As fontes Aristotélicas e Estóicas em Abelardo: a noção de "consentimento" (consensus – συץκατάθεσις)

Guy Hamelin

Resumo


A concepção da falta moral em Pedro Abelardo (1079-1142) contém um elemento fundamental de natureza estóica. Trata-se da noção de “consentimento” (consensus). Após a apresentação do essencial dessa teoria abelardiana, remontamos à fonte dessa ideia no estoicismo antigo e da época imperial. Segundo os seus principais representantes, o “consentimento” ou o “assentimento” (sugkata/qesij) tem uma função determinante não somente na ética, mas também no processo de conhecimento. Frisamos de passagem a semelhança entre componentes importantes da gnosiologia estóica e a teoria exposta por Aristóteles nos Segundos analíticos acerca da origem do conhecimento. Agostinho constitui sem dúvida um dos principais intermediários, pelos quais essa noção de consentimento chega até Abelardo no século 12. Ainda que seja influenciado pelo Bispo de Hipona sobre as questões morais em geral, Abelardo parece se distanciar dele, ao considerar que o consentimento releva mais da razão que da vontade.

Palavras-chave


Abelardo. Consentimento. Estoicismo. Aristóteles. Agostinho

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1984-6746.2010.2.10239



ATENÇÃO

Sistema em manutenção

Migração do sistema OJS para a versão 3.0. Durante este período os usuários:

  • Poderão acessar todo o conteúdo já publicado
  • Não poderão efetivar encaminhamentos do fluxo editorial (submissão, avaliação, publicação)

Previsão: 06/07/2020


ISSN-L: 0042-3955 | e-ISSN: 1984-6746


Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada. Copyright: © 2006-2020 EDIPUCRS