Planejamento para aposentadoria: saúde geral, finanças e qualidade do relacionamento

Alexsandro Luiz de Andrade, Julia Carolina Rafalski, Luiz Gustavo Silva Souza, Manoela Ziebell de Oliveria

Resumo


O presente artigo explorou como a remuneração, a percepção de saúde e a qualidade com o relacionamento atual se relacionam e preveem as expectativas e percepções sobre como serão os aspectos relacionados a finanças, saúde e relacionamento interpessoal na aposentadoria. Foram participantes 406 indivíduos adultos brasileiros, homens e mulheres, divididos em dois grupos: estágio de estabelecimento (entre 30 a 39 anos; N = 177) e pré-aposentadoria (entre 44 e 59 anos; N = 229). Estes responderam um questionário contendo: escala para avaliação da percepção futura da aposentadoria, escala de satisfação geral com o relacionamento, questionário de saúde geral reduzido e questionário sociodemográfico. Os resultados apontaram correlações positivas entre diferentes dimensões das percepções futuras da aposentadoria com saúde geral, qualidade do relacionamento e renda atuais. A saúde geral foi o aspecto mais preditivo das percepções futuras em relação à aposentadoria. Qualidade do relacionamento e renda foram variáveis preditoras apenas para participantes em estágio de pré-aposentadoria.


Palavras-chave


Aposentadoria; Envelhecimento; Conjugalidade; Saúde; Trabalho.

Texto completo:

PDF

Referências


Adams, G. A. & Rau, B. L. (2011). Putting off tomorrow to do what you want today: Planning for retirement. American Psychologist, 66(3), 180. https://doi.org/10.1037/a0022131

Almenberg, J. & Säve-Söderbergh, J. (2011). Financial literacy and retirement planning in Sweden. Journal of Pension Economics and Finance, 10(04), 585-598. https://doi.org/10.1017/S1474747211000497

Ambiel, R. A. M.. (2014). Adaptabilidade de carreira: uma abordagem histórica de conceitos, modelos e teorias. Revista Brasileira de Orientação Profissional, 15(1), 15-24.

Anson, O., Antonovsky, A., Sagy, S., & Adler, I. (1989). Family, Gender, and Attitudes Toward Retirement. Sex Roles, 20(7-8), 355-369. https://doi.org/10.1007/BF00287996

Antunes, M. H. (2017). Programas de educação para aposentadoria: como planejar, implementar e avaliar. Revista Psicologia Organizações e Trabalho, 17(1), 71-73. https://doi.org/10.17652/rpot/2017.1.11032

Antunes, M. H., Soares, D. H. P., & Moré, C. L. O. O. (2015). Repercussões da aposentadoria na dinâmica relacional familiar na perspectiva do casal. Psico, 46(4), 432-441. https://doi.org/10.15448/1980-8623.2015.4.19495

Boehs, S. D. T. M., Medina, P. F., Bardagi, M. P., Luna, I. N., & Silva, N.

(2017). Revisão da literatura latino-americana sobre aposentadoria e trabalho: perspectivas psicológicas. Revista Psicologia Organizações e Trabalho, 17(1), 54-61. https://doi.org/10.17652/rpot/2017.1.11598

Brasil. Conselho Nacional de Saúde. (2013). Resolução n. 466, de 12 de dezembro de 2012. Aprova normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Brasília: Diário Oficial da União.

Byrne, B. M. (2010). Structural equation modeling with AMOS: Basic concepts, applications, and programming. Routledge.

Carter, M. A. T. & Cook, K. (1995). Adaptation to retirement role changes and psychological resources. Career, 44(1), 67-83. https://doi.org/10.1002/j.2161-0045.1995.tb00530.x

Chou, K. L., Yu, K. M., Chan, W. S., Chan, A. C., Lum, T. Y., & Zhu, A. Y.

(2014). Social and psychological barriers to private retirement savings in Hong Kong. Journal of Aging & Social Policy, 26(4), 308-323. https://doi.org/10.1080/08959420.2014.939840

Costa, A., B. & Soares, D., H., P. (2009). Orientação psicológica para a aposentadoria. Revista Psicologia Organizações e Trabalho, 9(2), 97-108.

De Andrade, A. L., Garcia, A., & Cano, D. S. (2009). Preditores da satisfação global em relacionamentos românticos. Psicologia: Teoria e Prática, 11(3), 143-156.

Duarte, C. V. & Leal Melo-Silva, L. (2009). Expectativas diante da aposentadoria: um estudo de acompanhamento em momento de transição. Revista Brasileira de Orientação Profissional, 10(1), 45-54.

Dutra, F. C. M. S., Costa, L. C., & Sampaio, R. F. (2016). A influência do afastamento do trabalho na percepção de saúde e qualidade de vida de indivíduos adultos. Fisioterapia e Pesquisa, 23(1), 98-104. https://doi.org/10.1590/1809-2950/14900923012016

Floyd, F. J., Haynes, S. N., Doll, E. R., Winemiller, D., Lemsky, C., Burgy, T. M., & Heilman, N. (1992). Assessing Retirement Satisfaction and Perceptions of Retirement Experiences. Psychology and Aging, 7(4), 609-621. https://doi.org/10.1037/0882-7974.7.4.609

França, C. L., Murta, S. G., Negreiros, J. L., Pedralho, M., & Carvalhedo, R. (2013). Intervenção breve na preparação para aposentadoria. Revista Brasileira de Orientação Profissional, 14(1), 99-110.

França, L. H. F. P. & Soares, D. H. P. (2009). Preparação para a aposentadoria como parte da educação ao longo da vida. Psicologia: Ciência e Profissão, 29(4), 738-751. https://doi.org/10.1590/S1414-98932009000400007

França, L. H. F. P. & Seidl, J. (2016). Manual da Oxford sobre aposentadoria. Revista Psicologia Organizações e Trabalho, 16(3), 308-310. https://doi.org/10.17652/rpot/2016.3.732

França, L. H. F. P. (2010). Orientação para aposentadoria nas organizações de trabalho: construção de projetos para o pós-carreira. Revista Psicologia Organizações e Trabalho, 10(2), 177-181.

Gouveia, V. V., Lima, T. J. S., Gouveia, R. S. V., Freires, L. A., & Barbosa, L. H. G. M.. (2012). Questionário de Saúde Geral (QSG-12): o efeito de itens negativos em sua estrutura fatorial. Cadernos de Saúde Pública, 28(2), 375-384. https://doi.org/10.1590/S0102-311X2012000200016

Hair Jr, J. F., Anderson, R. E., Tatham, R., & Black, W.C. (2007). Análise Multivariada de dados (A. S. Sant’Anna & A. C. Neto Trad.). Porto Alegre: Bookman.

Hershey, D. A. & Henkéns, K. (2014). Impact of different types of retirement transitions on perceived satisfaction with life. The Gerontologist, 54(2), 232-244. https://doi.org/10.1093/geront/gnt006

Holt-Lunstad, J., Birmingham, W., & Jones, B.Q. (2008). Is There Something Unique about Marriage? The Relative Impact of Marital Status, Relationship Quality, and Network Social Support on Ambulatory Blood Pressure and Mental Health. Annals of Behavioral Medicine, 35(2), 239-244. https://doi.org/10.1007/s12160-008-9018-y

Kim, J. & Waite, L. J. (2014). Relationship Quality and Shared Activity in Marital and Cohabiting Dyads in the National Social Life, Health, and Aging Project, Wave 2. The Journals of Gerontology, 69(2), 64-74. https://doi.org/10.1093/geronb/gbu038

Lassance, M. C. P. & Sarriera, J. C. (2012). Saliência do papel de trabalhador, valores de trabalho e desenvolvimento de carreira. Revista Brasileira de Orientação Profissional, 13(1), 49-61.

Lassance, M. C. & Sarriera, J. C. (2009). Carreira e saliência dos papéis: integrando o desenvolvimento pessoal e profissional. Revista Brasileira de Orientação Profissional, 10(2), 15-31.

Leandro-França, C. L., Murta, S. G., Negreiros, J. L., Pedralho, M., & Carvalhedo, R. (2013). Intervenção Breve na Preparação para Aposentadoria. Revista Brasileira de Orientação Profissional, 14(1), 99-110.

Leandro-França, C., Murta, S. G., & Iglesias, F. (2014a). Planejamento da aposentadoria: uma escala de mudança de comportamento. Revista Brasileira de Orientação Profissional, 15(1), 75-84.

Leandro-França, C., Murta, S. G., & Villa, M. B. (2014b). Efeitos de uma intervenção breve no planejamento para a aposentadoria. Psicologia: Organizações e Trabalho, 14(3), 257-270.

Menezes, G. S. & França, L. H. (2012). Preditores da decisão da aposentadoria por servidores públicos federais. Revista Psicologia Organizações e Trabalho, 12(3), 315-328.

Minayo, M. C. S., Cavalcante, F. G., Mangas, R. M. N., & Souza, J. R. A.

(2012). Autópsias psicológicas sobre suicídio de idosos no Rio de Janeiro. Ciência e Saúde Coletiva, 17(10), 2773-2781. https://doi.org/10.1590/S1413-81232012001000025

Murta, S. G., Abreu, S., Leandro-França, C., Pedralho, M., Seidl, J., Lira, N. P. M., Carvalhedo, R. K. M., Conceição, A. C., & Gunther, I. A. (2014). Preparação para a aposentadoria: implantação e avaliação do programa viva mais!. Psicologia: Reflexão e Crítica, 27(1), 01-09. https://doi.org/10.1590/S0102-79722014000100001

Ng, T. H., Tay, W. Y., Tan, N. L., & Lim, Y. S. (2011). Influence of investment experience and demographic factors on retirement planning intention. International Journal of Business and Management, 6(2), 196-203. https://doi.org/10.5539/ijbm.v6n2p196

Pazzim, T. A. & Marin, A. (2016). Programas de Preparação para Aposentadoria: Revisão sistemática da literatura nacional. Revista Brasileira de Orientação Profissional, 17(1), 91-101.

Pereira, A. A. D. S., Couto, V. V. D., & Scorsolini-Comin, F. (2015). Motivações de idosos para participação no programa Universidade Aberta à Terceira Idade. Revista Brasileira de Orientação Profissional, 16(2), 207-217.

R Development Core Team Manual (2010). R: A Language and Environment for Statistical Computing. Foundation for Statistical Computing: Vienna, Austria.

Rafalski, J. C. & De Andrade, A. L. (2016). Planejamento da aposentadoria: adaptação brasileira da PRePS e influência de estilos de tomada de decisão. Revista Psicologia Organizações e Trabalho, 16(1), 36-45. https://doi.org/10.17652/rpot/2016.1.648

Rafalski, J. C. & De Andrade, A. L. (2017). Desenvolvimento da Escala de Percepção de Futuro da Aposentadoria (EPFA) e Correlatos Psicossociais. Psico-USF, 22(1), 49-62. https://doi.org/10.1590/1413-82712017220105

Rodrigues, M., Harumi Ayabe, N., Frollini Lunardelli, M. C., & Canêo, L. C.

(2005). A preparação para a aposentadoria: o papel do psicólogo frente a essa questão. Revista brasileira de orientação profissional, 6(1), 53-62.

Sargent, L. D., Lee, M. D., Martin, B.. & Zikic, J. (2012). Reinventing retirement: new pathways, new arrangements, new meanings. Human relations, 66(1), 3-21. https://doi.org/10.1177/0018726712465658

Sarriera, J. C., Schwarcz, C., & Câmara, S. G. (1996). Bem-estar psicológico: análise fatorial da Escala de Goldberg (QSG-12) numa amostra de jovens. Psicologia: Reflexão e Crítica, 9, 293-306.

Savickas, M. L. (2005). The theory and practice of career construction. In S. D. Brown & R. W. Lent (Eds.). Career development and counselling: Putting theory and research to work (pp. 42-70). Hoboken: Wiley.

Savickas, M. L. (2013). The theory and practice of career construction. In S. D. Brown & R. W. Lent (Eds.). Career development and counselling: Putting theory and research to work (2ª ed., pp. 147-183). Hoboken: Wiley.

Super, D. E. (1957). The psychology of careers. New York: Harper and Row.

Super, D. E. (1980). A life-span, life-space approach to career development. Journal of Vocational Behavior, 16, 282-298.

https://doi.org/10.1016/0001-8791(80)90056-1

Super, D. E., Savickas, M. L., & Super, C. M. (1996). The life-span, life space approach to careers. In D. Brown & L. Brooks (Eds.). Career choice and development (3rd ed., pp. 121-178). San Francisco: Jossey-Bass.

Wachelke, J. F. R., Andrade, A. L, Souza, A. M, & Cruz, R. (2007). Estudo complementar da validade fatorial da Escala Fatorial de Satisfação em Relacionamento e predição de satisfação global com a relação. Psico-USF, 12(2), 221-225. https://doi.org/10.1590/S1413-82712007000200010

World Health Organization. (2002). Active ageing: a policy framework. Madrid, Spain.

Zanelli, J. C. (2012). Processos psicossociais, bem-estar e estresse na aposentadoria. Revista Psicologia Organizações e Trabalho, 12(3), 329-340.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1980-8623.2017.4.24797

e-ISSN: 1980-8623 | ISSN-L: 0103-5371


Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada.