Da Religião do Sacrifício à Religião da Fraternidade

Luiz Carlos Susin

Resumo


Há uma relação entre religião e violência que consiste basicamente em sacralização da violência através da sublimação da mesma como sacrifício. Ora, o sacrifício está no coração de toda religião, de forma descarada nas religiões arcaicas e de forma metamorfoseada e mascarada na evolução histórica da religião. A Escritura testemunha as ambiguidades do sacrifício e o choque profético entre o sacrifício e a misericórdia. O Cristianismo, em sua fonte, é a superação radical do sacrifício, mas, ao longo da história, novas metamorfoses do sacrifício surgem no Cristianismo. É a volta às fontes e a renovação de sua experiência na confraternização universal, testada pelos excluídos, que legitimam a originalidade do Cristianismo e um sentido realmente cristão para a palavra sacrifício.

Palavras-chave


Religião. Sacrificio. Cristianismo. Renovação.

Texto completo:

PDF


ISSN-L: 0103-314X

e-ISSN: 1980-6736



Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.

 Copyright: © 2006-2020 EDIPUCRS