Violência conjugal: mapeamento do fenômeno no Rio Grande do Sul

Denise Falcke, Mariana Gonçalves Boeckel, Adriana Wagner

Resumo


Os dados sobre violência conjugal costumam ser imprecisos devido a diversos fatores. Entre eles, o fato de retratarem, preponderantemente, a violência visível (física ou sexual), serem obtidos em delegacias e basearem-se na visão de apenas um dos parceiros; sendo que muitos casos não são denunciados. O objetivo deste estudo foi mapear a violência conjugal no Rio Grande do Sul, em relação à presença de coerção sexual, agressão física e psicológica. Participaram 751 casais de distintas regiões do Estado. Os instrumentos foram: questionário de dados sociodemográficos e Revised Conflict Tactics Scales (CTS2). Os resultados evidenciaram índices elevados de violência mútua e simétrica entre os casais, ou seja, cometida por ambos os parceiros. Identificou-se que a idade, a escolaridade, a renda e o tempo de relacionamento estiveram associados aos níveis de violência conjugal em suas diferentes dimensões (p < 0,05). Ressalta-se a necessidade de se repensar as intervenções com casais em situação de violência.


Palavras-chave


violência; relações conjugais; agressões sexuais; violência psicológica

Texto completo:

PDF

Referências


Amaral, L., Vasconcelos, T., Sá, F., Silva, A., & Macena, R. (2016). Violência doméstica e a Lei Maria da Penha: perfil das agressões sofridas por mulheres abrigadas em unidade social de proteção. Estudos Feministas, 24(2), 521-540.https://doi.org/10.1590/1805-9584-2016v24n2p521

Alvim, S. F., & Souza, L. de (2005). Violência conjugal em uma perspectiva relacional: homens e mulheres agredidos/agressores. Psicologia: Teoria e Prática, 7(2), 171-206.

Barros, E. N., Silva, M. A., Neto, G. H. F., Lucena, S. G., Ponzo, L. & Pimentel, A. P. (2016). Prevalência e fatores associados à violência por parceiro íntimo em mulheres de uma comunidade em Recife/Pernambuco, Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, 21(2), 591-598. https://doi.org/10.1590/1413-81232015212.10672015

Carmo, R., Grams, A., & Magalhães, T. (2011). Men as victims of intimate partner violence. Journal of Forensic and Legal Medicine, 18, 355-259. https://doi.org/10.1016/j.jflm.2011.07.006

Carter, B. & McGoldrick, M. (1995). As mudanças no ciclo de vida familiar: Uma estrutura para terapia familiar. Porto Alegre: Artes Médicas.

Colossi, P. M., Razera, J., Haack, K. R., & Falcke, D. (2015). Violência conjugal: Prevalência e fatores associados. Contextos Clínicos, 8(1), 55-66. https://doi.org/10.4013/ctc.2015.81.06

Cunradi, C. B., Caetano, R., & Schafer, J. (2002). Religious affiliation, denominational homogamy, and intimate partner violence among US couples. Journal for the Scientific Study of Religion, 41(1), 139-151. https://doi.org/10.1111/1468-5906.00106

Cunradi, C.B., Todd, M., & Mair, C. (2015). Discrepant patterns of heavy drinking, marijuana use, and smoking and intimate partner violence: Results from the California community health study of couples. Journal of Drug Education, 45(2), 73-95.https://doi.org/10.1177/004723791560845

Drijber, B. C., Reijnders, U. J. L., & Ceelen, M. (2013). Male victims of domestic violence, Journal of Family Violence, 28, 173-178. https://doi.org/10.1007/s10896-012-9482-9

Falcke, D., Oliveira, D. Z., Rosa, L. W., & Bentancur, M. (2009). Violência conjugal: Um fenômeno interacional. Contextos Clínicos, 2(2), 81-90. https://doi.org/10.4013/ctc.2009.22.02

Garcia, M. V., Ribeiro, L. A., Jorge, M. T., Pereira, G. R., & Resende, A. P. (2008). Caracterização dos casos de violência contra a mulher atendidos em três serviços na cidade de Uberlândia, Minas Gerais, Brasil. Cad. Saúde Pública, 24(11), 2551-2563. https://doi.org/10.1590/S0102-311X2008001100010

Gomes, R. A. (2003). Mulher em situação de violência sob a ótica da saúde. In M. C. Minayo & E. R. Souza (Eds.). Violência sob o olhar da saúde: Infrapolítica da contemporaneidade brasileira (pp. 199-222). Rio de Janeiro, FIOCRUZ.

Gomes, N. P., Diniz, N. M. F., Camargo, L., & Silva, N. P. (2012). Homens e mulheres em vivência de violência conjugal: Características socioeconômicas. Revista Gaúcha de Enfermagem, 33(2). https://doi.org/10.1590/S1983-14472012000200016

Guimarães e Silva, J., Valadares, F. C., & Souza, E. R. de. (2013). O desafio de compreender a consequência fatal da violência em dois municípios brasileiros. Interface – Comunicação, Saúde, Educação, 17(46), 535-547. https://doi.org/10.1590/S1414-32832013005000022

Johnson, M. P. (2006). Conflict and control gender symmetry and asymmetry in domestic violence. Violence Against Women, 12(11), 1003-1018. https://doi.org/10.1177/1077801206293328

Johnson, M. P. (2011). Gender and types of intimate partner violence: A response to an anti-feminist literature review. Aggression and Violent Behavior, 16(4), 289-296. https://doi.org/10.1016/j.avb.2011.04.006

Kronbauer, J. F. D., & Meneghel, S. N. (2005). Perfil da violência de gênero perpetrada por companheiro. Revista de Saúde Pública, 39(5), 695-701. https://doi.org/10.1590/S0034-89102005000500001

Lamoglia, C. V. A., & Minayo, M. C. S. (2009). Violência conjugal, um problema social e de saúde pública: estudo em uma delegacia do interior do Estado do Rio de Janeiro. Ciência & Saúde Coletiva, 14(2), 595-604. https://doi.org/10.1590/S1413-81232009000200028

Langhinrichsen-Rohling, J. (2010). Controversies involving gender and intimate partner violence in the United States. Sex Roles, 62(3-4), p. 179-193. https://doi.org/10.1007/s11199-009-9628-2

Leôncio, K. L., Baldo, P. L., João, V. M., & Biffi, R. G. (2008). O perfil de mulheres vitimizadas e de seus agressores. Revista de Enfermagem, 16(3), 307-312.

Linch, L. F. (2014). Observatório da Violência Contra as Mulheres: Uma trajetória, muitas histórias. In Comissão de

Direitos Humanos e Cidadania. Relatório Lilás 2014 (pp. 106-131). Porto Alegre: Assembleia Legislativa do Rio

Grande do Sul.

Lourenço, L. M., Baptista, M. N., Almeida, A. A., Basílio, C., Koga, B. M., Hashimoto, J. K. F., & Andrade, G. C. (2013). Panorama da violência entre parceiros íntimos: Uma revisão crítica da literatura. Interamerican Journal of Psychology, 47(1), 91-99. Disponível em: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=28426980011

Lövestad, S. & Krantz, G. (2012). Men's and women's exposure and perpetration of partner violence: an epidemiological study from Sweden, BioMed Central Public Health, 12, 945-955. https://doi.org/10.1186/1471-2458-12-945

Marasca, A. R., Colossi, P. M., & Falcke, D. (2013). Violência conjugal e família de origem: Uma revisão sistemática da literatura de 2006 a 2011. Temas em Psicologia, 21(1), 221-243. https://doi.org/10.9788/TP2013.1-16

Monteiro, C. F. S. & Souza, I. E. O. (2007). Vivência da violência conjugal: Fatos do cotidiano. Texto & Contexto: Enfermagem, 16(1), 26-31. https://doi.org/10.1590/S0104-07072007000100003

Monteiro, M. F. G. & Zaluar, A. (2012). Violência contra a mulher e a violação dos direitos humanos. Reprodução & Climatério, 27(3), 91-97. https://doi.org/10.1016/j.recli.2012.11.001

Moraes, C. L., Hasselmann, M. H., & Reichenheim, M. (2002). Adaptação transcultural para o português do instrumento “Revised Conflict Tactics Scales (CTS2)” utilizado para identificar violência entre casais. Cadernos de Saúde Pública, 18(1), 163-176. https://doi.org/10.1590/S0102 -311X2002000100017

Mosmann, C. & Falcke, D. (2011). Conflitos conjugais: Motivos e frequência. Revista da SPAGESP – Sociedade de Psicoterapias Analíticas Grupais do Estado de São Paulo, 12(2), 5-16.

Panuzio, J. & DiLillo, D. (2010). Physical, psychological, and sexual intimate partner aggression among Newlywed couples: Longitudinal prediction of marital satisfaction. Journal of Family Violence, 25, 689-699. https://doi.org/10.1007/s10896-010-9328-2

Sampieri, R. H., Collado, C. F., & Lucio, M. P. B. (2013). Metodologia de Pesquisa (5ª ed.). São Paulo: Mc Graw Hill.

Schraiber, L. B. et al. (2007). Prevalência da violência contra a mulher por parceiro íntimo em regiões do Brasil. Revista de Saúde Pública, 41(5), 797-807. https://doi.org/10.1590/S0034-89102007000500014

Straus, M. A. (1995). Manual for the Conflict Tactics Scale. Durham, NH: Family Research Laboratory, University of New Hampshire.

Straus, M. A. (2011). Gender symmetry and mutuality in perpetration of clinical-level partner violence: Empirical evidence and implications for prevention and treatment. Aggression and Violent Behavior, 16(4), 279-288. https://doi.org/10.1016/j.avb.2011.04.010

Vatnar, S. K. B. & Bjokly, S. (2012). Does separation or divorce make any difference? An interactional perspective on intimate partner violence with focus on marital status. Journal of Family Violence, 27, 45-54. https://doi.org/10.1007/s10896-011-9400-6

Victora, C. G., Huttly, S. R., Fuchs, S. C., & Olinto, M. T. (1997). The role of conceptual frameworks in epidemiological analysis: A hierarchical approach. International Journal of Epidemiology, 26(1), 224-227. https://doi.org/10.1093/ije/26.1.224

Waiselfisz, J. J. (2015). Mapa da Violência 2015: Homicídios de Mulheres no Brasil. FLACSO, Brasil. Disponível em: http://www.mapadaviolencia.org.br/pdf2015/MapaViolencia_2015_mulheres.pdf. Acesso em: 20 jun. 2016.

World Health Organization. (2013). Global and regional estimates of violence against women: prevalence and health effects of intimate partner violence and nonpartner sexual violence. Geneva: WHO Press.

Zeger, S. L., Liang, K. Y., & Albert, P. S. (1988). Models for longitudinal data: A generalized estimating equation approach. Biometrics, 44(4), 1049-1060. https://doi.org/10.2307/2531734




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1980-8623.2017.2.25148

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

e-ISSN: 1980-8623

ISSN-L: 0103-5371

*********************************

Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

Licença Creative Commons

Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.

 

 

Copyright: © 2006-2017 EDIPUCRS