Desenvolvimento e evidências de validade de uma escala de autoeficácia para situações de vitimização

Daniela Cristina Campos, Margareth Regina Gomes Veríssimo de Faria, Daniela Sacramento Zanini, Evandro Morais Peixoto

Resumo


Vitimização é a experiência de violência. Ela pode ocasionar sequelas físicas e psicológicas e aumentar a vulnerabilidade do indivíduo sofrer outras vitimizações. A autoeficácia é a crença que o indivíduo tem sobre sua capacidade de produzir os resultados desejados em determinada situação. O objetivo deste estudo foi elaborar e investigar as primeiras evidências de validade e precisão da Escala de Autoeficácia Relacionada à Experiências de Vitimização, em uma amostra de 210 estudantes universitários. A escala foi elaborada com 17 itens, retidos após análise de conteúdo. Análise Fatorial Exploratória e Análise Paralela indicaram a pertinência da solução unifatorial (15 itens), com boa precisão α = 0,88. Através do Modelos de Créditos Parciais descreveu-se os parâmetros dos itens e características dos participantes (dificuldade/theta, índices de ajustes infit/outfit), assim como a invariância dos parâmetros dos itens em função do sexo dos participantes, o que demonstrou adequação do instrumento para avaliação do construto em questão.


Palavras-chave


Autoeficácia; Vitimização; Escala; Percepção social; Teoria de resposta ao item.

Texto completo:

PDF

Referências


Aguerri, M. E., Galibert, M. S., Lozzia, G. S., Abal, F. J. P., & Attorresi, H. F. (2007). Medida del funcionamento diferencial del item en el marco de la teoria de respuesta al item. Interdisciplinaria, 24(1), 95-110.

Amantes, A. & Coelho, G. (2015). Modelos politômicos. In H. F. Golino, C. M. A., Gomes, A., Amantes, & G. Coelho (Eds.), Psicometria contemporânea: compreendendo os Modelos Rasch (pp. 155-183). São Paulo: Casa do Psicólogo

Ambiel, R. A. M. & Noronha, A. P. P. (2011). Construção dos itens da Escala de Autoeficácia para Escolha Profissional. Psico-USF, 16(1), 23-32. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-82712011000100004

Azevedo, L. R. (2013). Dialogues on the notion of victim and identity construction. Interface (Botucatu), 17(46), 515-522. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-32832013000300002

Bandura, A. (1997). Self-Efficacy: The exercise of control. New York: W. H. Freeman Company. Retirado de: http://www.des.emory.edu/mfp/effbook1.html.

Bandura, A. (1999). A social cognitive theory of personality. In L Pervin & O. John (Eds.), Handbook of personality (pp. 154-196). New York: Guilford Publications. Retirado de: http://des.emory.edu/mfp/Bandura1999HP.pdf.

Bandura, A. (2006). Guide for constructing self-efficacy scales. In F. Pajares & T. C. Urdan (Eds.), Self-efficacy beliefs of adolescentes (pp. 307-377). USA: Information Age Publishing. Retirado de: http://books.google.com.br/books.

Brasil. Ministério da Saúde – Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. (2009). Por uma cultura de paz, a promoção da saúde e prevenção da violência. 44 p. Série F. Comunicação e Educação em Saúde.

Buja, A. & Eyuboglu, N. (1992). Remarks on parallel analysis. Multivariate Behavioral Research, 27(4), 509-540. http://dx.doi.org/10.1207/s15327906mbr2704_2

Dahlberg, L. L. & Krug, E. G. (2007). Violência: um problema global de saúde pública. Ciência & Saúde Coletiva, 11, 1163-1178. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232006000500007

Finkelhor, D. (2007). Developmental victimology: the comprehensive study of childhood victimizations. In R. C. Davis, A. J. Luirigio & S. Herman (Eds.), Victims of crime (3rd ed., pp. 9-34). Thousand Oaks, CA: Sage Publications.

Finotelli Junior, I. & Capitão, C. G. (2011). Evidências de validade da versão brasileira da Escala de Autoeficácia Sexual – Função Erétil. Psico-USF, 1, 45-55. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-82712011000100006

Linacre J. M. (2015). A user`s guide to Winsteps Ministep: Rasch-model computer programs. Retirado de: http://www.

winsteps.com.

Lorenzo-Seva, U., & Ferrando, P. J. (2006). FACTOR: A computer program to fit the exploratory factor analysis model. Behavioral Research Methods, Instruments and Computers, 38(1), 88-91. http://dx.doi.org/10.3758/BF03192753

Lorenzo-Seva, U., Timmerman, M. E., & Kiers, H. A. L. (2011). The hull method for selecting the number of common factors. Multivariate Behavioral Research, 46, 340-364. http://dx.doi.org/10.1080/00273171.2011.564527

Mardia, K. V. (1970). Measures of multivariate skewnees and kurtosis with applications. Biometrika, 57(3), 519-530. http://dx.doi.org/10.1093/biomet/57.3.519

Martins, C. R. (2011). Abuso sexual e resiliência: Enfrentando as adversidades. Mal-estar e Subjetividade, 11(2), 727-750.

Mognon, J. F. & Santos, A. A. A. (2016). Escala de Autoeficácia para dirigir: Construção e avaliação preliminar das propriedades psicométricas. Estudos em Psicologia, 33(1), 127-136. http://dx.doi.org/10.1590/1982-027520160001000013

Oliveira, M. C., Silva, B. R., Garcia, R. G., Melo-Silva, L. L., & Teixeira, M. A. P. (2014). Escala de autoeficácia no aconselhamento de carreira: Adaptação e evidências de validade. Avaliação Psicológica, 13(3), 371-381.

Pajares, F. (2004). Overview of social cognitive theory and of self-efficacy. Retirado de: www.emory.edu/EDUCATION/mfp/eff.html.

Pajares, F. (2005). Current directions in self-efficacy research. Advances in motivation and achievement, 10, 1-49. Retirado de: http://des.emory.edu/mfp/effchapter.html.

Primi, R., Wechsler, S. M., Nakano, T., Oakland, T., & Guzzo, R. S. L. (2014). Using item response theory methods with the Brazilian temperament scale for students. Journal of Psychoeducational Assessment, 32, 651-662. http://dx.doi.org/10.1177/0734282914528613

Polidoro, S. & Casanova, D. C. G. (2015). Escala de autoeficácia acadêmica para o ensino médio: Busca de evidências psicométricas. Estudos Interdisciplinares em Psicologia, 6(1), 36-53.

Tabachnick, B. G. & Fidell, L. S. (2012). Using multivariate statistics (6ª ed.). Boston: Allyn and Bacon.

Timmerman, M. E. & Lorenzo-Seva, U. (2011). Dimensionality Assessment of Ordered Polytomous Items with Parallel Analysis. Psychological Methods, 16, 209-220. http://dx.doi.org/10.1037/a0023353

Waiselfisz, J. J. (2014). Mapa da violência 2014: Os jovens do Brasil (1ª ed.). Rio de Janeiro: FLACSO Brasil.

Williams, L. C. A., D’Affonseca, S. M., Correia, T. A., & Albuquerque, P. P. (2011). Efeitos a longo prazo da vitimização escolar. Gerais: Revista Interinstitucional de Psicologia, 4, 187-199.

Wright, B. D. & Masters, G. N. (1982). Rating scale analysis. Chicago: MESA.

Zanini, D. S., Verolla-Moura, A., & Queiroz, I. P. A. R. (2009). Apoio social: Aspectos da validade de constructo em estudantes universitários. Psicologia em Estudo, 14(1), 195-202. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-73722009000100023

Zimmerman, B. J. (2000). Self-efficacy: An essential motive to learn. Contempory Educational Psychology, 25, 82-89. http://dx.doi.org/10.1006/ceps.1999.1016




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1980-8623.2016.3.23098

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

e-ISSN: 1980-8623 | ISSN-L: 0103-5371


Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada.