Efeitos do sedentarismo nas funções cognitivas de idosas com escolaridade baixa

Guilherme Elias Silva, Flávia Heloísa Santos

Resumo


A atividade física sistemática pode prevenir o comprometimento cognitivo no envelhecimento. Há poucos estudos cognitivos em populações sob risco como mulheres sedentárias, com escolaridade reduzida, após o climatério. Objetivos: i) Rastrear aspectos cognitivos e emocionais de idosas ativas com escolaridade intermediária comparando-as com sedentárias; ii) verificar se há uma ação protetora da atividade física ao comprometimento cognitivo. Participantes: idosas ativas (N=18), praticantes de atividades físicas monitoradas regularmente e sedentárias (N=17) com idade média de 66 anos e escolaridade média de 6 anos, sem transtornos neuropsiquiátricos. Materiais: instrumentos para rastreio cognitivo (CAMCOG), intelectual, consumo alcoólico, depressão e classificação econômica. Resultados: Ativas exibiram escores mais altos que sedentárias em compreensão, praxia e percepção (CAMCOG). Houve correlações positivas entre o escore cognitivo geral, escolaridade e capacidade intelectual, e negativas entre escores de consumo alcoólico, compreensão e cálculo. Conclusão: A atividade física regular parece ter contribuído para proteção cognitiva em idosas com escolaridade intermediária.

Palavras-chave


envelhecimento; neuropsicologia; CAMCOG; fatores de proteção; exercício

Texto completo:

PDF


e-ISSN: 1980-8623 | ISSN-L: 0103-5371


Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada.