Perspectiva social sobre os discursos opressores da deficiência na universidade

Tânia Nunes, Rita Rodrigues, Diogo Lamela, Rui Nunes-Costa

Resumo


Os discursos opressores dominam a identidade e os papéis das pessoas portadoras de deficiência na sociedade. Estas narrativas oprimem a plena integração das pessoas portadoras de deficiência, não promovendo a diversidade como um elemento de evolução e desenvolvimento sociais. As instituições universitárias, ao invés de serem um factor contribuir para a mudança dos discursos sociais, promovem e incentivam a visão biomédica da deficiência como défice biológico e o social, dificultando o acesso ao conhecimento desta minoria através de acções discriminatórias activas e passivas. O presente artigo teórico, sustentado em propostas conceptuais e dados empíricos, tem como finalidade apresentar uma perspectiva crítica sobre os pressupostos positivistas sobre a deficiência que, baseada na Teoria Social da Deficiência, desconstrói o discurso dominante e opressor que discrimina as pessoas portadoras de deficiência. No final do artigo, é apresentado um modelo de análise crítica sobre a deficiência em contexto universitário.

Palavras-chave


deficiência; discursos opressores; universidade.

Texto completo:

PDF




e-ISSN: 1980-8623 | ISSN-L: 0103-5371


Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada.