“Vocês me encontram em qualquer lugar”: realizando pesquisa longitudinal com adolescentes em situação de rua

Juliana Prates Santana, Marcela Raffaelli, Sílvia Helena Koller, Normanda Araújo de Morais

Resumo


Com o objetivo de aprofundar a pesquisa longitudinal com populações de difícil acesso, este artigo descreve as estratégias metodológicas utilizadas em um estudo longitudinal realizado com 113 crianças e adolescentes em situação de rua em três capitais brasileiras. Além de descrever as diferentes etapas do processo de pesquisa, o artigo detalha as estratégias multimétodos que possibilitaram boa retenção de amostra (72% aos 6 meses e 62% aos 12 meses), bem como a validade dos dados resultantes da inserção ecológica e triangulação de dados. A análise de atrito revelou apenas algumas diferenças entre os adolescentes que foram retidos versus perdidos no seguimento dos indicadores demográficos e psicossociais. O exame das razões para o atrito fornece informações que podem ser usadas em futuras pesquisas de desenvolvimento em contextos atípicos. Por fim, defende-se que uma pesquisa desta natureza pode ter impactos positivos sobre o sistema de proteção de direitos e, conseqüentemente, sobre a rede de proteção dos participantes.


Palavras-chave


Adolescente em situação de rua; longitudinal; método.

Texto completo:

PDF

Referências


Aptekar, L. & Stoecklin, D. (2013). Research with children in street situations. In L. Aptekar & D. Stoecklin (Eds.). Street children and homeless youth: A cross-cultural perspective (pp. 121-162). London: Springer.

Brasil, V. P., Garcia, N. M., & Tavares, E. M. (2016). Olhar ecológico e percepções dos jovens sobre lugar, fatores de risco e proteção social. Série-Estudos, 21(42), 147-165. https://doi.org/10.20435/2318-1982

Bronfenbrenner, U. (1996). A ecologia do desenvolvimento humano: Experimentos naturais e planejados. [Originalmente publicado em 1979]. Porto Alegre: Artes Médicas.

Bronfenbrenner, U. & Morris, P. A. (1998). The ecology of developmental processes. In W. Damon & R. M. Lerner (Eds.). Handbook of child psychology: Theoretical models of human development (Vol. 1, pp. 993 1028). New York: Wiley.

Bronfenbrenner, U. & Evans, G. (2000). Developmental science in the 21st century: Emerging questions, theoretical models, research designs and empirical findings. Social Development, 9, 115-125. https://doi.org/10.1111/1467-9507.00114

Bronfenbrenner, U. (2005). The bioecological theory of human development. In U. Bronfenbrenner (Ed.), Making human beings humans (pp. 3-15). Thousand Oaks, CA: Sage.

Campos, R., Raffaelli, M., Ude, W., Greco, M., Ruff, A., Rolf, J., Antunes, C. M., Halsey, N., & Greco, D. (1994). Social networks and daily activities of street youth in Belo Horizonte, Brazil. Child Development, 65, 319-330. https://doi.org/10.2307/1131386

Cecconello, A. M. & Koller, S. H. (2003). Inserção ecológica na comunidade: Uma proposta metodológica para o estudo de famílias em situação de risco. Psicologia: Reflexão e Crítica, 16, 515-524. https://doi.org/10.1590/S0102-79722003000300010

Colin, R. (1993). Real world research: a resource for social sciences and practioner- researcher. Oxford: Blackwell.

Conselho Nacional de Saúde (Brasil). Resolução nº 196, de 10 de outubro de 1996. Diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisa envolvendo seres humanos [Internet]. Brasília, 2008.

Conselho Nacional de Saúde (Brasil). Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisa envolvendo seres humanos. Brasília, 2012.

Conselho Nacional de Saúde (Brasil). Resolução nº 510, de 07 de abril de 2016. Diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisa envolvendo seres humanos nas Ciências Humanas e Sociais. Brasília, 2016.

Dworsky, A. (2014). Children as self-informants in longitudinal studies: Substantive findings and methodological issues. In: G. B. Melton, A. Ben Arieh, J. Cashmore, G. S. Goodman & N. K. Worley (Eds.). The SAGE Handbook of Child Research (pp. 391-431). London: Sage. https://doi.org/10.4135/9781446294758

Embleton, L., Lee, H., Gunn, J., Ayuku, D., & Braitstein, P. (2016) Causes of child and youth homelessness in developed and developing countries. A Systematic Review and Meta-analysis. JAMA Pediatric, 170(5), 435-444. https://doi.org/10.1001/jamapediatrics.2016.0156

Hecht, T. (1998). At home in the street: Street children of Northeast Brazil. New York: Cambridge University Press.

https://doi.org/10.1017/CBO9780511527593

Lankenau, S. E., Sanders, B., Hathazi, D., & Bloom, J. J. (2009). Recruiting and retaining mobile young injection drug users in a longitudinal study. Substance use & misuse, 45(5), 684-699. https://doi.org/10.3109/10826081003594914

Koller, S. H., Morais, N. A., & Paludo, S. S. (2016). Inserção Ecológica: Um método de estudo em desenvolvimento humano. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Koller, S. H., Raffaelli, M., & Carlo, G. (2012). Conducting research about sensitive subjects: The case of homeless youth. Universitas Psychologica, 11, 11-65.

Magnusson, D. & Cairns, R. B. (2009). Developmental science: Toward a unified framework. In R. B. Cairns, G. H. Elder, Jr., & J. E. Costello (Eds.). Developmental science (pp. 7-30). Cambridge, UK: Cambridge University Press.

Milburn, N., Rotheram-Borus, M. J, Batterham, P., Brumback, B., Rosenthal, D., & Mallett, S. (2005). Predictors of close family relationships over one year among homeless young people. Journal of Adolescence, 28(2), 263-275. https://doi.org/10.1016/j.adolescence.2005.02.006

Miller, C. L., Strathdee, S. A., Li, K., Kerr, T., & Wood, E. (2007). A longitudinal investigation into excess risk for blood-borne infection among young injection drug users (IUDs). The American Journal of Drug and Alcohol Abuse, 33, 527-536. https://doi.org/10.1080/00952990701407397

Morling, B. (2015). Research methods in Psychology: Evaluation a world of information. New York: W.W. Norton & Company, Inc.

Morais, C. A., Borba, A., & Koller, S. H. (2016). O uso do diário de campo no processo de inserção ecológica. In S. H. Koller, N. A. Morais, & S. S. Paludo (Orgs.). Inserção ecológica: Um método de estudo em desenvolvimento humano (pp. 299-319). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Morais, N. A., Neiva-Silva, L. & Koller, S. H. (2010). Crianças e adolescentes em situação de rua: história, caracterização e modo de vida. In N. A. Morais, L. Neiva-Silva, & S.H. Koller (Orgs.). Endereço desconhecido: crianças e adolescentes em situação de rua (pp. 35-61). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Morais, N. A., Koller, S. H., & Raffaelli, M. (2010). Eventos estressores e indicadores de ajustamento entre adolescentes em situação de vulnerabilidade social no Brasil. Universitas Psychologica, 9(3), 787-806.

doi: 10.11144/474

Morais, N. A., Koller, S. H., & Raffaelli, M. (2012). Rede de apoio, eventos estressores e mau ajustamento na vida de crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade social. Universitas Psychologica, 11(3), 779-791. doi: 10.11144/779

Morais, N. A., Koller, S. H., & Raffaelli, M. (2016). Inserção Ecológica na pesquisa sobre trajetórias de vida de adolescentes em situação de vulnerabilidade social: Identificando fatores de risco e proteção. In S. H. Koller, N. A.

Morais, & S. S. Paludo (Orgs.). Inserção Ecológica: Um método de estudo em desenvolvimento humano (pp. 67-93). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Neiva-Silva, L. Morais, N. A., & Koller, S. H. (2010a). Aspectos metodológicos nas pesquisas com crianças e adolescentes em situação de rua. In N. A. Morais, L. Neiva-Silva, & S. H. Koller (Orgs.). Endereço desconhecido: Crianças e adolescentes em situação de rua (pp. 103-144). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Neiva-Silva, L. Morais, N. A., & Koller, S. H. (2010b). Princípios éticos nas pesquisas com crianças e adolescentes em situação de rua. In N. A. Morais., L. Neiva-Silva, & S. H. Koller (Orgs.). Endereço desconhecido: Crianças e adolescentes em situação de rua (pp. 145-173). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Paludo, S. S. & Koller, S. H. (2004). Inserção Ecológica no Espaço da Rua. In: S. H. Koller (Org.). Ecologia do desenvolvimento humano: Pesquisas e intervenção no Brasil (pp. 219-244). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Paradise, M. J. & Cauce, A. M. (2003). Substance use and delinquency during adolescence: A prospective look at an at-risk sample. Substance use & misuse, 38(3-6), 701-723. https://doi.org/10.1081/JA-120017390

Rizzini, I. Caldeira, P., Ribeiro, R., & Carvano, L. M. (2010). Crianças e adolescentes com direitos violados: Situação de rua e indicadores de vulnerabilidade no Brasil urbano. Rio de Janeiro: PUC-Rio: CIESPI.

Santana, J. P., Doninelli, T. M., Frosi, R. V., & Koller, S. H. (2004). Instituições de atendimento a crianças e adolescentes em situação de rua. Psicologia & Sociedade, 16, n. 2, 59-70. https://doi.org/10.1590/S0102-71822004000200008

Santana, J. P. (2011). Trajetórias de vida de meninas em situação de rua: o relato de uma investigação participativa. Poiésis –Revista do Programa de Pós-Graduação em Educação, 4(8), 271-293. https://doi.org/10.19177/prppge.v4e82011271-293

Silva, A. B., Oliveira, L. V., Van Petten’s, A. S., & Santana, J. P. (2016, outubro). Revisão de literatura de 20 anos sobre o tema de crianças e adolescentes em situação de rua. Pôster apresentado na 46ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira de Psicologia, Fortaleza, Ceará.

Sznajder-Murray, B., Jang, J. B., Slesnick, N., & Snyder, A. (2015). Longitudinal predictors of homelessness: Findings from the National Longitudinal Survey of Youth-97. Journal of Youth Studies, 18(8), 1015-1034. https://doi.org/10.1080/13676261.2015.1020930

Taylor, S. J., Bogdan, R., & DeVault, M. L. (2016). Introduction to qualitative research methods: A guidebook and resource. New Jersey: John Wiley & Sons, Inc.

UNICEF. (2012). Protection and promotion of the rights of children working and/or living on the street. New York: United Nations.

UNICEF. (2015). Strength in numbers: How longitudinal research can support child development. Florence: UNICEF Office of Research-Innocenti.

Wolke, D., Waylen, A., Samara, M., Steer, C., Goodman, R., Ford, T., & Lambers, K. (2009). Selective drop-out in longitudinal studies and non-biased prediction of behavior disorders. The British Journal of Psychiatry, 195(1), 249-256. https://doi.org/10.1192/bjp.bp.108.053751

Wright. J. D., Allen, T. L., & Devine, J. A. (1995). Tracking non-traditional populations in longitudinal studies. Evaluation and Program Planning, 18(3), 267-277. https://doi.org/10.1016/S0149-7189(95)00020-8

Young, L., & Barret, H. (2001). Issues of access and identity: Adapting research methods with Kampala street children. Childhood: A Global Journal of Child Research, 8(3), 383-395. https://doi.org/10.1177/0907568201008003005




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1980-8623.2018.1.25802

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

e-ISSN: 1980-8623 | ISSN-L: 0103-5371


Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada.