O comportamento materno e a depressão pós-parto no desenvolvimento prossocial em crianças de 36 meses de idade

Laura Cristina Stobäus, Beatriz Servilha Brocchi, Vera Silvia Raad Bussab

Resumo


Esta pesquisa teve como objetivo verificar a influência da depressão pós-parto no comportamento materno no desenvolvimento da linguagem e comportamento prossocial de crianças de 3 anos de idade. Participaram desta pesquisa 61 díades mães-crianças atendidas pelo Sistema Público de Saúde do Município de São Paulo, no qual 28 mães apresentaram indicativos de depressão em algum momento após o nascimento do filho, em uma das avaliações realizadas (puerpério, 8, 24 e aos 36 meses) no projeto longitudinal. Avaliou-se o aspecto pragmático do desenvolvimento de linguagem (por atos e meios comunicativos) e a interação mãe e criança na tarefa de recolher os brinquedos, em filmagens de vinte minutos de brincadeira livre. Os dados, analisados por meio de testes estatísticos paramétricos, apontam que os fatores da depressão que influenciam o comportamento materno na relação com seu filho são sutis, pois as crianças apresentaram um desempenho linguístico dentro dos padrões esperados para a idade, verbalizaram mais e usaram mais gestos para se comunicar, exibiram mais objetos às suas mães e comentaram mais. As mães sem depressão explicam mais a seus filhos as razões e os motivos e seus filhos fornecem menos ajuda às suas mães, demonstrados por meio de recusas e desafios.


Palavras-chave


Depressão materna; Comportamento prossocial; Desenvolvimento da pragmática.

Texto completo:

PDF

Referências


Andrade, C. R. F, Befi-Lopes, D. M., Fernandes, F. D. M. & Wertner, H. F. (2000). ABFW-Teste de linguagem infantil nas áreas de fonologia, vocabulário, fluência e pragmática. Barueri: Pró-Fono.

American Psychiatric Association. (2014). DSM-V. Manual de Diagnóstico e Estatística dos Distúrbios Mentais (5ª ed.). Porto Alegre: Artmed.

Brocchi, B. S. & Bussab, V. S. R. (2015). Interação mãe-criança e desenvolvimento da linguagem: a influência da Depressão pós-parto. Psico (Porto Alegre), 43(1), 103-111.

Brum, E. H. M. & Schermann, L. (2006). O impacto da depressão maternal nas interações iniciais. Psico (Porto Alegre), 37(2), 151-158.

Campbell, S. B., Matestic, P., von Stauffenberg, C., Mohan, R., & Kirchner, T. (2007). Trajectories of maternal depressive symptoms, maternal sensitivity, and children’s functioning at school entry. Developmental Psychology, 43(5), 1202-1215.

https://doi.org/10.1037/0012-1649.43.5.1202

Cox, J. L., Holden, J. M., & Sagovsky, R. (1987). Detection of Postnatal Depression: Development of the 10 Item Edinburg Postnatal Depression Scale. British Journal of Psychiatry, 150, 782-786.

https://doi.org/10.1192/bjp.150.6.782

Cruz, E. B. S., Simões, G. L., & Faisal-Cury, A. (2005). Rastreamento da depressão pós-parto em mulheres atendidas pelo Programa de Saúde da Família. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia, 27, 181-188.

https://doi.org/10.1590/S0100-72032005000400004

Da Silva, V. A., Moraes-Santos, A. R., Carvalho, M. S., Martins, M. L., & Teixeira, N. A. (1998). Prenatal and postnatal depression among low income Brazilian women. Brazilian Journal of Medical and Biological Research, 31, 799-804.

https://doi.org/10.1590/S0100-879X1998000600012

De Felipe, Bussab, V. S. R., & Vieira, M. L. (2016). Relationship between postpartum depression and maternal perceptions about ethnotheories and child rearing practices. Early Child Development and Care, 186(6).

Field, T., Diego, M., Hernandez-Reif, M., Figueiredo, B., Ezell, S., & Siblalingappa, V. (2010). Depressed mothers and infants are more relaxed during breastfeeding versus bottlefeeding interactions: brief report. Infant Behavior and Development, 33, 241-244.

https://doi.org/10.1016/j.infbeh.2009.12.006

Fonseca, V. R. J. R. M., Silva, G. A., & Otta, E. (2010). Relação entre depressão pós-parto e disponibilidade emocional materna. Cadernos de Saúde Pública, 26(4),738-746.

https://doi.org/10.1590/S0102-311X2010000400016

Goodman, S. H., Brogan, D., Lynch, M. E. & Fielding, B. (1993). Social and emotional competence in children of depressed mothers. Child Development, 64, 516-531.

https://doi.org/10.2307/1131266

Goodman, S. H. & Garber, J. (2017). Evidence-based interventions for depressed mothers and their young children. Child Development, 88(2), 368-377.

https://doi.org/10.1111/cdev.12732

Hammond, S. I. & Carpendale, J. I. M. (2015). Helping children help: The relation between maternal scaffolding and children’s early help: Helping children help. Social Development, 24, 367-383.

https://doi.org/10.1111/sode.12104

Hatzinikolaou, K. & Murray, L. (2010). Infant sensitivity to negative maternal emotional shifts: effects of infant sex, maternal postnatal depression, and interactive style. Infant Mental Health Journal, 31(5), 591-610.

https://doi.org/10.1002/imhj.20265

Klaus, M. H. & Klaus, P. H. (2001). Seu Surpreendente recém-nascido. Porto Alegre. Artmed.

Keller, H., Papaligoura, Z., Kuensemueller, P., Voelker, S., Papaeliou C., Lohaus, A., Lamm, B., Kokkiaki, T., Chrysikou, E., & Mousouli, V. (2003). Concepts of mother-infant interaction in Greece and Germany. Journal of Cross-Cultural Psychology, 34(6), 677-689.

https://doi.org/10.1177/0022022103257035

Kuczynski, L. & Kochanska, G. (1990). Development of children’s noncompliance strategies from toddlerhood to age 5. Developmental Psychology, 26(3), 398-408.

https://doi.org/10.1037/0012-1649.26.3.398

Lopes, E. R., Jansen, K., Quevedo, L. A., Vanila, R. G., Silva, R. A., & Pinheiro, R. T. (2010). Depressão pós-parto e alterações de sono aos 12 meses em bebês nascidos na zona urbana da cidade de Pelotas/RS. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, 59(21), 88-93.

https://doi.org/10.1590/S0047-20852010000200002

Lovejoy, M. C., Graczyk, P. A., O’Hare, E., & Neuman, G. (2000). Maternal depression and parenting behavior: a meta-analytic review. Clinical Psychology Review, 20(5), 561-592.

https://doi.org/10.1016/S0272-7358(98)00100-7

Morais, M. L. S., Lucci, T., & Otta, E. (2013). Postpartum depression and child development in first year of life. Estudos em Psicologia, 30(1), 7-17.

https://doi.org/10.1590/S0103-166X2013000100002

Motta, M. G., Lucion, A. B., & Manfro, G. G. (2005). Efeitos da Depressão materna no desenvolvimento neurobiológico e psicológico da criança. Revista de Psiquiatria do Rio Grande do Sul, 27(2).

https://doi.org/10.1590/S0101-81082005000200007

Murray, L., Arteche, A., Fearon, P, Halligan, S., Croudace, T., & Cooper, P. (2010). The effects of maternal postnatal depression and child sex on academic performance at age 16 years: a developmental approach. Journal of child Psychology and Psychiatry, 51(10), 1150-1159.

https://doi.org/10.1111/j.1469-7610.2010.02259.x

Pettygrove, D. M., Hammond, S. I., Karahuta, E. L., Waugh, W. E., & Brownell, C. A. (2013). From cleaning up to helping out: Parental socialization and children’s early prosocial behavior. Infant Behavior & Development, 36, 843-846.

https://doi.org/10.1016/j.infbeh.2013.09.005

Putallaz, M. (1987). Maternal behavior and children’s sociometric status. Child Development, 58(2), 324-340.

https://doi.org/10.2307/1130510

Quevedo, L. A., Silva, R. A., Godoy, R., Jansen, K., Matos, M. B., Pinheiro, K. A. T., & Pinheiro, R. T. (2011) The impact of maternal post-partum depression on the language development of children at 12 months. Child: care, health and development, 38(3), 420-424.

https://doi.org/10.1111/j.1365-2214.2011.01251.x

Radke-Yarrow, M. (1998). Children of depressed mothers: from early childhood to maturity. New York: Cambridge University Press.

Radke-Yarrow, M., Cummings, E. M., Kuczynski, L. & Chapman, M. (1985). Patterns of attachment in two and threeyear-olds in normal families and families with parental depression. Child Development, 56, 884-893.

https://doi.org/10.2307/1130100

Santos, M. F. S., Martins, F. C. & Pasquali, L. (1999). Escalas de auto-avaliação de depressão pós-parto: estudo no Brasil. Revista de Psiquiatria Clínica, 26(2), 32-40.

Schmid, B., Blomeyer, D., Buchmann, A.F., Trautmann-Villalba, P., Zimmermann, U.S., Schmidt, M.H., Esser, G, Banaschewski, T & Laucht, M. (2011): Quality of early mother-child interaction associated with depressive psychopathology in the offspring: A prospective study from infancy to adulthood. Journal of Psychiatric Research, 45, 1387-1394.

https://doi.org/10.1016/j.jpsychires.2011.05.010

Schmidt, E. B., Piccoloto, N. M. & Müller, M. C. (2005). Depressão pós-parto: fatores de risco e repercussões no desenvolvimento infantil. Psico-USF, 10(1), 61-68.

https://doi.org/10.1590/S1413-82712005000100008

Schwengber, D. D. S & Piccinini, C. A. (2003): O impacto da depressão pós-parto para interação mãe-bebê. Estudos de Psicologia, 8(3),403-411.

https://doi.org/10.1590/S1413-294X2003000300007

Schwengber, D. D. S. & Piccinini, C. A. (2005). A experiência da maternidade no contexto da depressão materna no final do primeiro ano de vida do bebê. Estudos de Psicologia, 22(2), 143-156.

https://doi.org/10.1590/S0103-166X2005000200004

Seidl-de-Moura, M. L. & Ribas, A. F. P. (2004). Evidência sobre características de bebês recém-nascidos: um convite a reflexões teóricas. In M. L. Seidl-de-Moura. O bebê do século XXI e a psicologia em desenvolvimento (pp. 21-60). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Silva, F. C. S., Araújo, T. M., Araújo, M. F. M., Carvalho, C. M. L., & Caetano, J. A. (2010): Depressão pós-parto em puérperas: conhecendo interações entre mãe, filho e família. Acta Paulista de Enfermagem, 23(3), 411-416.

https://doi.org/10.1590/S0103-21002010000300016

Silva, G. A. (2013). Prevalência de depressão pós-parto em países desenvolvidos e em desenvolvimento: contribuições metodológicas de uma metanálise. Tese [Doutorado], Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Skafuzka E. (2000). Prevalência da depressão pós-parto e fatores associados em mães que deram à luz em um Hospital Universitário do Município de S. Paulo. Tese [Doutorado], Faculdade de Medicina, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Tronick, E. Z. & Gianino, A. F. (1986). The transmission of maternal disturbance to the infant. New Directions for Child and Adolescent Development, 34, 5-11.

https://doi.org/10.1002/cd.23219863403

Wachs, T. D., Black, M. M. & Engle, P. L. (2009). Maternal depression: a global threat to children’s health, development, and behavior and to human rights. Child Development Perspectives, 3(1), 51-59.

https://doi.org/10.1111/j.1750-8606.2008.00077.x

Zaconeta, A. M., Motta, L. D. & França, P. S. (2004) Depresión postparto: prevalencia de test de rastreo positivo en puérperas del Hospital Universitário de Brasília, Brasil. Child Obstet Ginecol, 69, 209-213.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1980-8623.2018.4.28365

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

e-ISSN: 1980-8623 | ISSN-L: 0103-5371


Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada.