Fatores associados ao bem-estar subjetivo de crianças e adolescentes em situação de rua

Rebeca Fernandes Ferreira Lima, Normanda Araujo de Morais

Resumo


Buscou-se caracterizar o bem-estar subjetivo de crianças e adolescentes em situação de rua de três capitais brasileiras: Fortaleza, Porto Alegre e Salvador, verificando os fatores a ele associados (idade, sexo, eventos estressores e rede de apoio). Participaram 111 jovens (M=14,18 anos; DP=2,4), sendo a maioria (n=90; 81,1%) meninos. Utilizou-se o Inventário de Eventos Estressores, Mapa dos Cinco Campos, Escala de Satisfação de Vida e Escalas de Afeto Positivo e Negativo. Os participantes avaliaram positivamente a satisfação de vida e relataram mais afetos positivos que negativos, embora tenham vivenciado eventos estressores. Satisfação de vida associou-se negativamente com idade e afetos negativos associaram-se positivamente ao impacto dos eventos estressores e negativamente ao fator de proximidade da rede de apoio. Discute-se que as adversidades não afetaram a expressão de afetos positivos e satisfação de vida, bem como a importância da rede de apoio para promoção de bem-estar.


Palavras-chave


Bem-estar subjetivo; Eventos estressores; Rede de apoio; Situação de rua.

Texto completo:

PDF

Referências


Abaid, W., Lieberknecht, J., Dell’aglio, D. D., & Koller, S. H. (2010). Preditores de sintomas depressivos em crianças e adolescentes institucionalizados. Universitas Psychologica, 9(1), 199-212. http://dx.doi.org/10.11144/237

Alves, P. B. (2011). O estudo sobre crianças em situação de rua na perspectiva da teoria dos sistemas ecológicos: contribuições teóricas e metodológicas. In S. H. Koller (Ed.). Ecologia do desenvolvimento humano: Pesquisa e intervenção no Brasil (pp. 125-145). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Brito, R. & Koller, S. H. (1999). Desenvolvimento humano e redes de apoio social e afetivo. In A. M. Carvalho (Ed.). O mundo social da criança: Natureza e cultura em ação (pp. 115-129). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Casas, F., Fernández-Artamendi, S., Montserrat, C., Bravo, A., Bertrán, I., & Dell Valle, J. F. (2013). El bienestar subjetivo en la adolescencia: Estudio comparativo de dos Comunidades Autónomas en Espa-a. Anales de Psicología, 29(1), 148-158. http://dx.doi.org/10.6018/analesps.29.1.145471

Cecconello, A. M. & Koller, S. H. (2003). Inserção ecológica na comunidade: Uma proposta metodológica para o estudo de famílias em situação de risco. Psicologia: Reflexão e Crítica, 16(3), 515-524. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-79722003000300010

Cervantes, S. C. & Sosa, J. J. (2015). Ni-as y adolescentes en riesgo de calle: Bienestar subjetivo y salud mental. Revista CES Psicología, 8(1), 120-133.

Dell’Aglio, D. D., & Siqueira, A. C. (2010). Preditores de satisfação de vida de jovens em situação de vulnerabilidade no sul do Brasil. Psicodebate, 10, 213-230.

Diener, E., Emmons, R. A., Larsen, R. J., & Griffin, S. (1985). The satisfaction with life scale. Journal of Personality Assessment, 49(1), 71-75. http://dx.doi.org/10.1207/s15327752jpa4901_13

Diener, E. (2012). New findings and future directions for subjective well being research. The American Psychologist, 67(8), 590-597. http://dx.doi.org/10.1037/a0029541

Dostalter, T. & Nelson, G. (2003). A process and outcome evaluation of a shelter for homeless young women. Canadian Journal of Community Mental Health, 22(1), 99-112. http://dx.doi.org/10.7870/cjcmh-2003-0007

Finkler, L. (2011). Avaliação de um projeto social para crianças e adolescentes em situação de rua e suas família [Tese de Doutorado não publicada], Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS.

Giacomoni, C. (2002). Bem-estar subjetivo infantil: conceito de felicidade e construção de instrumentos para avaliação [Tese de Doutorado não publicada], Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS.

Gontijoa, D. T. & Medeiros, M. (2009). Adolescência, gênero e processo de vulnerabilidade/desfiliação social: Compreendendo as relações de gênero para adolescentes em situação. Revista Baiana de Saúde Pública, 33(4), 605-617.

Hoppe, M. (1998). Redes de apoio social e afetivo de crianças em situação de risco [Dissertação de Mestrado não publicada], Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS.

Kristensen, C. H., Leon, J. S., D’Incao, D. B., & Dell’Aglio, D. D. (2004). Análise da frequência e do impacto de eventos estressores em uma amostra de adolescentes. Interação em Psicologia, 8(1), 45-55.

Koller, S. H. & Hutz, C. (1996). Meninos e meninas em situação de rua: Dinâmica, diversidade e definição. Coletâneas da ANPEPP, 1, 11-34.

Koller, S. H. & De Antoni, C. (2004). Violência familiar: Uma visão ecológica. In S. H. Koller (Ed.). Ecologia do desenvolvimento humano: Pesquisa e intervenção no Brasil (pp. 293-310). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Koller, S. H. (2011). Psicólogos de rua. In S. H. Koller (Ed.). Ecologia do desenvolvimento humano: Pesquisa e intervenção no Brasil (pp. 23-46). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Kulik, D. M., Gaetz, S., Crowe, C., & Ford-Jones, E. L. (2011). Homeless youth’s overwhelming health burden: A review of the literature. Pediatric Child Health, 16(6), e43-e47.

Lima, R. F. F., & Morais, N. A. (2016). Caracterização qualitativa do bem estar subjetivo de crianças e adolescentes em situação de rua. Temas em Psicologia, 24(1), 1-15. http://dx.doi.org/10.9788/TP2016.1-01

Masten, A. S. & Garmezy, N. (1985). Risk, vulnerability and protective factors in developmental psycho-pathology. In B. B. Lahey & A. E. Kazdin (Eds.). Advances in clinical child psychology (pp.1-52). New York: Plenum Press. http://dx.doi.org/10.1007/978-1-4613-9820-2_1

McAuley, C., McKeown, C., & Merriman, B. (2012). Spending time with family and friends: Children’s views on relationships and shared activities. Child Indicators Research, 5(3), 449-467. http://dx.doi.org/10.1007/s12187-012-9158-2

Morais, N. A., Koller, S. K, & Raffaelli, M. (2010). Eventos estressores e indicadores de ajustamento entre adolescentes em situação de vulnerabilidade social no Brasil. Universitas Psychologica, 9(3), 315-330. http://dx.doi.org/10.11144/474

Morais, N. A., Neiva-Silva, L., & Koller, S. H. (2010). Crianças e adolescentes em situação de rua: História, caracterização e modo de vida. In N. A. Morais, L. Neiva-Silva, & S. H. Koller (Eds.). Endereço desconhecido: Crianças e adolescentes em situação de rua (pp. 35-61). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Morais, N. A., Koller, S. H., & Raffaelli, M. (2012). Rede de apoio, eventos estressores e mau ajustamento na vida de crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade social. Universitas Psychologica, 11(3), 779-791. http://dx.doi.org/10.11144/779

Morais, N. A., Raffaelli, M., & Koller, S. H. (2012). Adolescentes em situação de vulnerabilidade social e o continuum risco-proteção. Avances em Psicologia Latinoamericana, 30(1), 122-140.

Paludo, S. (2008). Emoções morais e gratidão: Uma nova perspectiva sobre o desenvolvimento de jovens que vivem em situação de risco pessoal e social [Tese de Doutorado não publicada], Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS.

Penna, L. H., Carinhanha, J. I., & Rodrigues, R. F. (2010). Violência vivenciada pelas adolescentes em situação de rua na ótica dos profissionais cuidadores do abrigo. Revista Eletrônica de Enfermagem, 12(2), 301-307.

Polletto, M., Koller, S. H., & Dell’Aglio, D. D. (2009). Eventos estressores em crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade social de Porto Alegre. Ciência e Saúde Coletiva, 14(2), 455-466. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232009000200014

Poletto, M. (2011). Bem-estar subjetivo: um estudo longitudinal com crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade social [Tese de Doutorado não publicada], Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS.

Poletto, M. & Koller, S. H. (2011). Subjective well-being in socially vulnerable children and adolescents. Psicologia: Reflexão e Crítica, 24(3), 476-484. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-79722011000300008

Prati, L. E., Couto, M. C., Moura, A., Poletto, M., & Koller, S. H. (2008). Revisando a inserção ecológica: Uma proposta de sistematização. Psicologia: Reflexão e Crítica, 21(1), 160-169. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-79722008000100020

Raffaelli, M., Koller, S. H., & Morais, N. A. (2007). Assessing the development of Brazilian street youth. Vulnerable Children and Youth Studies, 2, 154-164. http://dx.doi.org/10.1080/17450120701403128

Raffaelli, M., Morais, N. A., & Koller, S. H. (2013). Children at risk: The case of Latin American street youth. In: A. Ben-Arieh, F. Casas, I. Frones, & J. E. Korbin (Eds.). Handbook of child well-being: Theories, methods and policies in global perspective (pp. 2653-2668). New York: Springer Dordrecht Heidelberg. http://dx.doi.org/10.1007/978-90-481-9063-8

Rees, G., Goswami, H., & Bradshaw, J. (2010). Developing an index of children’s subjective well-being. London: The Children’s Society.

Samuelsson, M., Thernlund, G., & Ringström, J. (1996). Using the five field map to describe the social network of children: A methodological study. International Journal of Behavioral Development, 19, 327-346. http://dx.doi.org/10.1080/016502596385811

Santana, J. P., Doninelli, T. M., & Koller, S. H. (2010). Trajetória de vinculação institucional de crianças e adolescentes em situação de rua. In A. Morais, L. Neiva-Silva, & S. H. Koller (Eds.). Endereço desconhecido: crianças e adolescentes em situação de rua (pp. 405 419). São Paulo, Casa do Psicólogo.

Sarriera, J. C., Saforcada, E., Tonon, G., La Vega, L. R., Mozobancyk, S., Bedin, L. M. (2012). Bienestar subjetivo de los adolescentes: Un estudio comparativo entre Argentina y Brasil. Psychosocial Intervention, 21(3), 273-280. http://dx.doi.org/10.5093/in2012a24

Schütz, F., Sarriera, J., Bedin, L. & Montserrat, C. (2015). Subjective well-being of children in residential care: Comparison between children in institutional care and children living with their families. Psicoperspectivas, 14(1), 19-30. http://dx.doi.org/10.5027/psicoperspectivas-vol14-issue1-fulltext-517

Segabinazi, J. D., Giacomoni, C. H., Dias, A. C., Teixeira, M. A., & Moraes, D. A. (2010). Desenvolvimento e validação preliminar de uma escala multidimensional de satisfação de vida para adolescentes. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 26(4), 653-659. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-37722010000400009

Silva, M. J. (2011). O bem-estar subjectivo de adolescentes institucionalizados [Tese de Doutorado não publicada], Universidade de Lisboa, Lisboa, Portugal.

Siqueira, A. C., Tubino, C. de L., Schwarz, C., & Dell’Aglio, D. D. (2009). Percepção das figuras parentais na rede de apoio de crianças e adolescentes institucionalizados. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 61(1), 176-190.

Siqueira, A. C., & Dell’Aglio, D. D. (2010). Crianças e adolescentes institucionalizados: Desempenho escolar, satisfação de vida e rede de apoio social. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 26(3), 407-415. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-37722010000300003

Sorber, R., Winston, S., Koech, J., Ayuku, D., Hu, L., Hogan, J., & Braitstein, P. (2014) Social and economic characteristics of street youth by gender and level of street involvement in Eldoret, Kenya. PLoS ONE, 9(5): e97587. http://dx.doi.org/10.1371/journal.pone.0097587

Zanon, C., Bastianello, M. R., Pacico, J. C., & Hutz, C. S. (2013). Desenvolvimento e validação de uma escala de afetos positivos e negativos. Psico-USF, 18(2), 193-201. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-82712013000200003




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1980-8623.2016.1.20011

e-ISSN: 1980-8623 | ISSN-L: 0103-5371


Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada.