Correntes da Bioética Frente às Pessoas com Deficiência

Cláudio Vicente Immig

Resumo


Este artigo foi extraído de parte do segundo capítulo da tese de doutorado apresentada pelo autor em fevereiro de 2010 na Academia Alfonsiana de Roma. Nele são apresentadas diferentes correntes bioéticas com seus respectivos posicionamentos e suas consequências práticas na vida das pessoas com deficiência. Através de algumas citações das obras Ética prática e Fundamentos da bioética, respectivamente de Peter Singer e Hugo T. Engelhardt, se constata a urgência de denunciar os perigos desta corrente utilitarista e deste modelo contratualista, pois ao negarem o status de pessoa para os seres humanos com deficiência mental grave, anulam a sua dignidade, negando os direitos proclamados pelas nações. Percebe-se a necessidade de uma antropologia de fundo para que o conceito de pessoa não fique restrito às capacidades, à autonomia e autodeterminação, mas que supere esta leitura parcial que reduz a dignidade humana à decisão dos agentes morais. Através da bioética personalista se observa a importância de considerar a pessoa em todas as suas dimensões, acentuando o aspecto da dignidade humana que é anterior às capacidades e às transcende, exigindo acolhida e respeito, de modo especial nas situações de vulnerabilidade, questionando assim o agir ético.

Palavras-chave


Bioética. Pessoa com deficiência. Dignidade. Agir ético

Texto completo:

PDF


ISSN-L: 0103-314X

e-ISSN: 1980-6736



Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.

 Copyright: © 2006-2020 EDIPUCRS