O argumento ontológico e o fim da Metafísica. Duas visões complementares: Kant e Hegel

Héctor Ferreiro

Resumo


A tese central da critica de Kant ao argumento ontológico é a tese que a existência não é um predicado real capaz de seja adicionado ao conceito de um objeto. O conceito do ser mais perfeito ou mais real é um conteúdo subjetivo que é como tal completamente determinadu. Portanto, saber se esse objeto também existe no mundo real é indispensável que o sujeito tem uma intuição de ele. A ausência de tal intuição é, de acordo com Kant, um obstáculo insuperável para as tentativas diferentes provar a existência de Deus. Embora Hegel concorda em princípio com a afirmação de Kant que existência não deve ser concebida como um predicado real, ele considera, no entanto, que entendê-la como a posição do conceito já exaustivamente determinadu do objeto não implica um superar verdadeiro da noção particular de existência que está na base do argumento ontológico. Neste artigo eu defendo a afirmação que a contracrítica de Hegel a crítica de Kant ao argumento ontológico é um radicalization da crítica geral de Kant a la metafísica.

Palavras-chave


Ontological Argument. Metaphysics. End of Metaphysics. Kant. Hegel. Existence.

Texto completo:

PDF (EM ESPANHOL)


DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1984-6746.2012.3.10355



ATENÇÃO

Sistema em manutenção

Migração do sistema OJS para a versão 3.0. Durante este período os usuários:

  • Poderão acessar todo o conteúdo já publicado
  • Não poderão efetivar encaminhamentos do fluxo editorial (submissão, avaliação, publicação)

Previsão: 06/07/2020


ISSN-L: 0042-3955 | e-ISSN: 1984-6746


Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada. Copyright: © 2006-2020 EDIPUCRS