A experiência da paternidade ao final do primeiro ano de vida do bebê

Evandro de Quadros Cherer, Joice Cadore Sonego, Cesar Augusto Piccinini, Rita de Cássia Sobreira Lopes

Resumo


O presente estudo investigou a experiência da paternidade ao final do primeiro ano de vida do bebê. Participaram 35 pais primíparos que eram de níveis socioeconômicos variados e residiam na região metropolitana de Porto Alegre. Os pais foram entrevistados individualmente e suas verbalizações foram analisadas através da análise de conteúdo em três categorias: O pai e a experiência da paternidade, O filho e a experiência da paternidade e A esposa e a experiência da paternidade. Os resultados indicaram que a experiência da paternidade, no final do primeiro ano de vida do bebê, esteve associada a sentimentos de satisfação, sendo que os pais mostraram-se bastante participativos e envolvidos na vida familiar, assim como nos cuidados com o bebê. Todavia, ainda que muitas vezes de forma sutil e contraditória, os participantes expressaram certa ambivalência frente à experiência da paternidade com seu primeiro filho, demandando dos pais um reposicionamento frente à vida.

 


Palavras-chave


Experiência da paternidade; Paternidade; Relação pai-bebê.

Texto completo:

PDF

Referências


Bouchard, G. (2012). Intergenerational transmission and transition to fatherhood: a mediated-moderation model of paternal engagement. Journal of Family Psychology, 26(5), 747-755. 10.1037/a0029391

Bornholdt, E. A., Wagner, A., & Staudt, A. C. P. (2007). A vivência da gravidez do primeiro filho à luz da perspectiva paterna. Psicologia Clínica, 19(1), p. 75-92.

Brazelton, T. B. & Cramer, B. G. (1992). As primeiras relações. São Paulo: Martins Fontes.

Castoldi, L., Gonçalves, T. R., & Lopes, R. C. S. (2014). Envolvimento paterno da gestação ao primeiro ano de vida do bebê. Psicologia em Estudo (Maringá), 19(2), 247-259. http://dx.doi.org/10.1590/1413-737222105008

Cherer, E. Q., Ferrari, A. G., & Piccinini, C.A. (2016). A amamentação e o desmame no processo de tornar-se pai. Estilos da Clínica, 20(1), 1-18. http://dx.doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v21i1p12-29

Chevalerias, M. P. (2005). O homem, o filho, o amante: as diferentes figuras do pai em torno do nascimento. In M. D. Moura (Org.). Psicanálise e hospital – novas versões do pai: reprodução assistida e UTI-4 (pp. 21-32). Belo Horizonte: Autêntica/FCH-FUMEC.

Chin, R., Hall, P., & Daiches, A. (2011). Fathers´ experiences of their transition to fatherhood: a metasynthesis. Journal of Reproductive and Infant Psychology, 29(1), 4-18. http://dx.doi.org/10.1080/02646838.2010.513044

Dallos, R. & Nokes, L. (2011). Distress, loss, and adjustment following the birth of a baby: a qualitative exploration of one new father’s experiences. Journal of Constructivist Psychology, 24, 144-167.

Eerola, J. P. & Huttunen, J. (2011). Metanarrative of the “New Father” and narratives of the Young Finnish first-time fathers. Fathering, 9(3), 211-231. 10.3149/fth.0903.211

Fägerskiöld, A. (2008). A change in life as experienced by first-time fathers. Scandinavian Journal of Caring Sciences, 22(1), 64-71. 10.1111/j.1471-6712.2007.00585.x

Ferrari, A. G., Piccinini, C. A., & Lopes, R. C. S. (2013). Atualização do Complexo de Édipo na relação com o bebê: evidências a partir de um estudo de caso. Estudos de Psicologia (Campinas), 30(2), 239-248. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-166X2013000200010

Freud, S. (1990). La organización genital infantil (Una interpolación en la teoría de la sexualidade). (J. Etcheverry, Trad.). Em J. Strachey (Org.), Obras completas (Vol. 19, pp. 141-149). Buenos Aires: Amorrortu. (Original publicado em 1923).

Freud, S. (2004). À Guisa de Introdução ao Narcisismo. In S. Freud. Escritos sobre a psicologia do inconsciente (Vol 1, pp. 95-131). Rio de Janeiro: Imago. (Original publicado em 1914).

Gonçalves, T. R., Guimarães, L. E., Silva, M. R., Lopes, R. C. S., & Piccinini, C. A. (2013). Experiência da paternidade aos três meses do bebê. Psicologia: Reflexão e Crítica, 26(3), 599-608. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-79722013000300020

Guzzo, K. (2011). New fathers' experiences with their own fathers and attitudes toward fathering. Fathering, 9(3), 268-290. 10.3149/fth.0903.268

Höfner, C., Schadler, C., & Richter, R. (2011). When men become fathers: men´s identity at the transition to fatherhood. Journal of Comparative Family Studies, 42(5), 669-686.

Houzel, D. (2004). As implicações da parentalidade. In L. Solis-Ponton (Org.). Ser pai, ser mãe, parentalidade: um desafio para o terceiro milênio (pp. 47-52). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Hurstel, F. (2006). “L'annonce faite au mari” ou les trois temps du “devenir père”. Adolescence, 24(55), 79-89. 10.3917/ado.055.0079

Jager, M. E. & Bottoli, C. (2011). Paternidade: vivência do primeiro filho e mudanças familiares. Psicologia, Teoria e Prática, 13(1), 141-153.

Krob, A., Piccinini, C. A., & Silva, M. R. (2009). A transição para a paternidade: da gestação ao segundo mês de vida do bebê. Psicologia USP, 20(2), 269-291. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-65642009000200008

Laville, C. & Dione, J. (1999). A construção do saber: manual de metodologia da pesquisa em ciências humanas. Porto Alegre: Artes Médicas.

Leclaire, S. (1977). Mate-se uma criança. Rio de Janeiro: Zahar.

MacAdam, R., Huuva, E. & Berterö, C. (2011). Fathers' experiences after having a child: Sexuality becomes tailored according to circumstances. Midwifery, 27(5), 149-155. http://dx.doi.org/10.1016/j.midw.2009.12.007

Palkovitz, R. & Palm, G. (2009). Transitions within Fathering. Fathering: A Journal of Theory, Research & Practice About Men as Fathers, 7(1), 3-22. 10.3149/fth.0701.3

Parke, R. D. (1996). Fatherhood. Cambrigde: Harvard University Press.

Piccinini, C. A., Silva, M. R., Gonçalves, T. R., Lopes, R. C. S., & Tudge, J. (2012). Envolvimento paterno aos três meses de vida do bebê. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 28(3), 303-314. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-37722012000300006

Polli, R. G., Gabriel, M. R., Piccinini, C. A., Lopes, R. C. S. (2016). Envolvimento paterno aos 12 meses de vida do bebê. Psico, 47(3), 198-208. http://dx.doi.org/10.15448/1980-8623.2016.3.23205

Premberg, A., Hellström, A. L., & Berg, M. (2008). Experiences of the first year as father. Scandinavian Journal of Caring Sciences, 22(1), 56-63. 10.1111/j.1471-6712.2007.00584.x

Vieira, M. L., Bassardi, C. N., Gomes, L. B., Bolze, S. D. A. Crepaldi, M. A., & Piccinini, C. A. (2014). Paternidade no Brasil: revisão sistemática de artigos empíricos. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 66(2), 36-52.

Winnicott, D. W. (1985). E o pai? In D. W. Winnicott. A criança e o seu mundo (pp. 127-133) Rio de Janeiro: Zahar. (Original publicado em 1965).

Yavorsky, J. E., Dush, C. M. K., & Schoppe-Sullivan, S. J. (2015). The production of inequality: The gender division of labor across the transition to parenthood. Journal of Marriage and Family, 77(3), 662-679. 10.1111/jomf.12189




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1980-8623.2018.2.26574

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

e-ISSN: 1980-8623 | ISSN-L: 0103-5371


Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada.