Neurociência e religião: as pesquisas neurológicas em torno da experiência religiosa

Everaldo Cescon

Resumo


Desde o caso Galileu, ciência e religião se opuseram e, muitas vezes, con-
frontaram-se por causa das direções dos seus olhares: uma em direção a um mundo e a outra em direção a outro mundo. Atualmente, porém, os neurocientistas defendem que se pode estudar de um ponto de vista objetivo as experiências religiosas por meio de metodologias de neuroimagem e de visualização in vivo da atividade cerebral. Este artigo pretende analisar a possibilidade de descrever a experiência religiosa em termos neurológicos. Procura-se indicar como a experiência religiosa é tratada, continuamente construída e reconstruída por meio da implementação de diversos dispositivos experimentais e teóricos. O corpo de referência é constituído por uma série de estudos recentes que procuraram descrever as bases neurais de experiências religiosas diferentes entre si. Os resultados indicam que o pesquisador pode ter acesso aos efeitos (cerebrais, eletrofisiológicos, comportamentais) da experiência, mas nada pode dizer deles senão confrontar esta experiência com o self-report dos sujeitos. Apenas pode realizar um mapeamento formal dos efeitos.

Palavras-chave


Neurociência. Religião. Fenomenologia.

Texto completo:

PDF


ISSN-L: 0103-314X

e-ISSN: 1980-6736



Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.

 Copyright: © 2006-2020 EDIPUCRS