Compreensão de leitura: habilidades cognitivas e tipos de texto

Carmen Lucia Gobel Coelho, Jane Correa

Resumo


Investigações acerca da compreensão de leitura vêm permitindo ampliar o conhecimento na área da leitura, demonstrando a contribuição de diversas habilidades metalinguísticas e cognitivas para seu desenvolvimento. Nesse sentido, este estudo buscou examinar quais habilidades metalinguísticas e cognitivas, avaliadas no início do ano letivo do segundo ano do Ensino Fundamental, poderiam ser associadas ao desenvolvimento da compreensão de leitura ao final do ano escolar, assim como a possível variação entre essas habilidades conforme a tipologia textual empregada. Foi avaliada a compreensão de leitura, nos tipos textuais narrativo e expositivo, e as seguintes habilidades: nomeação automatizada rápida, consciência fonológica no nível fonêmico, memória de trabalho, a habilidade verbal, vocabulário, consciência morfológica, precisão de leitura e de monitoramento da compreensão. Os resultados encontrados revelaram que a consciência fonêmica, a nomeação seriada rápida para objetos e o monitoramento contribuíram para a compreensão de leitura nos dois tipos de texto.


Palavras-chave


compreensão da leitura; habilidades cognitivas; tipos de texto

Texto completo:

PDF

Referências


Baddeley, A. (2012). Working Memory: Theories, Models, and Controversies. Annual Review of Psychology, 63, 1-29. https://doi.org/10.1146/annurev-psych-120710-100422

Baker, L. (1986). Children’s Effective Use of Multiple Standards of Evaluating Their Comprehension. Journal of Educational Psychology, 76, 585-597.

Best, R., Ozuru, Y., Floyd, R. G., & McNamara, D. S. (2006). Children's text comprehension: effects of genre, knowledge, and text cohesion. In Proceedings of the 7th International Conference on Learning Sciences (pp. 37-42).

Bradley, L. & Bryant, P. (1983). Categorizing sounds and learning to read: a causal connection. Nature, 301, 419-421. https://doi.org/10.1038/301419a0

Cain, K. & Oakhill, J. (2014). Reading comprehension and vocabulary: Is vocabulary more important for some aspects of comprehension? L'Annee Psychologique, 114, 647-662. https://doi.org/10.4074/S0003503314004035

Cain, K., Oakhill, J., & Bryant, P. (2000). Phonological skills and comprehension failure: A test of the phonological processing deficit hypothesis. Reading and Writing, 13(1-2), 31-56.

Capellini, S. A., Ferreira, T. L., Salgado, C. A., & Ciasca, S. M. (2007). Desempenho de escolares bons leitores, com dislexia e com transtorno do déficit de atenção e hiperatividade em nomeação automática rápida. Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia, 12, 114-119. https://doi.org/10.1590/S1516-80342007000200008

Coelho, C. L. G. & Correa, J. (2010). Desenvolvimento da compreensão de leitura através do monitoramento da leitura. Psicologia, Reflexão e Crítica, 23, 575-581. https://doi.org/10.1590/S0102-79722010000300018

Correa, J. & Mousinho, R. (2013). Por um modelo simples de leitura, porém não tão simples assim. In: M. Mota & A. G. Spinillo (Eds.). Compreensão de textos (pp. 77-100). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Crewther, S. G., Thomson, B., Laycock, R., & Crewther, D. P. (2011). I RAN fast and I remembered what I read: The relationship between reading, rapid automatic naming, and auditory and visual short-term memory. i-Perception, 2(4), 264-264. https://doi.org/10.1068/ic264

Cunha, V. L. O. & Capellini, S. A. (2009). PROHMELE: Provas de habilidade metalinguísticas e de leitura. Rio de Janeiro: Revinter.

Denckla, M. B. & Rudel, R. (1974). Rapid automatized naming of pictured objects, colors, letters and numbers by normal children. Cortex, 10, 186-202. https://doi.org/10.1016/S0010-9452(74)80009-2

Eason, S. H. Goldberg, L. F., Young, K.M., Geist, M. C., & Cutting, L. E. (2012). Reader–Text Interactions: How Differential Text and Question Types Influence Cognitive Skills Needed for Reading Comprehension. Journal of Educational Psychology, 104, 515-528. https://doi.org/10.1037/a0027182

Ehri, L. C. (2013). O desenvolvimento da leitura imediata: fases e estudos. In: M. J. Snowling & C. Hulme (Eds.). A ciência da leitura (pp. 153-172). Porto Alegre: Penso Editora.

Escudero, I., & León, J. A. (2007). Procesos inferenciales en la comprensión del discurso escrito: Infuencia de la estructura del texto en los procesos de comprensión. Revista Signos, 40(64), 311-336. https://doi.org/10.4067/S0718-09342007000200003

Gough, P. B. & Tunmer, W. E. (1986). Decoding, reading and reading disability. Remedial and Special Education, 7, 6-10. https://doi.org/10.1177/074193258600700104

Kintsch, W. & van Dijk, T. A. (1978). Toward a model of text comprehension and production. Psychological Review, 85, 363-394. https://doi.org/10.1037/0033-295X.85.5.363

Kintsch, W. (1988). The role of knowledge in discourse comprehension: a construction-integration model. Psychological Review, 95, 163-182. https://doi.org/10.1037/0033-295X.95.2.163

Kintsch, W. & Rawson, K. A. (2013). Compreensão. In: M. J. Snowling & C. Hulme (Eds.). A ciência da leitura (pp. 227-244). Porto Alegre: Penso Editora.

Koch, I. G. & Elias, V. M. (2011). Ler e escrever: estratégias de produção textual. São Paulo: Contexto.

Morais, J. M., Leite, I., & Kolinsky, R. (2013). Entre a pré-leitura e a leitura hábil: condições e patamares da aprendizagem. In M. R. Maluf & C. Cardoso-Martins (Eds.). Alfabetização no século XXI: Como se aprende a ler e a escrever (pp. 17-48). Porto Alegre: Penso Editora.

Mota, M. M. P. E. D., Lisboa, R., Dias, J., Gontijo, R., Paiva, N., Mansur-Lisboa, S. & Santos, A. A. A. D. (2009). Relação entre consciência morfológica e leitura contextual medida pelo teste de cloze. Psicologia, Reflexão e Crítica, 22, 223-229. https://doi.org/10.1590/S0102-79722009000200008

Passeggi, L. A. S. (2005). O discurso expositivo escrito no ensino fundamental: um enfoque cognitivista e seus desdobramentos didáticos. Revista do GELNE (Fortaleza), 4, 122-124.

Perfetti, C. A., Landi, N., & Oakhill, J. (2013). A aquisição da habilidade de compreensão da leitura. In: M. J. Snowling & C. Hulme (Eds.). A ciência da leitura (pp. 245-265). Porto Alegre: Penso Editora.

Roazzi, A.; Hodges, L.; Queiroga, B.; Asfora, R., & Roazzi, M. (2013). Compreensão de texto e modelos teóricos explicativos: a influência de fatores linguísticos, cognitivos e metacognitivos. In: M. Mota & A. G. Spinillo. (Eds.). Compreensão de textos (pp. 144-163).

São Paulo: Casa do Psicólogo.

Sànchez, E. M. (2002). Compreensão e redação de textos. Dificuldades e ajudas. Porto Alegre: Artmed.

Spinillo, A. G. (2013). Alfabetização e consciência metalinguística: da leitura da palavra à leitura do texto. In M. R. Maluf & C. Cardoso-Martins (Eds.). Alfabetização no século XXI: Como se aprende a ler e a escrever (pp. 138-154). Porto Alegre: Penso Editora.

Silva, M. & Cain, K. E. (2015). The relations between lower and higher level comprehension skills and their role in prediction of early reading comprehension. Journal of Educational Psychology, 107(2), 321-331. https://doi.org/10.1037/a0037769

Stein, L. M. (1994). TDE: Teste de desempenho escolar. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Wechsler, D. (1991). Escala de Inteligência Weschsler para Crianças: WISC-III, Manual (3ª ed.). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Wolfe, M. B. W. (2005). Narrative and expository text: independent influences of semantic associations and text organization. Journal of Experimental Psychology: Learning, Memory, and Cognition, 31, 359-364. https://doi. org/10.1037/0278-7393.31.2.359

Yoshida, M. (2012). The interplay of processing task, text type and proficiency in L2 reading. Reading in a Foreign Language, 24, 1-29.

Yuill, N. & Oakhill, J. (1991). Children’s problems in text comprehension: An experimental investigation. Cambridge, England: Cambridge University Press.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1980-8623.2017.1.23417

e-ISSN: 1980-8623 | ISSN-L: 0103-5371


Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada.