Estudo psicométrico da Escala de Interesses por Áreas da Psicologia (EIAPsi)

Rodolfo Augusto Matteo Ambiel, Gustavo Henrique Martins

Resumo


Os estudantes de Psicologia devem realizar escolhas profissionais durante o curso, podendo vivenciar um período angustiante. O objetivo deste artigo foi buscar evidências de validade e precisão para a Escala de Interesses por Áreas da Psicologia (EIAPsi) e verificar as diferenças do sexo e período do curso nas médias dos interesses. Participaram 980 estudantes de Psicologia que responderam a EIAPsi. Os resultados indicaram 11 fatores como melhor estrutura para EIAPsi, os quais apresentaram bons índices de precisão. Notou-se que as mulheres pontuaram mais que os homens nas áreas Saúde e Jurídica, sendo o oposto observado na área Docência e Pesquisa. Os estudantes do fim do curso apresentaram um perfil de interesses mais discriminado que os demais. A partir dos resultados foi possível identificar a viabilidade da utilização da EIAPsi por estudantes de Psicologia no contexto brasileiro.


Palavras-chave


orientação vocacional, interesses profissionais, ensino superior, avaliação psicológica, testes psicológicos.

Texto completo:

PDF

Referências


Ambiel, R. A. M., & Martins, G. H. (2016a). Interesses profissionais expressos e inventariados de estudantes de Psicologia: Implicações para a formação. Psicologia Ensino & Formação, 7(1), 5-17. https://doi.org/10.21826/2179-5800201671517

Ambiel, R. A. M., & Martins, G. H. (2016b). Escala de Interesses por Áreas da Psicologia. Relatório técnico não publicado. “(DOI INEXISTENTE)”

Ambiel, R. A. M., & Martins, G. H. (no prelo). Escala de Interesses por Áreas da Psicologia. Em A. Andrade, M. F. O. Nunes, M. Z. Oliveira, & R. A. M. Ambiel, Técnicas e Medidas em Orientação Profissional e de Carreira. São Paulo, SP: Vetor. “(DOI INEXISTENTE)”

Ambiel, R. A. M., Martins, G. H., Taveira, M. C., Zuanazzi, A. C., Silveira, J. Z., & Cicchetto, A. A. (no prelo). Estudo psicométrico da Escala de Interesses por Áreas da Psicologia – Versão Portuguesa. Paidéia. “(DOI INEXISTENTE)”

Andrade, A. L., Pissaia, A. T., Oliveira, M. Z., & Silva, M. Z. (2016). Características proteanas e afetos sobre carreira de estudantes de Psicologia. Estudos de Psicologia (Campinas), 33(4), 677-688. https://doi.org/10.1590/1982-02752016000400011

Andrade, A., Tiraboschi, G. A., Antunes, N. A., Viana, P. V. B. A., Zanoto, P. A., & Curilla, R. T. (2016). Vivências acadêmicas e sofrimento psíquico de estudantes de Psicologia. Psicologia Ciência e Profissão, 36(4),

-846. https://doi.org/10.1590/1982-3703004142015

Bueno, J. M. H., Lemos, C. G., & Tomé, F. A. M. F. (2004). Interesses profissionais de um grupo de estudantes de Psicologia e suas relações com inteligência e personalidade. Psicologia em Estudo, 9(2), 271-278.

https://doi.org/10.1590/S1413-73722004000200013

Bullock, E. E. & Reardon, R. C. (2008). Interest profile elevation, Big Five personality traits, and secondary constructs on the Self-Directed Search: A replication and extension. Journal of Career Assessment, 16(3), 326-338. https://doi.org/10.1177/1069072708317379

Campos, L. F. D. L., Catão, E. C., & Fujii, C. M. (1999). Inventário cientista-prático de orientação profissional em Psicologia: Um estudo exploratório. Psicologia Escolar e Educacional, 3(2), 139-150. https://doi.org/10.1590/S1413-85571999000200004

Cohen, J. (1992). A power primer. Psychological Bulletin, 112(1). 155-159. https://doi.org/10.1037/0033-2909.112.1.155

Daltro, M. R., & Pondé, M. P. (2017). How candidates for psychology course feel that the right choice?. International Journal of Health Education, 1(1), 23-30. https://doi.org/10.17267/2594-7907ijhe.v1i1.1359

Ferreira, A. I., Rodrigues, R. I., & Ferreira, P. C. (2015). Career interests of students in psychology specialties degrees: psychometric evidence and correlations with the RIASEC dimensions. International Journal for Educational and Vocational Guidance, 16(1), 91-111. https://doi.org/10.1007/s10775-015-9289-3

Hernández-Franco, V., Baena, B. C., Prieto-Ursúa, M., & Toro, L. B. (2018). “Quiero estudiar Psicología”: Intereses y valores vocacionales de los alumnos de Bachillerato con preferencia por los estudios de Psicología. Electronic Journal of Research in Education Psychology, 16(44), 175-198. https://doi.org/10.25115/ejrep.v16i44.1943

Hoff, K. A., Briley, D. A., Wee, C. J., & Rounds, J. (2018). Normative changes in interests from adolescence to adulthood: A meta-analysis of longitudinal studies. Psychological Bulletin, 144(4), 426-451. https://doi.org/10.1037/bul0000140

Holland, J. L. (1997). Making Vocational Choices: A theory of vocational personalities and work environments (3a. ed.). Englewood Cliffs, NJ: Prentice Hall. “(DOI INEXISTENTE)”

Hu, L., & Bentler, P. M. (1999). Cutoff criteria for fit indexes in covariance structure analysis: Conventional criteria versus new alternatives. Structural Equation Modeling: A Multidisciplinary Journal, 6(1), 1-55. https://doi.org/10.1080/10705519909540118

Im, S. (2011). The effect of profile elevation on the relationship between interest differentiation and vocational identity. British Journal of Guidance & Counselling, 39(2), 149-160. https://doi.org/10.1080/03069885.2010.547054

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (2015). ENADE 2015: Relatório síntese de área Psicologia. Brasília: INEP. “(DOI INEXISTENTE)”

Jaensch, V. K., Hirschi, A., & Spurk, D. (2016). Relationships of vocational interest congruence, differentiation, and elevation to career preparedness among university students. German Journal of Work and Organizational Psychology, 60, 79-89. https://doi.org/10.1026/0932-4089/a000210

Lamas, K. C. A. (2017). Conceito e relevância dos interesses profissionais no desenvolvimento de carreira: Estudo teórico. Temas em Psicologia, 25(2), 703-717. https://doi.org/10.9788/TP2017.2-16Pt

Lent, R. W., Brown, S. D., & Hackett, G. (1994). Toward a unifying social cognitive theory of career and academic interest, choice, and performance. Journal of Vocational Behavior, 45(1), 79-122. https://doi.org/10.1006/jvbe.1994.1027

Low, K. S., & Rounds, J. (2007). Interest change and continuity from early adolescence to middle adulthood. International Journal for Educational and Vocational Guidance, 7(1), 23-36. https://doi.org/10.1007/s10775-006-9110-4

Magalhães, M. O., Straliotto, M., Keller, M., & Gomes, W. B. (2001). Eu quero ajudar as pessoas: A escolha vocacional da Psicologia. Psicologia: Ciência e Profissão, 21(2), 10-27. https://doi.org/10.1590/S1414-98932001000200003

Martins, G. H., Hernández, D. N., & Ambiel, R. A. M. (2014). Validade de conteúdo para a Escala de Interesses por Áreas da Psicologia. Trabalho apresentado na modalidade painel, no IV Congresso Brasileiro Psicologia: Ciência e Profissão, Uninove, São Paulo, SP. “(DOI INEXISTENTE)”

Noronha, A. P. P., & Ambiel, R. A. M. (2005). Level of differentiation of vocational interests profiles: Comparative study by age and schooling in a brazilian sample. Paidéia, 25(60), 49-56. http://dx.doi.org/10.1590/1982-43272560201507

Nunnally, J. C. (1978). Psychometric theory. New York: McGraw-Hill Inc. “(DOI INEXISTENTE)”

Peterson, R. A. (1994). A meta-analysis of Cronbach’s coefficient alpha. Journal of Consumer Research, 21(2), 381-391. https://doi.org/10.1086/209405

Rabelo, A. L. A., Pilati, R., & Porto, J. B. (2016). O Teste de Associação Implícita para avaliação da preferência profissional em Psicologia. Revista Brasileira de Orientação Profissional, 17(2). Recuperado de http://www.redalyc.org/html/2030/203051246007/

Rodrigues, R. I., Ferreira, A. I., & Bártolo-Ribeiro, R. (2013). Construção e desenvolvimento de um questionário de interesses para a psicologia. Revista Iberoamericana de Diagnóstico y Evaluación/e Avaliaçao Psicológica, 2(36), 99-116. Recupera de http://aidep.org/03_ridep/R36/Art.%205.pdf

Rounds, J., & Su, R. (2014). The nature and power of interests. Current Directions in Psychological Science, 23(2), 98-103. https://doi.org/10.1177/0963721414522812

Schultz, L. H., Connolly, J. J., Garrison, S. M., Leveille, M. M., & Jackson, J. J. (2017). Vocational interests across 20 years of adulthood: Stability, change, and the role of work experiences. Journal of Research in Personality, 71, 46-56. https://doi.org/10.1016/j.jrp.2017.08.010

Souza, M. F., & Souza, R. L. (2012). O processo de escolha da área de atuação pelo graduando de Psicologia. Revista Kaleidoscópio, 3, 36-58. Recuperado de https://www.unilestemg.br/kaleidoscopio/artigos/volume3/processo_de_escolha_da_area.pdf

Su, R., Rounds, J., & Armstrong, P. I. (2009). Men and things, women and people: A meta-analysis of sex differences in interests. Psychological Bulletin, 135(6), 859-884. https://doi.org/10.1037/a0017364




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1980-8623.2019.4.32840

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

e-ISSN: 1980-8623 | ISSN-L: 0103-5371


Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada.