Aplicação do teste do relógio em octogenários e nonagenários participantes de estudo realizado em Siderópolis/SC

Jaqueline Angela Schmidt, Felipe Dal-Pizzol, Flavio Merino de Freitas Xavier, Claudia Cipriano Vidal Heluany

Resumo


O objetivo deste trabalho foi conhecer as variáveis apresentadas na aplicação do teste do relógio (TR) em octogenários e nonagenários. Descrevemos aqui o resultado de um estudo transversal censitário com idosos de idade igual ou superior a 80 anos, residentes na cidade de Siderópolis/SC, Brasil (N=135), no período de maio a dezembro de 2005. A pesquisa contou com questionário e testes cognitivos como o Teste do Relógio, Mini Mental (MEEM), Fluência Verbal e Escala de Depressão Geriátrica. O TR foi realizado por 65 idosos do total de 132 participantes. A média geral no neste teste foi de 4,5. O estudo mostrou que o TR não foi um método adequado de screening para demência em indivíduos com mais de 80 anos com baixa escolaridade. A baixa significância entre o TR e outros métodos de rastreio, principalmente o MEEM, demonstra esse fato.

Palavras-chave


envelhecimento; octogenários; demência; testes cognitivos; Teste do Relógio

Texto completo:

PDF


ATENÇÃO

Sistema em manutenção

Migração do sistema OJS para a versão 3.0. Durante este período os usuários:

  • Poderão acessar todo o conteúdo já publicado
  • Não poderão efetivar encaminhamentos do fluxo editorial (submissão, avaliação, publicação)

Previsão: 06/07/2020


e-ISSN: 1980-8623 | ISSN-L: 0103-5371


Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada.