A constituição da maternidade em gestantes solteiras

Cesar Augusto Piccinini, Angela Helena Marin, Aline Grill Gomes, Rita Cássia Sobreira Lopes

Resumo


A gravidez provoca intensas emoções na vida da mulher e incita mudanças de diversas ordens, o que, por si só, já faz com que esse período seja vivenciado com algumas dificuldades, que tendem a se intensificar quando o pai do bebê não está presente. Nesse sentido, o objetivo deste estudo foi investigar a constituição da maternidade em gestantes solteiras. Participaram nove mulheres primíparas e solteiras que estavam no último trimestre de gestação. A análise de conteúdo qualitativa revelou que a constituição da maternidade em mães solteiras esteve associada tanto a transformações corporais, como psicológicas e sociais, que acabaram por interferir no âmbito intrapsíquico e inter-relacional da gestante. A vivência da maternidade apareceu ligada a sentimentos de tristeza, raiva e solidão e a dúvidas sobre o desejo de ficar com o bebê. Percebeu-se, também, um gradual processo de aceitação da gestação, especialmente se a gestante contava com o apoio de familiares. Por fim, é plausível pensar que mesmo que ser mãe solteira possa implicar em uma sobrecarga de tarefas, especialmente na gestação e nos primeiros anos de vida da criança, a ausência do pai não pode ser entendida como determinante para o prejuízo da relação mãe-bebê, pois essa dependerá de como a mãe vivencia esta falta e a transmite para a criança.

Palavras-chave


mãe solteira; gestação; maternidade.

Texto completo:

PDF




e-ISSN: 1980-8623 | ISSN-L: 0103-5371


Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada.