que penetra o âmago da realidade sociocultural humana. O homem contemporâneo, por um lado, sente-se orgulhoso de ter superado a pura facticidade existencial de uma vida simplesmente inserida em crenças tradicionais, assumindo, por sua vez, a consciência de seu processo de autoconstrução e uma vida eminentemente racionalizada, mas, por outro, ele não consegue superar e ultrapassar a vigência histórica da normatividade da comunidade humana histórica na qual ele está inserido. Contudo, percebendo-se que o progresso científicotecnológico avança rapidamente, exigindo, pois, um novo espectro do raciocínio ético da ação, dimensão esta desconhecida a todas as formas precedentes de ação e reflexão, constata-se certo descompasso entre os avanços da ciência e da tecnologia com o alcance da reflexão e da práxis do agir ético, especialmente, depois que a ciência e a técnica ampliaram a margem de liberdade e autonomia a ponto de ser possível afirmar, depois de um desencantamento da natureza externa, agora, uma espécie de um novo encantamento com a natureza interna. À luz dessa nova conjuntura sociocultural, tem-se o propósito de remontar à Fundamentação da metafísica dos costumes de Kant na segunda formulação do imperativo categórico, humanidade como fim, a fim de investigar se a mesma, por um lado, pode ser aproximada à compreensão do fim último e do fim final no processo de moralização na Crítica do juízo, e, por outro lado, se tal formulação pode ser ancoradouro razoável à discussão ética contemporânea de espectro em nentemente científico.


Palavras-chave


Ciência. Tecnologia. Kant. Ética. Humanidade. Fim.

Texto completo:

PDF

Referências


ALLISON, Henry E. Idealism and freedom: essays on Kant’s theoretical and practical

ALLISON, Henry E. Kant’s Theory of Freedom. Cambridge: Cambridge University Press, 1995.

ALLISON, Henry E. Kant’s transcendental idealism: an interpretation and defense. New Haven/London: Yale University Press, 1983.

AVIAU DE TERNAY, Henri d’. La liberté kantienne: un impératif d’exode. Paris: Les Éditions Du Cerf, 1992.

BAERTSCHI, Bernard. Ensaio filosófico sobre a dignidade. Antropologia e ética das biotecnologias. São Paulo: Loyola, 2009.

BECK, Lewis White. A commentary on Kant’s critique of practical reason. Chicago: University of Chicago Press, 1984.

BECK, Ulrich. Sociedade de risco. Rumo a uma outra modernidade. São Paulo: Editora 34, 2010.

BIELEFELDT, H. Filosofia dos direitos humanos. São Leopoldo: Unisinos, 2000.

CARNOIS, Bernard. La cohérence de la doctrine kantienne de la liberté. Paris: Seuil, 1973.

DELBOS, V. La philosophie pratique de Kant. 3 édition. Paris: PUF, 1969

DWORKIN, Ronald. A virtude soberana. A teoria e a prática da igualdade. 2ª edição. São Paulo: Martins Fontes, 2011.

FLEISCHER, M. Das Problem der Begründung des kategorischen Imperativs bei Kant. In: ENGELHARDT, P. (Hrsg). Sein und Ethos. Untersuchungen zur Grundlegung der Ethik. Mainz: Matthias-Grünewald Verlag, 1963, pp. 387-404.

GIACOIA JUNIOR, Oswaldo. Nietzsch x Kant. Uma disputa permanente a respeito de liberdade, autonomia e dever. Rio de Janeiro: Casa da Palavra; São Paulo: Caso do Saber, 2012.

GUILLEBAUD, Jean-Claude. O princípio de humanidade. Aparecida: Idéias & Letras, 2008.

GUYER, P. The Possibility of the Categorical Imperative. In: The Philosophical Review, 104 (1995): pp, 353-385.

HABERMAS, Jürgen. Discurso filosófico da modernidade. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

HABERMAS, Jürgen. O futuro da natureza humana: a caminho de uma eugenia liberal? São Paulo: Martins Fontes, 2004.

HECK, José N. A liberdade em Kant: dois estudos. Porto Alegre: Movimento, 1983.

HENRICH, Dieter. Das Prinzip der kantischen Ethik. In: Philosophische Rundschau, 2 (1954/55): pp. 20-38.

HERRERO, Francisco Javier. Religião e História em Kant. São Paulo: Loyola, 1991.

HILL, JR., Thomas E. Dignity and Practical Reason in Kant’s Moral Theory. Ithaca; London: Cornell University Press, 1992.

HÖFFE, Otfried (Hrsg). Grundlegung zur Metaphysik der Sitten. Ein kooperativer Kommentar. 3 Auflage. Frankfurt am Main: Vittorio Klostermann, 2000.

HÖFFE, Otfried. Introduction à la philosophie pratique de Kant. La moral, le droit et la religion. Albeuve: Castella, 1985.

HORN, Christoph; SCHNOENECKER, Dieter (Ed.). Groundwork for the Metaphysics of Morals. Berlin-New York: de Gruyter, 2006.

KANT, Immanuel. A metafísica dos costumes. Petrópolis: Vozes; Bragança Paulista: Editora Universitária São Francisco, 2013.

KANT, Immanuel. Antropologia de um ponto de vista pragmático. São Paulo: Iluminuras, 2006.

KANT, Immanuel. Crítica da Faculdade do Juízo. 2ª edição. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1995.

KANT, Immanuel. Crítica da razão prática. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

KANT, Immanuel. Crítica da razão pura. São Paulo: Abril Cultural, 1980.

KANT, Immanuel. Fundamentação da Metafísica dos Costumes. São Paulo: Discurso Editorial; Barcarolla, 2009.

KANT, Immanuel. Ideia de uma história universal de um ponto de vista cosmopolita. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

KANT, Immanuel. Kant Werke. Werke in sechs Bänden. Darmstadt: Sonderausgabe. Wissenschaftliche Buchgesellschaft Darmstadt, 1998.

KAULBACH, F. Immanuel Kants ‘Grundlegung zur Metaphysik der Sitten’. Darmstadt: Wissenschaftliche Buchgesellchaft Darmstadt, 1988.

KERSTEIN, Samuel J. Deriving the Formula of Humanity (GMS II, 427-437). In: HORN, Christoph; SCHÖNECKE, Dieter (Ed.). Grundwork for the metaphysics of morals. Berlin; New York: Walter de Gruyter, 2006, pp. 200-221.

KLEINGELD, Pauline. Fortschritt und Vernunft. Zur Geschichtsphilosophie Kants. Würzburg: Königshausen & Neumann, 1995.

KÖCHE, José Carlos; VEIGA, Itamar Soares. Ética, ciência e técnica. In: TORRES, João Carlos Brum (Org.). Manual de ética. Questões de ética teórica e aplicada. Petrópolis: Vozes; Caxias do Sul: Educs, 2014, pp. 510-531.

KORSGAARD, Ch. M. Creating the Kingdom of Ends. Cambridge: Cambridge University Press, 1996.

KORSGAARD, Ch. M. Kant’s Formula of Humanity, in: Kant-Studien, 77 (1986): pp. 183-202.

KORSGAARD, Ch. M. Skepticism about Practical Reason. In: The Journal of Philosophy, 83 (1986): pp. 5-25.

KRÜGER, Gerhard. Philosophie und Moral in der kantischen Kritik. 2 Auflage. Tübingen: J.C.B.Mohr, 1967.

MARTINS, C. A. Sobre a personalidade na filosofia prática de Kant. In: Revista portuguesa de filosofia, 58 (2002): pp. 101-116.

MELNICK, A. Kant’s Formulations of the Categorical Imperative. In: Kant-Studien, 93 (2002): pp. 291-308.

MOHR, G. Personne, personnalité et liberte dans la Critique de la Raison Pratique. In: Revue Internationale de Philosophie, 166 (1988): pp. 289-319.

NEIMAN, Susan. The unity of reason: rereading Kant. New York: Oxford University Press, 1997.

NELL (O’NEILL), Onora. Acting on Principle. An Essay on Kantian Ethics. New York; London: Columbia University Press, 1975.

NODARI, Paulo César. A teoria dos dois mundos e o conceito de liberdade em Kant. Caxias do Sul: Educs, 2009.

OLIVEIRA, Manfredo Araújo de. A religião na sociedade urbana e pluralista. São Paulo: Paulus, 2013.

O’NEILL, Onora. Constructions of reason: explorations of Kant’s practical philosophy. Cambridge: Cambridge University Press, 1998.

PATON, H. J. The categorial imperative: a study in Kant’s moral philosophy. Philadelphia: University of Pennsylvania Press, 1971.

PERES, Daniel Tourinho. A filosofia kantiana da história entre a retórica e o conhecimento objetivo. In: MARTINS, Clélia Aparecida; MARQUES, Ubirajara Rancan de Azevedo. Kant e o kantismo. São Paulo: Brasiliense, 2009, pp. 219-230.

ROHDEN, Valério. Interesse da razão e liberdade. São Paulo: Ática, 1981

ROHDEN, Valerio. O humano e racional na Ética. Studia Kantiana, 1 (1998): 307-321.

ROVIELLO, A.-M. L’institution kantienne de la liberte. Bruxelles: Ousia: 1984.

SANDEL, Michael J. Contra a perfeição. Ética na era da engenharia genética. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2013.

SCHNOENECKER, Dieter (Ed.). Groundwork for the Metaphysics of Morals. Berlin-New York: de Gruyter, 2006, pp. 200-221.

SCHÖNECKER, Dieter. Kant: Grundlegung III. Die Deduktion des kategorischen Imperativs. Freiburg; München: Alber, 1999.

SCHÖNECKER, Dieter; WOOD, Allen W. A “Fundamentação da metafísica dos costumes” de Kant. Um comentário introdutório. São Paulo: Loyola, 2014.

SENSEN, Oliver. Kant on human dignity. (Kantstudien. Ergänzungshefte. Band 166). Berlin; Boston: Walter de Gruyter GmbH & Co. KG, 2011.

SULLIVAN, R. J. Immanuel Kant’s moral theory. 5 ed. Cambridge: Cambridge University Press, 2000.

TUGENDHAT, E. Lições sobre ética. Petrópolis: Vozes, 1997.

VELKLEY, Richard L. Freedom and the end of reason: on the moral foundation of Kant’s critical philosophy. Chicago: University of Chicago Press, 1989.

WEBER, Thadeu. Ética e filosofia do direito. Autonomia e dignidade da pessoa humana. Petrópolis: Vozes, 2013.

WILLASCHEK, Marcus. Praktische Vernunft. Handlungstheorie und Moralbegründung bei Kant. Stuttgart; Weimar: Verlag J. B. Metzler, 1991.

WOOD, Allen W. Kant. Introdução. Porto Alegre: Artmed, 2008.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1984-6746.2016.1.19846



ATENÇÃO

Sistema em manutenção

Migração do sistema OJS para a versão 3.0. Durante este período os usuários:

  • Poderão acessar todo o conteúdo já publicado
  • Não poderão efetivar encaminhamentos do fluxo editorial (submissão, avaliação, publicação)

Previsão: 06/07/2020


ISSN-L: 0042-3955 | e-ISSN: 1984-6746


Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada. Copyright: © 2006-2020 EDIPUCRS