Crianças em risco: abandono de psicoterapia

Maria Lúcia Tiellet Nunes, Margareth da Silva Oliveira, Edwiges Ferreira de Mattos Silvares, Edna Maria Marturano

Resumo


O presente estudo investigou as mudanças nas representações acerca da maternidade em uma mãe com indicadores de depressão ao longo de uma psicoterapia breve pais-bebê. Foi utilizado um delineamento de estudo de caso único, sendo que as representações maternas foram examinadas em três momentos: antes, durante e após a psicoterapia. Os relatos foram analisados a partir de quatro eixos interpretativos que constituem a constelação da maternidade de Stern (1997) vida-crescimento; relacionar-se primário; matriz de apoio; e reorganização da identidade. Os resultados revelaram que as mudanças nas representações da mãe acerca do relacionamento com a sua própria mãe desempenharam um papel central na reelaboração de esquemas a respeito de si mesma, do bebê e do relacionamento conjugal. Aponta-se para a efetividade da utilização dos temas da constelação da maternidade como eixos interpretativos na avaliação de processo psicoterápico envolvendo pais e bebê.

Palavras-chave


Representações maternas; depressão materna; psicoterapia breve pais-bebê.

Texto completo:

PDF




e-ISSN: 1980-8623 | ISSN-L: 0103-5371


Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada.