Atitudes étnico-raciais: elaboração e evidências de validade de uma medida do racismo à brasileira

Sheyla C. S. Fernandes, Marcos Emanoel Pereira

Resumo


O racismo brasileiro sobrevive em um contexto miscigenado e intercultural caracterizado por uma democracia racial aparente, fato que gera permanente necessidade de investigação. Este trabalho parte de dois interesses: 1) investigar alguns elementos do racismo no quadro das relações raciais brasileiras; 2) elaborar uma escala de atitudes étnico-raciais. Inicialmente, coletamos as crenças sobre as pessoas negras e sobre as relações raciais junto a 678 universitários de cinco estados do Brasil. Em seguida, tomando como base os resultados da primeira fase, elaboramos e aplicamos a uma amostra de 195 universitários o modelo experimental da escala de atitudes étnico-raciais (EAER). Uma análise dos componentes principais indicou a existência de dois fatores com índices de confiabilidade interna satisfatórios, atitudes sobre a existência do racismo, com elevada adesão dos estudantes, e atitudes frente às diferenças entre negros e brancos, com baixa adesão. A EAER demonstra ser um instrumento apto às configurações do racismo brasileiro e útil para futuras investigações.


Palavras-chave


Racismo; Escala; Relações raciais.

Texto completo:

PDF

Referências


Alba, M. (2004). El método ALCESTE y su aplicación al estudio de las representaciones sociales del espacio urbano: El caso de la ciudad de México. Peer reviewed online journal, 13, 1-20. https://doi.org/10.24275/uami.9p290936c

Allport, G.W. (1954). The nature of prejudice. Cambridge: Addison-Wesley.

Allport, G.W. (1962). La naturaleza dek prejuicio. Argentina: UEDEBA.

Batista, J. R. M., Leite, E. L., Torres, A. R. R., & Camino, L. (2014). Negros e nordestinos: similaridades nos estereótipos raciais e regionais. Revista Psicologia Política, 14(30), 325-345.

Cabecinhas, R. & Amâncio, L. (2003). Naturalização da diferença: representações sobre raça e grupo étnico. Comunicação apresentada na III Jornada Internacional sobre representações sociais. Rio de Janeiro. https://doi.org/10.17771/pucrio.acad.16772

Cabecinhas, R. (2004). Processos cognitivos, cultura e estereótipos sociais. Actas do II Congresso Ibérico de Ciências da Comunicação, Universidade da Beira Interior, Covilhã, 21-24.

Camino, L. Da Silva, P. & Machado, A. O. (2004). As novas formas de expressão do preconceito racial no Brasil: estudos exploratórios. In M. E. O. Lima & M. E. Pereira (Orgs.), Estereótipos, preconceito e discriminação: perspectivas teóricas e metodológicas (pp. 119-137). Salvador, BA: EDUFBA. https://doi.org/10.1590/s1413-294x2004000300002

Camino, L., Gouveia, L., Maia, L. M., Magalhães Ávila Paz, M., & Laureano, M. (2013). Repertórios discursivos contemporâneos sobre as desigualdades raciais no Brasil. Um estudo com estudantes paraibanos de pós-graduação. Psicologia & Sociedade, 25(1), 113-122. https://doi.org/10.1590/s0102-71822013000100013

Camino, L., Leite Tavares, T., Rosas Torres, A. R., Álvaro, J. L., & Garrido, A. (2014). Repertórios discursivos de estudantes universitários sobre cotas raciais nas universidades públicas brasileiras. Psicologia & Sociedade, 26, 117-128. https://doi.org/10.1590/s0102-71822014000500013

Costa-Lopes, R., Vala, J., Pereira, C. & Aguiar, P. (2008). A construção social das diferenças nas relações entre grupos sociais. In M. V. Cabral et al. (Eds.), Itinerários: A Investigação nos 25 Anos do ICS (pp. 769-790). Lisbon: Imprensa de Ciências Sociais.

Damásio, B. F. (2012). Uso da análise fatorial exploratória em psicologia. Avaliação psicológica, 11(2), 213-228.

Dancey, C. P., & Reidy, J. (2013). Estatística sem matemática para psicologia. Penso Editora. Porto Alegre, Brasil.

Devine, P. G. (1989). Stereotypes and prejudice: Their automatic and controlled components. Journal of personality and social psychology, 56, 5–18. https://doi.org/10.1037//0022-3514.56.1.5

Fattore, G. L., Teles, C. A., Santos, D. N. D., Santos, L. M., Reichenheim, M. E., & Barreto, M. L. (2016). Validade de constructo da escala Experiences of Discrimination em uma população brasileira. Cadernos de Saúde Pública, 32, 1-14. https://doi.org/10.1590/0102-311x00102415

Field, A. (2009). Descobrindo a estatística usando o SPSS-2. Porto Alegre: Artmed.

Guimarães, A. S. A. (2016). Formações nacionais de classe e raça. Tempo Social, 28(2), 161-182. https://doi.org/10.11606/0103-2070.ts.2016.109752

Hair, J. F., Anderson, R. E., Tatham, R. L., Black, W. C. (2005). Análise multivariada de dados. 5. ed. Porto Alegre, RS: Bookman.

Katz, I., Wackenhut, J., & Hass, R.G. (1986). Racial ambivalence, value duality, and behavior. In J. F. Dovidio & S. L. Gaertner (Orgs.), Prejudice, discrimination, and racism (pp. 35-59). Nova York, NY: Academic.

Kite, M. E., & Whitley Jr, B. E. (2016). Psychology of prejudice and discrimination. New York: Psychology Press.

Lai, C. K., Marini, M., Lehr, S. A., Cerruti, C., Shin, J. E. L., Joy-Gaba, J. A., ... & Frazier, R. S. (2014). Reducing implicit racial preferences: I. A comparative investigation of 17 interventions. Journal of Experimental Psychology: General, 143(4), 1-68. https://doi.org/10.1037/a0036769

Leyens, J. P., & Vala, J. (2016). “Back to the Future:” Ideological Dimensions of Intergroup Relations. In The Social Developmental Construction of Violence and Intergroup Conflict (pp. 85-104). Cham: Springer International Publishing. https://doi.org/10.1007/978-3-319-42727-0_4

Lima, M. E., Machado, C., Ávila, J., Lima, C. & Vala, J. (2006). Normas Sociais e Preconceito: O Impacto da Igualdade e da Competição no Preconceito Automático Contra os Negros. Psicologia: reflexão e crítica, 19(2), 309-319. https://doi.org/10.1590/s0102-79722006000200018

Lima, M. E. O. (2003). Normas sociais e racismo: efeitos do individualismo meritocrático e do igualitarismo na infra-humanização dos negros. (Tese de doutorado Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa, Lisboa. https://doi.org/10.33167/2184-0644.cpp2016.viin1/pp.51-74

Lima, M. E. O. & Vala, J. (2004). As novas formas de expressão do preconceito e do racismo. Estudos de psicologia, 9(3), 401-411. https://doi.org/10.1590/s1413-294x2004000300002

Lins, S., Lima-Nunes, A., & Camino, L. (2014). O papel dos valores sociais e variáveis psicossociais no preconceito racial brasileiro. Psicologia & Sociedade, 26(1). https://doi.org/10.1590/s0102-71822014000100011

Lupker, S. J., Perea, M., & Nakayama, M. (2015). Noncognate translation priming effects in the same–different task: evidence for the impact of “higher level” information. Language, Cognition and Neuroscience, 30(7), 781-795. https://doi.org/10.1080/23273798.2015.1015430

Máximo, T. A. C. D. O., Larrain, L. F. C. R., Nunes, A. V. D. L., & Lins, S. L. B. (2012). Processos de identidade social e exclusão racial na infância da solidão. Psicologia em Revista, 18(3), 507-526. https://doi.org/10.5752/p.1678-9563.2012v18n3p507

McConahay, J. B. (1986). Modern racism, ambivalence, and the modern racism scale. In J. F. Dovidio & S. L. Gaertner (Eds.), Prejudice, discrimination and racism: theory and research (pp. 61-89). New York, NY: Academic Press

Moraes, R., & Camino, L. (2016). Same-Sex Relationships and Law: A Study on Arguments Used by STF’s Ministers When Recognizing Same-Sex Unions in Brazil. Revista Direito GV, 12(3), 648-666. doi: 10.1590/2317-6172201627

Nascimento, A. R. A. & Menandro, P. R. M. (2006). Análise lexical e análise de conteúdo: Uma proposta de utilização conjugada. Estudos e pesquisas em psicologia, 2, 72-88.

Nicolau, A. C. A., & Müller, R. F. (2015). O racismo cordial e autoimagem: um estudo sobre os efeitos na adolescência de jovens negras na baixada fluminense/ RJ. Conexões PSI, 3(1), 1-22.

Nunes, A. V., & Camino, L. (2011). Atitude Políticoideológica e Inserção Social: Fatores Psicossociais do Preconceito Racial?. Psicologia & Sociedade, 23(1). https://doi.org/10.1590/s0102-71822011000100015

Olson, M. A. & Fazio, R. H. (2006). Reducing Automatically Activated Racial Prejudice Through Implicit Evaluative Conditioning. University of Tennessee, 32(4), 421-433. https://doi.org/10.1177/0146167205284004

Olson, M. A. (2009). Measures of prejudice. In T. D. Nelson (Ed.), Handbook of prejudice, stereotyping, and discrimination (pp. 367-404). New York, NY: Taylor & Francis Group.

Oswald, F. L., Mitchell, G., Blanton, H., Jaccard, J., & Tetlock, P. E. (2013). Predicting ethnic and racial discrimination: A meta-analysis of IAT criterion studies. Journal of personality and social psychology, 105(2), 171-192. https://doi.org/10.1037/a0032734

Pacheco, L. C. (2015). Racismo cordial-manifestação da discriminação racial à brasileira domínio público e o privado. Psicologia, 2(1). Pasquali L. (2003) Psicometria: teoria dos testes na psicologia e na educação. Rio de Janeiro, RJ: Editora Vozes.

Pereira, C., Vala, J. & Leyens, J. P. (2009). From infra- humanization to discrimination: The mediation of symbolic threat needs egalitarian norms. Journal of experimental social psychology, 45, 336-344. https://doi.org/10.1016/j.jesp.2008.10.010

Pereira, C. R., & Souza, L. (2017). Fatores Legitimadores da Discriminação: Uma Revisão Teórica. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 32(2). https://doi.org/10.1590/0102-3772e322222

Pettigrew, T. F. & Meertens, R. W. (1995). Subtle and blatant prejudice in western Europe. European journal of social psychology, 25, 57-75. https://doi.org/10.1002/ejsp.2420250106

Pombo-de-Barros, C. F. (2011). Análise textual com o Programa ALCEST: uma aplicação em pesquisa de representações sociais no campo da política. In Mattos, R. A. & Baptista, T. W. F., Caminhos para análise das políticas de saúde pp. 275-278). Disponível em: http://www.ims.uerj.br/ccaps/wp-content/uploads/ 2011/10/LivroCompleto-versao-online.pdf» http://www.ims.uerj.br/ccaps/wp-content/uploads/2011/10/LivroCompleto-versao-online.pdf. https://doi.org/10.18310/9788566659399

Santos, W. S., Gouveia, V. V., Navas, M. S., Pimentel, C. E., & Gusmão, E. É. S. (2006). Escala de racismo moderno: Adaptação ao contexto brasileiro. Psicologia em estudo, 11, 637-645. https://doi.org/10.1590/S1413-73722006000300020

Sears D. O. (1988). Symbolic racism. In P. A. Katz & D. A. Taylor (Eds.), Eliminating Racism: Profiles in Controversy, Perspectives in social psychology (pp. 53- 84). New York, NY: Plenum. https://doi.org/10.1007/978-1-4899-0818-6_4

Turra, C. & Venturi, G. (1995). Racismo cordial: a mais completa análise de preconceito de cor no Brasil. São Paulo, SP: Ática.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1980-8623.2019.4.28624

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

e-ISSN: 1980-8623 | ISSN-L: 0103-5371


Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada.