Atitudes de estudantes de medicina face ao “mais médicos” revela favorecimento endogrupal

Clarissa Maria Dubeux Lopes Barros, Ana Raquel Rosas Torres, Cicero Roberto Pereira

Resumo


As pessoas são motivadas a favorecer o seu próprio grupo na distribuição de recursos simbólicos e materiais. Analisou-se em que medida este fenômeno está presente na atitude de estudantes de medicina face ao Programa Mais Médicos. Testou-se as hipóteses de que a oposição à contratação de médicos estrangeiros é motivada pelo favorecimento endogrupal e que este efeito é potencializado pelo preconceito contra a origem dos médicos. O estudo foi realizado em 259 estudantes de medicina alocados aleatoriamente em cenários conforme a origem nacional dos médicos a serem contratados (cubanos vs. espanhóis vs. portugueses vs. brasileiros) que indicaram a sua concordância com a contratação. Os resultados mostram que estudantes são favoráveis à contratação apenas de médicos brasileiros, opondo-se à contratação de médicos estrangeiros. Na discussão abordou-se as atitudes face ao Programa Mais Médicos como indicadoras de tensões sociais subjacentes à distribuição de recursos socialmente valorizados e motivadas por fatores identitários.


Palavras-chave


Identidade social; Favorecimento Endogrupal; Preconceito; Programa Mais Médicos

Texto completo:

PDF

Referências


Associação Médica Brasileira (2015, 05 maio). Motivação do Mais Médicos: enviar dinheiro a Cuba. Disponível em: http://amb.org.br/noticias/motivacao-do-mais-medicos-enviar-dinheiro-a-cuba/

Bruin, J. (2006). Newtest: command to compute new test. UCLA: Statistical Consulting Group. http://www.ats.ucla.edu/stat/stata/ado/analysis/

Campbell, D. T. (1965). Ethnocentric and other altruistic motives. In D. Levine (Ed.). Nebraska symposium on motivation (pp. 283-301). Lincoln: University of Nebraska Press.

Conselho Federal de Psicologia (2000). Resolução CFP nº 016/2000 (2014, 22 de maio). Disponível em: http://www.crpsp.org.br/portal/orientacao/resolucoes_cfp/fr_cfp_016-00.aspx.

Conselho Nacional de Saúde (2016). Resolução nº 510, de 07 de abril de 2016 (2016, 27 de agosto). Disponível em: http://www.conselho.saude.gov.br/resolucoes/2016/Reso510.pdf.

Conselho Nacional de Saúde (2012). Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012. (2014, 22 de maio). Disponível em: http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2012/Reso466.pdf.

Coser, L. A. (1956). The function of social conflict. Glenco, IL: Free Press.

Costa-Lopes, R., Dovidio, J. F., Pereira, C. R., Jost, J. T. (2013). Social psychological perspectives on the legitimation of social inequality: past, present and future (Special issue introduction). European Journal of Social Psychology, 43(4), 229-237. https://doi.org/10.1002/ejsp.1966

Dovidio, J. & Gaertner, S. (2010). Intergroup Bias. Handbook of Social Psychology. 3:III:29. https://doi. org/10.1002/9780470561119.socpsy002029

Global Health Workforce Alliance & World Health Organization (2013). (2016, 18 de Setembro). A universal truth: no health without a workforce. Disponível em: http://www.who.int/workforcealliance/knowledge/resources/GHWAa_

universal_truth_report.pdf.

Lei nº 12.871, de 22 de outubro de 2013. Institui o Programa Mais Médicos, altera as Leis n. 8.745, de 9 de dezembro de 1993, e n. 6.932, de 7 de julho de 1981, e dá outras providências. Diário Oficial da União. Seção 1.

LeVine,R. A. & Campbell, D. T. (1972). Ethnocentrism: Theories of conflict, ethnic attitudes, and group behavior. New York: John Wiley & Sons.

Lima-Nunes, Aline, Pereira, C. R., Correia, I. (2013). Justice seems not to be for all: exploring the scope of justice. In-Mind Magazine, 17, 1-6.

Mais Médicos ampliou o acesso a medicamento. Rede Observatório do Programa Mais Médicos (2015, 04 ago.). Disponivel em: http://http://www.observatoriomaismedicos.org.br/.

McGarty, C. (2001). Social Identity theory does not maintain that identification produces bias, and self-categorization theory does not maintain that salience is identification: two comments on Mummendey, Klink and Brown. British Journal of Social Psychology, 40, 173-176. https://doi.org/10.1348/014466601164777

Medida Provisória 621, de 8 de julho de 2013. Institui o Programa Mais Médicos e dá outras providências. Diário Oficial da União. Seção 1.

Ministério da Saúde (2014). PortalBrasil. Disponível em: www.brasil.gov.br.

Ministério da Saúde (2015). PortalBrasil. Disponível em: www.brasil.gov.br.

Mummendy, A. Klink, A., & Brown, R. (2001). Nationalism and patriotism: National identification and out-group rejection. British Journal of Social Psychology (2001), 40, 159-172. https://doi.org/10.1348/014466601164740

Pellegrini, M. (2015, 04 Agosto). Mais Médicos recebe nota 9 de usuários diz pesquisa. Carta Capital. Disponivel em: http://www.cartacapital.com.br/saude/mais-medicos-recebe-nota-9-de-usuarios-diz-pesquisa-3701.html.

Pereira, C., Vala, J., & Costa-Lopes, R. (2010). From Prejudice to Discrimination: The Legitimizing Role of Perceived Threat Indiscrimination Against Immigrants. European Journal of Social Psychology, 40, 1231-1250. https://doi.org/10.1002/ejsp.718

Pereira, C. R., França, D., Torres, A. R., Lima, M. E., & Pereira, M. E. (2015). Emoções na formação e no desenvolvimento dos preconceitos. In S. Gondim, E. Loiola (Eds.). Emoções, aprendizagem e comportamento social (pp. 127-162). São Paulo: Casa do Psicólogo. ISBN 978-85-8040-597-2.

Pettigrew, T. & Meertens R. W. (1995). Subtle and blatant prejudice in Western Europe. European Journal of Social Psychology, 25, 57-75. http://dx.doi.org/10.1002/ejsp. 2420250106

Portaria Interministerial nº 1.369/MS/MEC, de 8 de julho de 2013. Dispõe sobre a implementação do Projeto Mais Médicos para o Brasil. Diário Oficial da União. Seção 2.

Ribeiro, J. (2013). Migração de profissionais de saúde – Desperdício ou reconhecimento de qualificações? In Araujo, E., Fontes, M., & Bento, S. (Orgs.). Para um debate sobre mobilidade de fuga de cérebros. Portugal: Cecs.

Sherif, M., Hervey, J. O., White, J., Hood, W., & Sherif, E. (1961). The robbers cave experiment: Inter-group conflict and cooperation. Middletown: University Press.

Sherif, M. (1967). Group Conflict and Cooperation: Their Social Psychology. London: Routledge e Kegan Paul.

Souza, L. E. C., Pereira, C. R., Camino, L., Lima, T. J. S., & Torres, A. R. R. (2016). The legitimizing role of accent on discrimination against immigrants. European Journal of Social Psychology (Print). https://doi.org/10.1002/ejsp.2216

Stephan, W. G. & Stephan, C. W. (2002). An integrated threat theory of prejudice. In S. Oskamp (Ed.). Reducing prejudice and discrimination (pp. 23-45). Mahwah, N.J.: Psychology Press.

Tajfel, H., Billig, M., Bundy, R. P., & Flament, C. (1971). Social categorisation and intergroup behaviour. European Journal of Social Psychology, 1, 149-178. https://doi.org/10.1002/ejsp.2420010202

Tajfel, H. & Turner, J. C. (1979). An integrative theory of intergroup conflict. In Zn W. G. Austin e S. Worchel (Eds.). The social psychology of intergroup relations. Monterey, Ca: Brooks/Cole.

Torres, C. V. & Neiva, E. R. (2011). Psicologia Social no Brasil: Uma introdução. In C. V. Torres & E. R. Neiva (Eds.). Psicologia Social: Principais temas e vertentes (pp. 31-57). Porto Alegre: Artmed.

Vala, J., Pereira, C. R., Lima, M., & Leyens, J.-P. (2012). Intergroup time bias and racialized social relations. Personality and Social Psychology Bulletin, 38(4), 491-504. https://doi.org/10.1177/0146167211429746




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1980-8623.2017.1.23871

ATENÇÃO

Sistema em manutenção

Migração do sistema OJS para a versão 3.0. Durante este período os usuários:

  • Poderão acessar todo o conteúdo já publicado
  • Não poderão efetivar encaminhamentos do fluxo editorial (submissão, avaliação, publicação)

Previsão: 06/07/2020


e-ISSN: 1980-8623 | ISSN-L: 0103-5371


Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada.