Sistema de cotas para entrada no Ensino Superior: perspectivas de jovens negros de Fortaleza

Lívia Lima Gurgel, Veriana de Fátima Rodrigues Colaço

Resumo


Em 2013 a Universidade Federal do Ceará inaugurou a Política de Cotas no Estado. Diante disso, objetivou-se analisar a compreensão dos estudantes negros de escolas públicas de ensino médio de Fortaleza acerca das implicações do sistema de cotas para eles próprios e para os cursos universitários. Participaram 464 estudantes, a maioria do sexo feminino, com idade entre 14 e 16 anos e que se autodeclararam pardos ou pretos. A partir da Análise de Conteúdo foram examinadas as justificativas dadas pelos estudantes aos itens 09, 12 e 13 do questionário utilizado na pesquisa. Os resultados indicam que os estudantes estão considerando que há maiores possibilidades de ingresso no ensino superior, mas poucos consideram mudanças para os cursos universitários. Foram encontradas diversas opiniões contraditórias acerca desse sistema. Atenta-se para a importância de reflexões acerca do processo de embranquecimento da sociedade brasileira, do racismo estrutural e do lugar privilegiado do branco na sociedade. 


Palavras-chave


Sistema de cotas; Políticas de ações afirmativas; Juventude negra; Racismo.

Texto completo:

PDF

Referências


Agência Brasil. (2018). Cotas foram revolução silenciosa no Brasil, afirma especialista [Página de notícias]. Recuperado de http://agenciabrasil.ebc.com.br/educacao/noticia/2018-05/cotas-foram-revolucao-silenciosa-no-brasil-afirma-especialista

Agência Brasil (2017). Percentual de negros nas universidades dobra em 10 anos [Página de notícias]. Recuperado de https://guiadoestudante.abril.com.br/universidades/percentual-de-negros-nas-universidades-dobra-em-10-anos/

Albuquerque, W. R., & Filho, W. F. (2006). Uma história do negro no Brasil. Salvador, BA: Centro de Estudos Afro-Orientais; Brasília, DF: Fundação Cultural Palmares, 2006.

Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior. (2018). UnB – Perfil do estudante mostra aumento de alunos negros e de baixa renda [Página de notícias]. Recuperado de http://www.andifes.org.br/unb-perfil-estudante-mostra-aumento-de-alunos-negros-e-de-baixa-renda/

Bardin, L. (2004). Análise de conteúdo. (3a. ed.) Lisboa: Edições 70.

Carone, I. (2002). Breve histórico de uma pesquisa psicossocial sobre a questão racial brasileira. In I. Carone & M. A. S. Bento. (Orgs.), Psicologia social do racismo: estudos sobre branquitude e branqueamento no Brasil (p. 13-23). Petrópolis, RJ: Vozes.

Conselho Federal de Psicologia. (2017). Relações Raciais: Referências Técnicas para atuação de psicólogas/os. Brasília, DF: CFP.

Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990. (1990). Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Brasília, DF. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L8069.htm.

Castro, L. R., & Besset, V. L. (2008). Pesquisa-Intervenção na Infância e Juventude: construindo caminhos. In Castro, L. R., & Besset, V. L. (Orgs.). Pesquisa-Intervenção na Infância e Juventude (p. 09-14). . Rio de Janeiro, RJ: NAU/FAPERJ.

Decreto nº 1.904, de 13 de maio de 1996. (1996). Institui o programa nacional de direitos humanos – PNDH. Brasília, DF, Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/d1904.htm.

Decreto n. 7.824, de 11 de outubro de 2012. (2012). Regulamenta a Lei no 12.711, de 29 de agosto de 2012, que dispõe sobre o ingresso nas universidades federais e nas instituições federais de ensino técnico de nível médio. Brasília, DF. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/Decreto/D7824.htm.

Feres Júnior, J., Daflon, V. T., & Campos, L. A. (2012). Ação afirmativa, raça e racismo: uma análise das ações de inclusão racial nos mandatos de Lula e Dilma. Revista de C. Humanas, 12(2), 399-414. Recuperado de http://www.cch.ufv.br/revista/pdfs/vol12/artigo8vol12-2.pdf

Gregori, J. & Veronese, C. (2018). Juventudes, violências e interseccionalidades no Brasil: reflexões a partir do Estatuto da Juventude. Interfaces científicas - humanas e sociais, 7(1), 71-82. doi:10.17564/2316-3801.2018v7n1p71-82

Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada & Fórum Brasileiro de Segurança Pública. (2018). Atlas da Violência 2018. Recuperado de http://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/relatorio_institucional/180604_atlas_da_violencia_2018.pdf

Lei n. 12.711, de 29 de agosto de 2012. (2012). Dispõe sobre o ingresso nas universidades federais e nas instituições federais de ensino técnico de nível médio e dá outras providências. Brasília, DF. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12711.htm.

Lei Nº 3.353, de 13 de maio de 1888. (1988). Declara extinta a escravidão no Brasil. Rio de Janeiro, RJ. Recuperado de www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/LIM/LIM3353.htm.

Lei n. 10.639, de 9 de janeiro de 2003. (2003). Altera a Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática História e Cultura Afro-Brasileira” e dá outras providências. Brasília, DF. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/L10.639.htm

Libório, R. M. C., & Koller, S. H. (Orgs.). (2009). Adolescência e Juventude: risco e proteção na realidade brasileira. São Paulo, SP: Casa do Psicólogo.

Maia, K. S. & Zamora, M. H. N. (2018). O Brasil e a lógica racial: do branqueamento à produção de subjetividade do racismo. Psic. Clin., 30(2), 265-286. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/pdf/pc/v30n2/05.pdf.

Medida provisória n. 726, de 12 de maio de 2016. (2016). Altera e revoga dispositivos da Lei no 10.683, de 28 de maio de 2003, que dispõe sobre a organização da Presidência da República e dos Ministérios. Brasília, DF. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2016/Mpv/mpv726.htm

Moehlecke, S. (2002). Ação afirmativa: história e debates no Brasil. Cadernos de Pesquisa, 117, 197-217. doi:10.1590/S0100-15742002000300011

Monteiro, P. F. C. (2012). Discussão acerca da eficácia da Lei Áurea. Meritum, 7(1), 355-387. Recuperado de http://www.fumec.br/revistas/meritum/article/view/1208/829.

Nunes, A. A. C. (2011). O sistema de cotas para negros na universidade federal do maranhão: uma política de ação afirmativa para a população afromaranhense. (Tese de Doutorado). Faculdade de Filosofia e Ciências, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Marília. Recuperado de https://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/104812/nunes_aac_dr_mar.pdf?sequence=1&isAllowed=y

Salles, R. (2011). Abolição no Brasil: resistência escrava, intelectuais e política (1870-1888). Revista de Índias, 71(251), 259-284. doi:10.3989/revindias.2011.010

Santos, A. V. (2012). Os efeitos de sentidos nos dizeres de professores soteropolitanos sobre a lei 10.639/03. (Dissertação de Mestrado). Departamento de Ciências Humanas, Universidade do Estado da Bahia, Salvador.

Santos, S. A., Cavalleiro, E., Barbosa, M. I. S., & Ribeiro, M. (2008). Ações afirmativas: polêmicas e possibilidades sobre igualdade racial e o papel do Estado. Estudos feministas, 16 (3), 913- 929. doi:10.1590/S0104-026X2008000300012

Soares, L. B. & Miranda, L. L. (2009). Produzir subjetividades: o que significa? Estud. pesqui. psicol., 9(2), 408-424. doi:10.12957/epp.2009.9112

Universidade Federal do Ceará. (2013). UFC adotará 50% de cotas já a partir de 2014, decide Conselho Universitário. Recuperado de http://www.ufc.br/noticias/noticias-de-2013/4207-ufc-adotara-50-de-cotas-ja-a-partir-de-2014-decide-conselho-universitario




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1980-8623.2020.1.29823

e-ISSN: 1980-8623 | ISSN-L: 0103-5371


Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada.