Programa Multissensorial/Fônico: efeitos em pré-escolares em risco de apresentarem dificuldades de alfabetização

Mariana dos Santos Moretto Moreschi, Sylvia Domingos Barrera

Resumo


Este estudo avalia os resultados de um programa multissensorial com ênfase fônica sobre o desempenho em consciência fonológica (CF), conhecimentode letras (CL) e habilidades iniciais de leitura e escrita em pré-escolares. Participaram do estudo 36 alunos de uma Pré-escola Municipal, com idade média de 5,5 anos. O delineamento consistiu em Pré-teste, Intervenção e Pós-testes 1 e 2. As crianças que, no Pré-teste, obtiveram resultados inferiores nas provas de CL e/ou CF foram consideradas em risco para apresentar dificuldades na alfabetização. Habilidades de leitura e escrita também foram mensuradas. Os participantes foram distribuídos, aleatoriamente, em Grupo Multissensorial (GM) e Grupo Controle (GC). O GM participou de três sessões de intervenção semanais, durante quatro meses, totalizando 48 sessões. O GC realizou atividades alternativas. Os resultados indicam efeitos significativos da intervenção para as crianças do grupo de risco, para todas as habilidades avaliadas, sugerindo a eficácia do programa para prevenir dificuldades na alfabetização.


Palavras-chave


Letramento emergente; Consciência fonológica; Conhecimento de letras; Intervenção; Pré-escolares

Texto completo:

PDF

Referências


Angelini, A. L., Alves, I. C. B., Custódio, E. M., Duarte, W. F., & Duarte, J. L. M. (1999). Matrizes progressivas coloridas de Raven. São Paulo, SP: Centro Editor de Testes e Pesquisas em Psicologia.

Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa. (2012). Critério de Classificação Econômica Brasil – CCEB. Recuperado de: http://www.abep.org.br

Azevedo, H. I. D. D. O., Ribeiro, I. D. S., Cadime, I., Cruz, J. S. F. D., & Gonçalves, T. (2008). Caracterização de um programa de intervenção nas dificuldades iniciais na aprendizagem da leitura/escrita. In Annals of V Congreso Internacional de Psicología y Educación: Los retos del futuro. Oviedo, Espanha. Recuperado de: http://hdl.handle.net/1822/17786

Azevedo, H. I. D. D. O. & Ribeiro, I. D. S. (2009). Caracterização de um programa de intervenção precoce nas dificuldades de aprendizagem da leitura e escrita. In Annals of 16th European Conference on Reading. Braga, Portugal. Recuperado de: http://hdl.handle.net/1822/17787

Birsh, J. R. (2011). Multisensory teaching of basic language skills. Baltimore: Brookes Publishing Company. PO Box 10624, Baltimore, MD 21285.

Brandão, M.L. (2004). As bases biológicas do comportamento: Introdução à neurociência. São Paulo: EPU.

Capovilla, A. G. S. (2002). Compreendendo a dislexia: definição, avaliação e intervenção. Cadernos de Psicopedagogia, 1(2), 36-59.

Capovilla, A. G. S. & Capovilla, F. C. (2007a). Alfabetização: Método fônico. São Paulo: Mennon.

Capovilla, A. G. S. & Capovilla, F. C. (2007b). Problemas de leitura e escrita: Como identificar, prevenir e remediar numa abordagem fônica (5ª ed.). São Paulo: Memnon.

Colello, S. M. G. (2010). Alfabetização e letramento: O que será que será? In V. A. Arantes (Org.). Alfabetização e letramento: Pontos e contrapontos (pp. 75-125). São Paulo: Summus.

Dehaene, S. (2012). Os neurônios da leitura: Como a ciência explica a nossa capacidade de ler (L. Scliar-Cabral, Trans.). Porto Alegre: Penso. (Original workpublished, 2007).

DiLorenzo, K. E., Rody, C. A., Bucholz, J. L., & Brady, M. P. (2011).Teaching letter-sound connections with picture mnemonics: Itchy's Alphabet and early decoding. Preventing School Failure, 55(1), 28-34. doi:10.1080/10459880903286763

Dmitriev, A. A. (2014). Proprietary educational technology for making physically challenged children literate within a paradigm competence approach. Life Science Journal, 11(12), 576-580. Recuperado de: http://www.lifesciencesite.com

Ehri, L. C. (2013). Aquisição da habilidade de leitura de palavras e sua influência na pronúncia e na aprendizagem do vocabulário. In M. R. Maluf & C. Cardoso-Martins (Orgs.). A alfabetização no século XXI: Como se aprende a ler e a escrever. Porto Alegre: Penso.

Fadini, C. C. & Capellini, S. A. (2011).Treinamento de habilidades fonológicas em escolares de risco para dislexia. Revista CEFAC, 28(85), 3-13. Recuperado de: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?pid=S01038486201100010000 2&script=sci_arttext

Fukuda, M. T. M. & Capellini, S. A. (2011). Treinamento de habilidades fonológicas e correspondência grafema-fonema em crianças de risco para dislexia. Revista CEFAC,13(2), 227-235. doi:10.1590/S1516-18462010005000074

Gentaz, E., Colé, P., & Bara, F. (2003) Évaluation d´entraînements multi-sensoriels de préparation à lalecture pour les enfants en grande section de martenelle: Une etude sur la contribution du système haptique manuel. L´annéePsychologique, 103 (4), 561-584. doi:10.3406/psy.2003.29652

Guerra, L. B. (2011). Diálogo entre neurociência e educação: Da euforia aos desafios e possibilidades. Revista Interlocução, 4(4), 3-12. Recuperado de: http://interlocucao.loyola.g12.br/index.php/revista/article/viewArticle/91

Justino, M. I. S. V. & Barrera, S. D. (2012). Efeitos de uma intervenção na abordagem fônica em alunos com dificuldades de alfabetização. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 28(4), 399-407. doi:10.1590/S0102-37722012000400009

Kelly, K.,& Phillips, S. (2016). Teaching literacy to learners with dyslexia: A multi-sensory approach. Sage.

Labat, H., Ecalle, J., Baldy, R., & Magnan, A. (2014). How can low-skilled 5-year-old children benefit from multisensory training on the acquisition of the alphabetic principle? Learning and Individual Differences, 29, 106-113. doi:10.1016/j.lindif.2013.09.016

Maluf, M. R. & Cardoso-Martins, C. (2013). A alfabetização no século XXI: Como se aprende a ler e a escrever. Porto Alegre: Penso.

Maluf, M. R. & Gombert, J. E. (2008). Habilidades implícitas e controle cognitivo na aprendizagem da linguagem escrita. In M. R. Maluf & S. R. K. Guimarães (Orgs.). Desenvolvimento da linguagem oral e escrita (pp. 123-135). Curitiba: UFPR.

Montessori, M. (1948). To educate the human potential. Madras: In Kalakshetra Press.

Moojen, S. M. P., Lamprecht, R., Santos, R. M., Freitas, G. M., Brodacz, R., Siqueira, M., & Guarda, E. (2003). CONFIAS: Consciência fonológica: Instrumento de avaliação sequencial. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Morais, J. (2013). Criar leitores: Para professores e educadores. São Paulo: Manole.

Morais, J., Leite, I., & Kolinsky, R. (2013). Entre pré-leitura e escrita hábil: Condições e patamares de aprendizagem. In M. R. Maluf & C. Cardoso-Martins (Orgs.). A alfabetização no século XXI: Como se aprende a ler e a escrever. Porto Alegre: Penso.

Neumann, M. M. (2014). Using environmental print to foster emergent literacy in children from a low-SES community. Early Childhood Research Quarterly, 29(3), 310-318. doi:10.1016/j.ecresq.2014.03.005

Neumann, M. M., Hood, M., & Neumann, D. L. (2009). The scaffolding of emergent literacy skills in the home environment: A case study. Early Childhood Education Journal, 36(4), 313-319. doi:10.1007/s10643-008-0291-y

Nico, M. A. N. & Gonçalves, A. M. S. (2008). Facilitando a alfabetização multissensorial, fônica e articulatória. Cartilha. Associação Brasileira de Dislexia.

Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico – OCDE. (2012). Programme for International Student Assessment – PISA. Recuperado de: http://www.oecd.org/pisa/home/

Semeghini-Siqueira, I. (2011). Desafios e soluções em ambientes de ensino e aprendizagem de língua materna para crianças de 6anos. Educação, 34(3), 330-340. Recuperado de: http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/faced/article/viewArticle/7516

Seabra, A. G. & Dias, N. M. (2011). Métodos de alfabetização: Delimitação de procedimentos e considerações para uma prática eficaz. Revista Psicopedagogia, 28(87), 306-320. Recuperado de: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_ arttext&pid=S010384862011000300011&lng=pt&tlng=pt

Snowling, M. J.; Hulme, C. (2013). A ciência da leitura. Porto Alegre: Penso.

Soares, M. (2006). Letramento e alfabetização: As muitas facetas. Revista Brasileira de Educação, 25, 5-17.

Vedasy, P. F. & Sanders, E. A. (2010). Efficacy of supplemental phonics-based instruction for low-skilled kindergarteners in the context of language minority status and classroom phonics instruction. Journal of Educational Psychology, 102(4), 786-803.

Vellutino, F. R., Scanlon, D. M., Small, S., & Fanuele, D. P. (2006). Response to intervention as a vehicle for distinguishing between children with and without reading disabilities: Evidence for the role of kindergarten and firstgrade Interventions. Journal of Learning Disabilities, 39(6), 157-169.

Viana, F. L. & Ribeiro, I. (2014). Falar, ler e escrever: Propostas integradoras para o jardim de infância. Lisboa, PT: Santillana.

Whitehurst, G. J. & Lonigan, C. J. (2003). Emergent literacy: Development from pre-readers to readers. In S. B. Neuman & D. K. Dickinson (Eds.). Handbook of Early Literacy (pp. 11-29). New York: Guilford Press.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1980-8623.2017.1.24197

e-ISSN: 1980-8623 | ISSN-L: 0103-5371


Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada.