Transtorno autístico e a consulta terapêutica do casal

Maria Angela Favero-Nunes, Isabel Cristina Gomes

Resumo


O presente artigo pretende analisar a utilização da consulta terapêutica, segundo Winnicott (1971[1984]), como uma possibilidade de oferecimento de holding ao casal com um filho portador do transtorno autístico. Ofereceu-se consultas terapêuticas aos casais cujos filhos participavam de atividades em uma instituição especializada no atendimento de crianças com esse diagnóstico, localizada em um município do interior do estado de São Paulo. Dez casais foram atendidos, os dados do primeiro encontro com cada casal foram transcritos e analisados. Discutiu-se a interface entre a conjugalidade e a relação parental e avaliou-se a utilização da consulta na compreensão do funcionamento familiar e, ao mesmo tempo, como espaço de comunicação dos conflitos vivenciados pela família. Concluiu-se sobre a necessidade de um espaço terapêutico mais constante para o casal com a finalidade de discutir e cuidar da relação conjugal.

Palavras-chave


casal, consulta terapêutica, família, transtorno autístico

Texto completo:

PDF


e-ISSN: 1980-8623 | ISSN-L: 0103-5371


Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada.