Prevenção universal e promoção de saúde em grupo de crianças a partir do Método Friends

Giulia Tatiana Tkaczyk Pavoski, Caroline Guisantes de Salvo Toni, Ana Priscila Batista, Cynthia Lais Ignachewski

Resumo


Os transtornos de ansiedade e depressão têm aumentado de forma considerável na população, sendo que seus sintomas tendem a manifestar-se já na infância. Intervenções para esses transtornos podem ser realizadas através do desenvolvimento de habilidades socioemocionais e de resiliência. O Método Friends é um programa baseado em evidências que visa desenvolver essas habilidades. Nesse contexto, esta pesquisa consistiu em uma avaliação da eficácia do Método Friends em um grupo de crianças. A amostra consistiu de 10 crianças, de ambos os sexos, com idades entre 6 e 7 anos. Estas participaram do Método em uma Clínica-Escola de uma cidade do Interior do Paraná. Foi utilizado como instrumento de avalição o CBCL, aplicado em três momentos: pré-teste, pós-teste e follow up. Foram verificadas diferenças estatisticamente significativas nos três momentos em escalas relacionadas a competências sociais, escala de internalização e de externalização, ansiedade, depressão, retraimento e comportamento agressivo. De forma geral observou-se a eficácia do Método.


Palavras-chave


Iinfância; Ansiedade; Depressão; Resiliência; Psicologia preventiva.

Texto completo:

PDF

Referências


Abreu, S., Barletta, J. B., & Murta, S. G. (2015). Prevenção e promoção em saúde mental: pressupostos teóricos e marcos conceituais. In Murta, S. G; França, C. L; Santos, K. B; Polejack, L. Prevenção e promoção em saúde mental: fundamentos, planejamento e Estratégias de intervenção (pp. 54-74). Novo Hamburgo: Sinopsys.

Achenbach, T. M. & Rescorla, L. A. (2001). Manual for the ASEBA school age forms & profiles. Burlington, VT: University of Vermont. Department of Psychiatry.

Ahlen, J., Breithaltz, E., Barrett, P. M., & Galegos, J. (2012) School -based prevention of anxiety and depression a piloto study in sweden. Advances in school mental health promotion, 5(4), 246 -257. https://doi.org/10.1080/1754730X.2012.730352

American Psychiatric Association. (2014). DSM-5: manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais (5ª ed.). Porto Alegre: Artmed.

Anticich, S. A., Barrett, P. M., Silverm, W., Lacherez, P., & Gillies, R. (2013). The prevention of childhood anxiety and promotion of resilience among preschool-aged children: a universal school based trial. Advances in school mental health promotion, 6(2), 93-121. https://doi.org/10.1080/1754730X.2013.784616

Bahls, S.C. (2002). Aspectos clínicos da depressão em crianças e adolescentes. Jornal de Pediatria, 78(5), 359-366. https://doi.org/10.1590/S0021-75572002000500004

Bahls, S. C. (2002). Epidemiology of depressive symptoms in adolescents of a public school in Curitiba, Brazil. Revista Brasileira de Psiquiatria, 24 (2), 63-67. https://doi.org/10.1590/s1516-44462002000200005

Barrett, P. M. (2012). Amigos Divertidos: Guia do Facilitador para construção de resiliência em crianças de 4 a 7 anos através do brincar (3ª ed.). Austrália: Barrett Research Resources PTy Ltd.

Barrett, P. M., Shortt, A. L., Fox, T. L., & Wescombe, K. (2001). Examining the social validity of the FRIENDS treatment program for anxious children. Behavior Change, 18(2), 63-77. https://doi.org/10.1375/bech.18.2.63

Barrett, P. M. & Turner, C. (2001). Prevention of anxiety symptoms in primary school children: Preliminary results from a universal school – based trial. British Journal of Clinical Psychology, 40, 399-410. https://doi.org/10.1348/014466501163887

Bordin, I. A. S., Mari, J. J., & Caieiro, M. F. (1995). Validação da versão brasileira do Child Behavior Checklist (CBCL) Inventário de comportamentos da Infância e adolescência: dados preliminaries. Revista ABP APPAL, 17(921), 55-66.

Borsa, J. C. & Nunes, M. L. T. (2008). Concordância parental sobre problemas de comportamento infantil através do CBCL. Paidéia, 18(40), 317-330. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-863X2008000200009

Botvin, G. J. & Griffin, K. W. (2015). Treinamento de habilidades para a vida. In Murta, S. G., França, C. L., Santos, K. B., & Polejack, L. Prevenção e promoção em saúde mental: fundamentos, planejamento e Estratégias de intervenção (pp. 405-418). Novo Hamburgo: Sinopsys.

Brasil, H. H. & Bordin, I. A .S. (2010). Convergent validity of K-SADS-PL by comparison with CBCL in a Portuguese speaking outpatient population. BMC Psythiatry, 10, 83. https://doi.org/10.1186/1471-244X-10-83

Cia, F. & Barham, E. J. (2009). Repertório de habilidades sociais, problemas de comportamento, autoconceito e desempenho acadêmico de crianças no início da escolarização. Estudos de. Psicologia, 26(1), 45-55. https://doi.org/10.1590/S0103-166X2009000100005

Fernandes, L. F. B., Carvalho, F. A., Izbicki, S., & Melo, M. H. S. (2014) Prevenção Universal de Ansiedade na infância e adolescência: Uma revisão sistemática. Revista Psicologia: Teoria e Prática, 16(3), 83-99. São Paulo, SP. https://doi.org/10.15348/1980-6906/psicologia.v16n3p83-99

Figueredo, L. Z. (No prelo) Uma luz no fim do túnel? Programas de prevenção e promoção de saúde mental e a implementação do Método FRIENDS no Brasil.

Figueredo, L. Z. (2015). Método Friends como estratégia de políticas públicas para prevenção em saúde mental e aproximações entre as abordagens cognitiva e analítico-comportamental. In X CBTC: Congresso Brasileiro de Terapia Cognitiva. Porto de Galinhas. Retirado de: . Acesso em: jun. 2016.

Figueredo, L. Z. & Torres, L. (2016). Desenvolvimento de habilidades Socioemocionais na escola e a experiência bemsucedida do método Friends: quando as neurociências e a educação se encontram pelo caminho da psicologia positiva. In Barr, M. Neurociências e Educação na Primeira Infância: progressos e obstáculos (pp. 92-108) Brasília: Senado Federal. Comissão de Valorização da Primeira Infância e Cultura da Paz.

Figueredo, L. Z., Nico, Y., & Leonardi, J. L. (2015). A experiência do Método Friends: uma possibilidade de prevenção e promoção de saúde mental em larga escala no Brasil. Boletim Paradigma, 10, 20-24.

Fraga, B. P. (2015). Depressão Infantil: Uma revisão da literatura. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Psicologia. Curso de Especialização em Infância e Família: Avaliação, Prevenção e Intervenção. Porto Alegre.

Gorayeb, R. (2002). O ensino de habilidades de vida em escolas no Brasil. Psicologia, Saúde & Doença, 3, 213-217.

Iizuka, C. & Barrett, P. (2011). Programa Friends para tratamento e prevenção de transtornos de ansiedade em crianças e adolescentes. In Petersen, C. S. et al. Terapias cognitivo comportamentais para crianças e adolescentes: ciência e arte (pp. 264-281). Porto Alegre: Artmed.

Iizuka, C. A., Barrett, P. M., Gillies, R, Cook, C. R., & Miller, D. (2014). The FRIENDS Emocional Health Program for Minority Groups at Riso. J School Health, 84(2), 124-32. https://doi.org/10.1111/josh.12127

Kessler, R. C., Amminger, G. P., Aguilar-Gaxiola, S., Alonso, J., Lee, S., & Ustün, T. B. (2007). Age of onset of mental disorders: a review of recent literature. Current opinion in psychiatry, 20(4), 359-64. https://doi.org/10.1097/YCO.0b013e32816ebc8c

Kosters, M. P., Chinapaw, M. J., Zwaanswijk, M., Vander Wal, M. F., Mwjutens, E., & Koot, H. (2012). M. Study design of ‘FRIENDS for life’: Process and effect evaluation of an indicated school-based prevention programme for childhood anxiety and depression. Bmc public health, 12(1), 86. https://doi.org/10.1186/1471-2458-12-86

Lohr, S., Pereira, A. C. S., Andrade, A. L. M., & Kirchner, L. F. (2007) Avaliação de programas preventivos: relato de experiência. Psicologia em estudo, 12(3), 641-649. https://doi.org/10.1590/S1413-73722007000300022

Lohr, S. S., Melo, M. H. S., De Salvo, C. G., & Silvares, E. F. M. (2013). Prevenção e promoção da Saúde: Um desafio na formação de psicólogos. Revista de psicologia da Criança e do Adolescente, 4(2), 205-222.

Maia, J. M. D. & Williams, L. C. A. (2005). Fatores de risco e fatores de proteção ao desenvolvimento infantil: uma revisão da área. Temas em Psicologia, 13(2), 91-103.

Melnik, T. (2011). Psicologia Baseada em Evidências – Provas Científicas da Efetividade da Psicoterapia. São Paulo, Santos.

Menezes, J. C. L. (2013). Desenvolvimento positivo e saúde mental de crianças: Uma revisão sistemática de estudos brasileiros. Dissertação de Mestrado. Universidade de Brasília, Brasília.

Moura, C. B., Marinho-Casanova, M. L., Meurer, P. H., & Campana, C. (2008). Caracterização da clientela pré-escolar de uma clínica-escola brasileira a partir do Child Behavior Checklist (CBCL). Contextos Clínicos, 1(1), 1-8.

Murta, S. G. (2005). Aplicações do Treinamento em Habilidades Sociais: Análise da Produção Nacional. Psicologia: Reflexão e Crítica, 18(2), 283-291. https://doi.org/10.1590/s0102-79722005000200017

Murta, S. G. (2007). Programas de prevenção a problemas emocionais e comportamentais em crianças e adolescentes: lições de três décadas de pesquisa. Psicologia: Reflexão e Crítica, 20(1), 01-08. https://doi.org/10.1590/s0102-79722007000100002

Murta, S. G., França, C. L., Santos, K. B., & Polejack, L. (2015). Prevenção e promoção em saúde mental: fundamentos, planejamento e Estratégias de intervenção. Novo Hamburgo: Sinopsys. Método Friends. Retirado de: . Acesso em: jul. 2015.

Organization, W. H. (2001). Mental Health: A Call to Action by World Health Ministers. WHO.

Organization, W. H. (2004). Prevention of mental disorders: effective interventions and policy options: summary report/a report of the World Health Organization Dept. of Mental Health and Substance Abuse; in collaboration with the Prevention Research Centre of the Universities of Nijmegen and Maastricht.

Organization, W. H. (2011). Mental health atlas. WHO.

Organization, W. H. (2012). Risks to Mental Health: an overview of vulnerabilities and risk factors. WHO.

Organization, W. H. (2014). World health statistics. WHO. Papalia, D. E. & Feldman, R. D. (2013). Desenvolvimento humano (12ª ed.). Porto Alegre: AMGH.

Rocha, M. M., Rescorla, L. A., Emerich, D. R., Silvares, E. F. M., Borsa, J. C., Araujo, L. S. et al. (2013). Behavioral/ Emotional problems in Brazilian children: findings from parents’ report on the child behavior ckecklist. Epidemiol psychiattrc sciense, 22(4), 329-338. 10.1017/S2045796012000637

Salvo, C. G., Silvares, E. F. M., & Toni, P. M. (2005). Práticas educativas como forma de predição de problemas de comportamento e competência social. Estudos de Psicologia, 22(2), 187-195. https://doi.org/10.1590/S0103-166X2005000200008

Sampieri, R. H., Collado, C. F., & Lucio, P. B. (2006). Metodología de la Investigación (4ª ed.). México: McGraw Hill.

Silvares, E. F. M., Rocha, M. M.., & Emerch, D. R. (2016). Inventario de comportamento da infância e da adolescência (CBCL), relatório para professores (TRF), inventario de autoavaliação para adolescentes (YSR). In Gorenstein, C., Wang, Y., Hungerbuhler, I. (Org.). Instrumentos de avaliação em Saúde Menta (pp. 331-336). Porto Alegre: Artmed.

Stallard, P. (2010). Ansiedade: terapia cognitivo-comportamental para crianças e jovens. Porto Alegre: Artmed.

Stallard, P. (2004). Bons Pensamentos-Bons Sentimentos: Manual da Terapia Cognitivo-Comportamental para Crianças e Adolescentes. Porto Alegre: Artmed.

Stallard, P. (2010). Mental health prevention in UK classrooms: the FRIENDS anxiety prevention programme. Emotional and Behavioural Difficulties, 15(1) 23-35. https://doi.org/10.1080/13632750903512381

Stallard, P., Simpson, N., Anderson, S., Carter, T., Osborn, C., & Bush, S. (2005) An evaluation of the FRIENDS programme: a cognitive behaviour therapy intervention to promote emotional resilience. Archives of Disease in Childhood, 90(10), 1016-1019. https://doi.org/10.1136/adc.2004.068163

Stallard, P.; Simpson, N.; Anderson, S.; Anderson, S., Hibbert, S.; Osborn, C. (2007). The FRIENDS emotional health programme: Initial findings from a school-based project. Chile and Adolescent Mental Health, 12 (1), 32-37. https://doi.org/10.1111/j.1475-3588.2006.00421.x

Stallard, P., Simpson, N., Anderson, S., & Goddard, M. (2008). The FRIENDS emotional health prevention programme: 12 month follow up of a universal UK school based trial. European child & adolescent psychiatry, 17(5), 283-289. https://doi.org/10.1007/s00787-007-0665-5

Stallard, P., Skryabina, E., Taylor, G., Phillips, R., Daniels, H., Anderson, R., & Simpson, N. (2014). Classroom-based cognitive behaviour therapy (FRIENDS): a cluster randomised controlled trial to Prevent Anxiety in Children through Education in Schools (PACES), Lancet Psychiatry, 1, 185-92. https://doi.org/10.1016/S2215-0366(14)70244-5

Stallard, P., Taylor, G., Anderson, R., Daniels, H., Simpson, N., Phillips, R., & Skryabina. (2014). The prevention of anxiety in children through school-based interventions: study protocol for a 24-month follow-up of the PACES project. Trials, 15, 77. https://doi.org/10.1186/1745-6215-15-77

Stopa, J. E., Barrett, P. M., & Golingi, F. (2010). The prevention of childhood anxiety in socioeconomically disadvantaged communities: A universal school-based trial. Advances in School Mental Health Promotion, 3(4), 5-24. https://doi.org/10.1080/1754730X.2010.9715688

Teste de Wilcoxon. Retirado de: . Acesso em: nov. 2016.

Vianna, R. R. A. B., Campos, A. A., & Landeira Fernandez, J. (2009). Transtornos de ansiedade na infância e adolescência: uma revisão. Revista Brasileira de Terapia Cognitiva, 5(1), 46-61.

Yunes, M. A. M. (2003). Psicologia Positiva e Resiliência: o foco no indivíduo e na família. Psicologia em Estudo (Maringá), 8, 75-84. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-73722003000300010

Yunes, M. A. M. (2015). Dimensões conceituais da resiliência e suas interfaces com risco e proteção. In Murta, S. G., França, C. L., Santos, K. B., & Polejack, L. Prevenção e promoção em saúde mental: fundamentos, planejamento e Estratégias de intervenção (pp. 93-112). Novo Hamburgo: Sinopsy.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1980-8623.2018.2.26501

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

e-ISSN: 1980-8623 | ISSN-L: 0103-5371


Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada.