Consciência moral transcendente e experiência religiosa na obra de Viktor Frankl

Ivo Studart Pereira

Resumo


No presente trabalho, avaliamos como a tese de Viktor Emil Frankl sobre o caráter transcendente da consciência moral [Gewissen] constitui um argumento-chave para elucidar sua visão de experiência religiosa. Trata-se de um debate que toca, de maneira singular, o pensamento teológico do filósofo e psiquiatra vienense, na medida em que, partindo de uma análise do fenômeno da responsabilidade humana, chega-se a uma peculiar noção de relacionamento entre homem e Deus. Nesse sentido, paralelamente, vislumbramos como o pensador em questão refuta as leituras psicológicas sobre a moralidade, ao mesmo tempo em que objeta contra teses centrais da psicanálise sobre
o tema.


Palavras-chave


Viktor Frankl. Consciência moral. Transcendência. Experiência religiosa. Psicanálise.

Texto completo:

PDF PDF

Referências


FOULQUIÉ, P. O Existencialismo. São Paulo: Difusão Europeia do Livro, 1961.

FRANKL, V. E. ______. Psychotherapy and Existentialism. Nova Iorque: Washington Square Press, 1967 (Trechos neste trabalho traduzidos por Ivo Studart Pereira).

______. Fundamentos Antropológicos da Psicoterapia. Tradução de Renato Bittencourt. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1978.

______. Em Busca de Sentido. Tradução de Walter Schlupp e Carlos Aveline. Petrópolis: Vozes, 1985.

______. The Will to Meaning. Nova Iorque: Meridian Books. 1988 (Trechos neste trabalho traduzidos por Ivo Studart Pereira).

______. Psicoterapia para Todos: uma psicoterapia coletiva para contrapor-se à neuroe coletiva. Tradução de Antonio Allgayer. Petrópolis: Vozes, 1990.

______. A Presença Ignorada de Deus. Tradução de Walter Schlupp e Helga Reinhold. Petrópolis: Vozes, 1992.

______. Logoterapia e Análise Existencial: textos de cinco décadas. Tradução de Jonas Pereira dos Santos. Campinas: Editorial Psy II, 1995.

______. Sede de Sentido. Tradução de Henrique Elfes. São Paulo: Quadrante, 2003b.

LUKAS, E. Prevenção Psicológica: a prevenção de crises e a proteção do mundo interior do ponto de vista da logoterapia. Tradução de Helga Hinkenickel Reinhold. Petrópolis: Vozes, 1989b.

PETER, Ricardo. Viktor Frankl: a antropologia como terapia. Tradução de Christina Stumer. São Paulo: Paulus, 1999. 120p. (Coleção: Psicologia Prática).




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1980-6736.2014.3.19799

ISSN-L: 0103-314X

e-ISSN: 1980-6736



Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.

 Copyright: © 2006-2020 EDIPUCRS