A função reflexiva em adolescentes em conflito com a lei e em adolescentes escolares

Taís Cristina Favaretto, Luciane Maria Both, Sílvia Pereira da Cruz Benetti

Resumo


A função reflexiva (FR) é identificada como um constructo importante à compreensão psicopatológica e para a prática clínica. Sendo assim, neste artigo, busca-se ampliar o conhecimento sobre a função reflexiva em dois grupos de adolescentes com diferentes trajetórias, um em conflito com a lei (G1=91, M idade 16,57 anos, DP=0,77) e outro de escolares (G2=64, M de idade 15,89 anos, DP=0,75). Os instrumentos utilizados foram dados sociodemográficos, Questionário sobre Função Reflexiva para Jovens e Questionário de Capacidade e Dificuldades. Da amostra, identificou-se que 119 adolescentes eram não clínicos e 95 clínicos. A análise univariada demonstrou diferenças significativas na função reflexiva considerando a interação entre a variável G1 e G2 e as categorias clínico e não clínico. Assim, o G2 não clínico apresentou maior função reflexiva (M=8,60; DP=0,68; F=4,66; p<0,05), seguido pelo G1 clínico (M=8,29; DP=0,68). Tal característica no grupo clínico de adolescentes em conflito com a lei assinala hipermentalização. Aponta-se, portanto, a necessidade de avaliação e desenvolvimento da função reflexiva como prevenção em saúde mental.


Palavras-chave


adolescência, delinquência juvenil, técnicas psicoterapêuticas.

Texto completo:

PDF

Referências


Aberastury, A., & Knobel, M. (1992). Adolescência normal: um enfoque psicanalítico. Porto Alegre: Artes Médicas. (DOI INEXISTENTE)

Achenbach, T. M. (1991). Manual for the Child Behavior Checklist/ 4-18 e 1991 Profile. Burlington, VT: University of Vermont Department of Psychiatry. (DOI INEXISTENTE)

Allen, J. P., & P. Fonagy (2006). The Handbook of Mentalization Based Treatment. Chichester: John Wiley & Sons. doi:10.1002/9780470712986

Ammaniti, F., Massimo, A., Clarkin, A., Clarkin, J. F., Nicolais, G., & Kernberg, O. F. (2012). Assessment of adolescent personality disorders through the interview of personality organization processes in adolescence (IPOP-A): Clinical and Theoretical Implications. Adolescent Psychiatry, 2, 36-45. doi:10.2174/2210676611202010036

Arneklev B. J., Grasmick H. G., Tittle C. R., & Bursik Jr. R. J. (1993). Low Self-Control and Imprudent Behavior. Journal of Quantitative Criminology, 9(3), 225-247. doi:10.1080/01639621003800505

Bateman A. & Fonagy P. (2010). Mentalization based treatment for borderline personality disorder: special article. World Psychiatry, 9, 11-15. doi:10.1002/j.2051-5545.2010.tb00255.x

Benetti, S. P. C. (2006). Conflito conjugal: Impacto no desenvolvimento psicológico da criança e do adolescente. Psicologia: Reflexão e Crítica, 19(2), 261-268. doi:10.1590/S0102-79722006000200012

Biazus, C. B. & Ramires, V. R. R. (2012). Depressão na adolescência: uma problemática dos vínculos. Maringá: Psicologia em Estudo, 17(1), 83-91. doi:10.1590/S1413-73722012000100010

Biazus, C. B. (2011). A psicoterapia baseada na mentalização para o tratamento da depressão na adolescência (Dissertação de mestrado). Universidade do Vale do Rio dos Sinos, Programa de Pós-Graduação em Psicologia Clínica,, São Leopoldo, RS. (DOI INEXISTENTE)

Borsa, J. C., Souza, D. S. de, & Bandeira, D. R. (2011). Prevalência dos problemas de comportamento em uma amostra de crianças do Rio Grande do Sul. Psicologia: Teoria e Prática, 13(2), 15-29. (DOI INEXISTENTE)

Bowlby, J. (1973/1998). Apego e perda: Separação: angústia e raiva. (2. Ed.). São Paulo, SP: Martins Fontes. (DOI INEXISTENTE)

Bowlby, J. (1979/2006). Formação e rompimento dos laços afetivos. São Paulo, SP: Martins Fontes. (DOI INEXISTENTE)

Bowlby, J. (1988). Uma base segura: aplicações clínicas da teoria do apego. Porto Alegre, RS: Artmed. (DOI INEXISTENTE)

Brent, B. K. (2015). A mentalization-based approach to the development of the therapeutic aliance in the treatment of schizophenia. Journal of Clinical Psychology, 71(2), 1-11. doi:10.1002/jclp.22150

Cabral S. H. & Sousa S. M. G. (2014). O histórico processo de exclusão/inclusão dos adolescentes autores de ato infracional no Brasil. Psicologia em Revista, 10(15), 71-90. (DOI INEXISTENTE)

Carvalho, M. C. N. & Gomide, P.I.C. (2005). Práticas educativas parentais em famílias de adolescentes em conflito com a lei. Estudos de Psicologia, 22(3), 263-275. doi:10.1590/S0103-166X2005000300005

Castañeda, D. R. & Gómez-Becerra, I. (2012). Patrones de personalidad disfuncionales em niños y adolescentes: uns revisón funcional – contextual. Suma Psicológica, 19(2), 131-149. doi:10.14349/sumapsi2012.1125

Chanen, A. M. & McCutcheon, L. (2013). Prevention and early intervention for borderline personality disorder: Current status and recent evidence. The British Journal of Psychiatry, 54, 24-9. doi:10.1192/bjp.bp.112.119180

Cicchetti, D. & Toth, S. L. (2005). Child maltreatment. Annual Review of Clinical Psychology, 1, 409-438. doi:10.1146/annurev.clinpsy.1.102803.144029

Crawford, T. N., Cohen P., First, M. B., Skodol, A. E., Johnson, J. G., & Kasen S. (2008). Comorbid Axis I and Axis II disorders in early adolescence. Archives of General Psychiatry, 65, 641-648. doi:10.1001/archpsyc.65.6.641

Davoglio T. R. & Gauer, G. J. C. (2011). Adolescentes em conflito com a lei: aspectos sociodemográficos de uma amostra em medida socioeducativa com privação de liberdade. Contextos Clínicos, 4(1), 42-52. doi:10.4013/ctc.2011.41.05

Ensink, K., Fonagy, P., Normandin, L., Berthelot, N., & Duval, J. (2015). O papel protetor da mentalização de experiências traumáticas: implicações quando da entrada na parentalidade. Estilos clínicos, 20(1), 76-91. doi:10.11606/issn.1981-1624.v20i1p76-91

Feitosa, H. N., Ricou, M., Rego, M., & Nunes, R. (2011). A saúde mental das crianças e dos adolescentes: considerações epidemiológicas, assistenciais e bioéticas. Revista bioética 19(1), 259-275. (DOI INEXISTENTE)

Fischer-Kern, M., Tmej, A., Kapusta, N. D., Naderer, A., Leithner-Dziubas, K., Loffer-Staska, H., & Springer-Kremser, M. (2008). The capacity for mentalization in depressive patients: A pilot study. Psychosomatic Medicine and Psychotherapy, 54(4), 368-380. doi:19049686

Fleitlich, B. W., Cortazar, P. G., & Goodman, R. (2000). Questionário de Capacidades e Dificuldades (SDQ). Infanto, 8(1), 44-50. (DOI INEXISTENTE)

Fonagy, P. & Allison, E. (2012). What is mentalization? The concept and its foundation in developmental research. In Midgley, N., & Vrouva, I, Minding the Child (pp. 11-34). London: Routledge. (DOI INEXISTENTE)

Fonagy, P. & Bateman, A. W. (2003). The development of na attachment-based treatment program for borderline personality disorder. Bulletin of the Menninger Clinic, 67(3), 187-211. doi:10.1521/bumc.67.3.187.23439

Fonagy, P. & Bateman, A. W. (2007). Mentalizing and borderline personality disorder. Journal of Mental Health, 16(1), 83-101. doi:10.1080/09638230601182045

Fonagy, P. & Target, M. (1997). Attachment and reflective function: Their role in self-organization. Development and Psychopathology, 9, 679-700. doi: 10.1017/S0954579497001399

Fonagy, P. & Target, M. (2004). Questões desenvolvimentais na adolescência normal e colapso na adolescência. In Graña, R. B., & Piva, A. B. S. (Orgs.), A atualidade da psicanálise de adolescentes – formas do mal-estar na juventude contemporânea (pp. 91-106). São Paulo, SP: Casa do Psicólogo. (DOI INEXISTENTE)

Fonagy, P., Gergely, G., Jurist, E. L., & Schafer, W. D. (2002). Affect regulation, mentalization, and the development of the self. Nova Yorque, NY: Other (DOI INEXISTENTE)

Gacono, C. B. & Meloy, J. R. (1994). The Rorschach Assessment of Aggressive and Psychopathic Personalities. Hillsdale, NJ: Lawrence Erlbaum Associates (DOI INEXISTENTE)

Gacono, C. B., Evans, F. B., & Viglione, D. J. (2008). Essential issues in the forensic use of the Rorschach. In C. B. Gacono, F. B. Evans, N. Kaser-Boyd, & L. A. Gacono (Eds.), Handbook of forensic Rorschach psychology (pp. 3-20). Mahwah, NJ: Lawrence. (DOI INEXISTENTE)

Gallo, A. E.; Williams, L. C. A. (2008). A escola como fator de proteção à conduta infracional de adolescentes. Cadernos de Pesquisa, 38(133), 41-59. doi:10.1590/S0100-15742008000100003

Gauy, F. V. & Rocha, M. M. (2014) Manifestação clínica, modelos de classificação e fatores de risco/proteção para psicopatologias na infância e adolescência. Temas psicol. [online], 22(4), 783-793. doi:10.9788/TP2014.4-09

Gil, A. C. (2008). Métodos e técnicas de pesquisa social. (6. ed.) São Paulo, SP: Atlas. (DOI INEXISTENTE)

Goodman, R. (1997). The Strenghts and Difficulties Questionnaire: A research note. Journal of Child Psychology and Psychiatry, 38, 581-586. doi:10.1111/j.1469-7610.1997.tb01545.x

Grossi, R., Moura, C. B., Sampaio, A. C. P., & Silva, L. C. (2010). Questionário de Situações Domésticas: Comparação entre pré-escolares clínicos e não-clínicos. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 26(1), 57-66. doi:10.1590/S0102-37722010000100008

Ha, C., Sharp, C., Ensink, K., Fonagy, P., & Cirino, P. P. (2013). The measurement of reflective function in adolescents with and without borderline traits. Journal of Adolescence, 36, 1215–1223. doi:10.1111/j.2044-8341.2010.02006.x

Hess, A. R. B. & Falcke, D. (2013). Sintomas internalizantes na adolescência e as relações familiares: uma revisão sistemática da literatura. Psico-USF, 18(2), 263-276. doi:10.1590/S1413-82712013000200010

Johnson, J. G., Cohen, P., Kasen, S., Skodol, A. E., Hamagami, F., & Brook, J. S. (2000). Age-related change in personality disorder trait levels between early adolescence and adulthood: A communitybased longitudinal investigation. Acta Psychiatrica Scandinavica, 102, 265–275. doi:10.1034/j.1600-0447.2000.102004265.x

Jordão, A. B. (2008). Vínculos familiares na adolescência: Nuances e vicissitudes na clínica psicanalítica com adolescentes. Aletheia, 21(1), 157-172. (DOI INEXISTENTE)

Kernberg, P. F., Weiner, A. S., & Bardenstein, K. K. (2003). Transtorno de Personalidade em crianças e adolescentes: uma visão geral. Porto Alegre, RS: Artmed. (DOI INEXISTENTE)

Legnani, V. N. (2009) Preconceito e segregação na escola em relação aos usuários de drogas ilícitas. In Caderno de Resumos do XIII Colóquio Internacional de Psicossociologia e Sociologia Clínica, 261-262). (DOI INEXISTENTE)

Liotti, G. & Gilbert, P. (2010). Mentalizing, motivation, and social mentalities: Theoretical considerations and implications for psychotherapy. Psychology and Psychotherapy: Theory, 84(1), 9-25. doi:10.1348/147608310X520094

Loving, J. & Russell, W. (2000). Selected Rorschach variables of psychopathic juvenile offenders. Journal of Personality Assessment, 75, 126–142. doi:10.1207/S15327752JPA7501_9

Maia, J., Veríssimo, M., Ferreira, B., Monteiro, L., & Antunes, M. (2011). Representação de vinculação na infância: competência verbal, estabilidade e mudança. Análise Psicológica, 3(29), 403-424. (DOI INEXISTENTE)

Marcelli, D. & Braconnier, A. (1989). Manual de psicopatologia do adolescente. Porto Alegre, RS: Artes Médicas. (DOI INEXISTENTE)

Martins, M. & Pillow, S. (2008). A relação entre a iniciação do uso de drogas e o primeiro ato infracional entre os adolescentes em conflito com a lei. Cadernos de Saúde Pública. 24(5), 1112-1120. doi:10.1590/S0102-311X2008000500018

Olin, J. & Keatinge, C. (1998). Rapid psychological assessment. New York, NY: John Wiley. (DOI INEXISTENTE)

Paris, J. (2013). Personality disorders begin in adolescence. Journal of the Canadian Academy of Child and Adolescent Psychiatry, 22(3), 195-196. (DOI INEXISTENTE)

Pereira, S. E. & Sudbrack, M.F. (2009). A formação dos grupos na adolescência: A escola que exclui. In Caderno de Resumos do XIII Colóquio Internacional de Psicossociologia e Sociologia Clínica (pp. 259-260). (DOI INEXISTENTE)

Quiroga, S. & Cryan, G. (2012). Análisis de proceso em grupos de terapia focalizada para adolescentes violentos: Función reflexiva – RF y modelo de ciclo terapêutico- TCM. Anuario de Investigaciones, Facultad de Psicología – UBA, Secretaría de Investigaciones, 19. (DOI INEXISTENTE)

Ramires, V. R. R. & Schneider, M. S. (2010). Revisando alguns conceitos da teoria do apego: comportamento versus representação? Psicologia: Teoria e Pesquisa, 26(1), 25-33. doi:10.1590/S0102-37722010000100004

Rosa Júnior N. C. D. (2006). Adolescência e violência: direção do tratamento psicanalítico com adolescentes em conflito com a lei. (Dissertação de mestrado) Faculdade de Psicologia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre. (DOI INEXISTENTE)

Rossouw, T. I. (2015). The use of mentalization-based treatment for adolescents (TBM-A) witha Young woman with mixed personality disorder and tendencies to self-harm. Journal of Clinical Psychology, 71(2), 178-187. doi:10.1002/jclp.22153

Rovinski, S. M. R. & Cruz, R. M. (Orgs.) (2009). Psicologia jurídica: perspectivas teóricas e processos de intervenção. São Paulo, SP: Vetor. (DOI INEXISTENTE)

Paiva, F. S. & Ronzani, T.M. (2009). Estilos parentais e consumo de drogas entre adolescentes: revisão sistêmica. Psicologia em estudo, 14(1), 177-183. (DOI INEXISTENTE)

Sá, D. G. F. de, Bordin, I. A. S., Martin, D., & Paula, C. S. de (2010). Fatores de risco para problemas de saúde mental na infância/adolescência. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 26(4), 643-652. doi:10.1590/S0102-37722010000400008

Santos, A. R. dos (1999). Metodologia científica: A construção do conhecimento. Rio de Janeiro, RJ: DP & A. (DOI INEXISTENTE)

Saur, A. M. & Loureiro, S. R. (2012). Qualidades psicométricas do Questionário de Capacidades e Dificuldades: Revisão de literatura. Estudos de Psicologia, 29(4), 619-629. doi:10.1590/S0103-166X2012000400016

Sharp et al. (2011). Theory of mind and emotion regulation difficulties in adolescents with borderline traits. Journal of the American Academy of Child &Adolescent Psychiatry, 50(6), 563-573. doi:10.1016/j.jaac.2011.01.017

Sharp et al. (2013). Hypermentalizing in adolescent inpatients: Treatment effects and association with borderline traits. Journal of Personality Disorders 27(1), 3-18. doi:10.1521/pedi.2013.27.1.3

Sharp et al. (2016). First empirical evaluation of the link between attachment, social cognition and borderline features in adolescents. Comprehensive Psychiatry 64, 4–11. doi:10.1016/j.comppsych.2015.07.008

Sharp, C. (2006). Mentalizing problems in childhood disorders. In J. Allen &, P. Fonagy (Eds.), Handbook of mentalizationbased treatment (pp. 101-121). Chichester: John Wiley & Sons. doi:10.1002/9780470712986.ch4

Sharp, C., Williams, L., Ha, C., Baumgardner, J., Michonski, J., Seals, R., Patel, A. B., Bleiberg, E., & Fonagy, P. (2009). The development of a mentalization-based outcomes and research protocol for an adolescent in-patient unit. Bulletin of the Menninger Clinic, 73, 311–338. doi:10.1521/bumc.2009.73.4.311

Taubner, S., White, L.O., Zimmermann, J., Fonagy, P., Nolte, T. (2013) Attachment-related mentalization moderates the relationship between psychopathic traits and proactive aggression in adolescence. Journal Abnorm Child Psychol. 41(6):929-38. doi: 10.1007/s10802-013-9736-x

Teodoro, M. L. M., Hess, A. R. B., Saraiva, L. A., & Cardoso, B. M. (2014). Problemas emocionais e de comportamento e clima familiar em adolescente e seus pais. Psico, 45(2), 168-175. doi:10.15448/1980-8623.2014.2.13172

Zappe, J. G. & Dias A. C. G. (2012). Violência e fragilidades nas relações familiares: refletindo sobre a situação de adolescentes em conflito com a lei. Estudos de Psicologia, 17(3), 389-395. (DOI INEXISTENTE)




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1980-8623.2019.1.28320

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

e-ISSN: 1980-8623

ISSN-L: 0103-5371

*********************************

Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

Licença Creative Commons

Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.

 

 

Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS