Entre movimentos e trajetórias laborais de jovens profissionais

Geruza Tavares D'Avila, Maria Chalfin Coutinho

Resumo


O artigo resulta de uma investigação doutoral cujo objetivo foi compreender os movimentos laborais e os sentidos atribuídos ao trabalho por jovens profissionais. Entendemos que o processo de ingressar em uma universidade e, posteriormente, no “mundo do trabalho”, possui particularidades no Brasil, tensionado entre distintas áreas como a educação, em especial, a de nível superior, e o trabalho. Para o estudo, entrevistamos 16 jovens profissionais recém-formados em cursos noturnos de uma universidade federal. As análises, inspiradas nos Núcleos de Significação, foram realizadas por meio das 1) Marcas sociais; 2) Vivências nos cursos universitários e nos cursos de bacharelado; 3) Trajetórias laborais; e 4) Concepções sobre o trabalho. A partir dos resultados, consideramos que o trabalho, assim como a educação, mediou todo o movimento dos jovens profissionais em direção ao mundo do trabalho. Ademais, em seus processos de inserção profissional, os jovens, diante das dificuldades com as quais se defrontaram, ressignificaram suas concepções e expectativas em relação ao trabalho.


Palavras-chave


trabalho, ensino superior, jovens.

Texto completo:

PDF

Referências


Aguiar, W. M. J. de & Ozella, S. (2013). Apreensão dos sentidos: aprimorando a proposta dos núcleos de significação. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, 94(236), 299-322.

https://doi.org/10.1590/s2176-66812013000100015

Antunes, R. (2014). Desenhando a nova morfologia do trabalho no Brasil. Estudos Avançados, 28(81), 39-53.

https://doi.org/10.1590/s0103-40142014000200004

Barbosa, M. L. de O. (1993). A sociologia das profissões: em torno da legitimidade de um objeto. BIB, 36, 3-30. (DOI INEXISTENTE)

Bastos, J. C. (2005). Efetivação de escolhas profissionais de jovens oriundos do ensino público: um olhar sobre suas trajetórias. Revista Brasileira de Orientação Profissional, 6(2), 31-43.

https://doi.org/10.17771/pucrio.acad.32664

Bergson, H. (2006). O pensamento e o movente. (Bento Prado Júnior, Trad.). São Paulo, SP: Martins Fontes. (DOI INEXISTENTE)

Bessa, D. D. & Franzói, N. L (2017). O preceito metodológico da ergologia e a análise de processos de identificação profissional. Ergologia, 18, 127-145. (DOI INEXISTENTE)

Borges, R. C. (2017). Juventudes: sentidos do trabalho e o processo de escolha profissional. In Lisboa, M. D. & Soares, D. H. P. (Orgs.), Orientação Profissional em Ação: Formação e Prática de orientadores (pp. 207-226). São Paulo, SP: Summus.

https://doi.org/10.11606/d.59.2009.tde-03082009-143254

Decreto n. 6.096, de 24 de abril de 2007. Institui o Programa de Apoio a Planos de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais – REUNI. (2007). Brasília, DF: Ministério da Educação.

https://doi.org/10.9771/gmed.v7i2.13078

Decreto n. 7.234, de 19 de julho de 2010. Dispõe sobre o Programa Nacional de Assistência Estudantil – PNAES. (2010). Brasília, DF: Presidência da República.

https://doi.org/10.26512/2015.5.d.18619

Coutinho, M. (2009). Sentidos do trabalho contemporâneo: as trajetórias identitárias como estratégia de investigação. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, 12(2), 189-202.

https://doi.org/10.11606/issn.1981-0490.v12i2p189-202

Dias, M. S. de L. & Soares, D. H. P. (2012). A escolha profissional no direcionamento da carreira dos universitários. Psicologia: Ciência e Profissão, 32(2), 272-283.

https://doi.org/10.1590/s1414-98932012000200002

Dubar, C. (1998). Trajetórias sociais e formas identitárias: alguns esclarecimentos conceituais e metodológicos. Educação & Sociedade, 19(62), 13-30.

https://doi.org/10.1590/s0101-73301998000100002

Foracchi, M. (1977). O estudante e a transformação da sociedade brasileira. São Paulo, SP: Biblioteca Universitária. (DOI INEXISTENTE)

Furlani, L. M. T. (2001). A claridade da noite: os alunos do ensino superior noturno (2ª ed.). São Paulo, SP: Cortez.

https://doi.org/10.18222/eae02019992239

González Rey, F. (2013). Subjetividad, cultura e investigación cualitativa en psicología: la ciencia como producción culturalmente situada. Liminales. Escritos sobre psicología y sociedad, 1(4), 13-36. (DOI INEXISTENTE)

Lei n. 11.129, de 30 de junho de 2005. Institui o Programa Nacional de Inclusão de Jovens – ProJovem; cria o Conselho Nacional da Juventude – CNJ e a Secretaria Nacional de Juventude; altera as Leis ns. 10.683, de 28 de maio de 2003, e 10.429, de 24 de abril de 2002; e dá outras providências. (2005). Brasília, DF: Presidência da República.

https://doi.org/10.17771/pucrio.acad.11064

Lei n. 12.852, de 5 de agosto de 2013. Estatuto da Juventude. (2013). Brasília, DF. (DOI INEXISTENTE)

Marx, K. (2010). Manuscritos econômicos-filosóficos. (Jesus Ranieri, Trad.). São Paulo, SP: Boitempo. (Originalmente publicado em 1844). (DOI INEXISTENTE)

Mattos, E. de & Chaves, A. M. (2010). Trabalho e escola: é possível conciliar? A perspectiva de jovens aprendizes baianos. Psicologia Ciência e Profissão, 30(3), 540-555.

https://doi.org/10.1590/s1414-98932010000300008

Mattos, V. de B. & Bianchetti, L. (2011). Educação continuada: solução para o desemprego? Educação & Sociedade, 32(117), 1167-1184.

https://doi.org/10.1590/s0101-73302011000400015

Minayo, M. C. de S. (2008). O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde (11ª ed.). São Paulo: Hucitec. (DOI INEXISTENTE)

Pais, J. M., Lacerda, M. P. C. de, & Oliveira, V. H. N. (2017). Juventudes contemporâneas, cotidiano e inquietações de pesquisadores em Educação – uma entrevista com José Machado Pais. Educar em Revista, 64, 301-313.

https://doi.org/10.1590/0104-4060.50119

Pochmann, Márcio (2013). Juventudes na transição para a sociedade pós-industrial. In Macambira, J. & Andrade, F. R. B. (Orgs.), Trabalho e formação profissional: juventudes em transição (pp. 37-56). Fortaleza, CE: IDT, UECE, BNB.

https://doi.org/10.11606/d.48.2010.tde-31082010-095830

Sato, L. (2013). Recuperando o tempo perdido: a psicologia e o trabalho não regulado. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, 16(spe1), 99-110.

https://doi.org/10.11606/issn.1981-0490.v16ispe1p99-110

Sato, L., Coutinho, M. C., & Bernardo, M. H. (2017). A perspectiva da psicologia social do trabalho. In Coutinho, M. C., Bernardo, M. H., & Sato, L. (Orgs.), Psicologia Social do Trabalho (pp. 11-24). Petrópolis, RJ: Editora Vozes.

https://doi.org/10.1590/1982-02752017000100001a

Silva, M. M. da. (2010a). Redes de relações sociais e acesso ao emprego entre os jovens: o discurso da meritocracia em questão. Educação & Sociedade, 31(110), 243-260.

https://doi.org/10.1590/s0101-73302010000100013

Silva, M. M. da. (2010b). Estratégias de sobrevivência: Bolsa de Iniciação Científica, desemprego e precarização entre os jovens. Teoria e Prática da Educação, 13(3), 87-98.

Silva, M. M. da. (2014). Inserção Profissional de jovens: o circuito fechado da precarização. Trabalho & Educação (UFMG), 23(3), 177-194. (DOI INEXISTENTE)

Sposito, M. P. (Coord.). (1989). O trabalhador-estudante: um perfil do aluno do curso superior noturno. São Paulo: Edições Loyola.

https://doi.org/10.11606/d.74.2018.tde-20062018-140532

Vargas, H. M., & Paula, M. de F. C. de. (2013). A inclusão do estudante-trabalhador e do trabalhador-estudante na educação superior: desafio público a ser enfrentado. Avaliação: Revista da Avaliação da Educação Superior, 18(2), 459-485.

https://doi.org/10.1590/s1414-40772013000200012

Vigotsky, L. S. (2007). A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. (José Cipolla Neto, Luís Silveira Menna Barreto e Solange Castro Afeche, Trad.). (7ª ed.). São Paulo, SP: Martins Fontes. (Originalmente publicado em 1930). (DOI INEXISTENTE)

Zago, N. (2006). Do acesso à permanência no ensino superior: percursos de estudantes universitários de camadas populares. Revista Brasileira de Educação, 11(32), 226-237.

https://doi.org/10.1590/s1413-24782006000200003




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1980-8623.2019.2.29659

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

e-ISSN: 1980-8623

ISSN-L: 0103-5371

*********************************

Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

Licença Creative Commons

Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.

 

 

Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS