Implicações dos modelos de atenção à dependência de álcool e outras drogas na rede básica em saúde

Daniela Ribeiro Schneider, Dálberti Sciamana de Lima

Resumo


A situação da dependência de substâncias psicoativas tem se caracterizado como um grave problema no âmbito da saúde pública brasileira e mundial, requisitando das ciências e dos serviços de atenção estudos e ações sustentadas em conhecimento especializado, que dêem conta da complexidade da situação. No cenário atual da saúde existem diversos modelos de análise à dependência, sustentados em diferentes perspectivas epistemológicas, teórico e metodológicas, formando uma miscelânea de propostas. O presente artigo, baseado em pesquisa qualitativa realizada em um município de médio porte de Santa Catarina, objetiva descrever as implicações dos atuais modelos de análise e atenção da dependência de álcool e outras drogas nos serviços de saúde básica. Verificou-se que as concepções sobre a drogadição ainda estão sustentadas em modelos de análise dicotômicos e deterministas, em contradição com os princípios do SUS. Constatou-se também a falta da capacitação das equipes de Estratégia da Saúde da Família para lidarem com a problemática da dependência de álcool e outras drogas.

Palavras-chave


atenção básica; profissionais de saúde; racionalidades; drogadição, dependência de álcool e outras drogas.

Texto completo:

PDF


e-ISSN: 1980-8623 | ISSN-L: 0103-5371


Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada.