Especificidades sobre processo de luto frente ao suicídio

Karina Okajima Fukumitsu, Maria Júlia Kovács

Resumo


O suicídio de um ente querido pode desencadear nas pessoas diversas reações. No presente artigo apresentam-se as especificidades para diferenciar o processo de luto após o suicídio dos demais lutos, causados por outros tipos de morte. O artigo tem o objetivo de refletir sobre o processo de luto pelo suicídio por meio da compreensão do luto de nove filhos de pessoas que consumaram o suicídio. Foram extraídas 14 unidades de significados a partir do método fenomenológico e compreendidas pela perspectiva da abordagem da Gestalt-terapia. Os depoimentos dos colaboradores, apontam que, ao enfrentar a morte, o filho pode experienciar o sofrimento com sentimentos de culpa, raiva, sensações de desamparo, abandono, rejeição, solidão, além da fragmentação de tudo o que era conhecido.


Palavras-chave


Suicídio; Prevenção do suicídio; Luto (estado emocional).

Texto completo:

PDF

Referências


Alvarez, A. (1999). O Deus Selvagem: um estudo do suicídio. São Paulo: Companhia das Letras.

Andriessen, K., e Krysinska, K. (2012). Essential questions on suicide bereavement and postvention. In Int J Environ Res Public Health, 9(1), 24-32. http://dx.doi.org/10.3390/ijerph9010024

Bertolote, J. M. (2012). Suicídio e sua prevenção. São Paulo: Unesp.

Botega, N. J., Werlang, B. S. G., Cais, C. F. da S. e Macedo, M. M. K. (2006, setembro/dezembro). Prevenção do comportamento suicida. Psico, 37(3), 213-220.

Cândido, A. M. (2011). O enlutamento por suicídio: elementos de compreensão na clínica da perda. Dissertação de Mestrado, Universidade de Brasília, Brasília.

Cassorla, R. M. S. (1991). Do suicídio: estudos brasileiros. Campinas: Papirus.

Clark, S. (2001). Bereavement after suicide: How far have we come and where do we go from here? Hogrefe e Huber Publishers — crisis, Austrália, 22(3), 102-108.

Clark, S. (2007). Depois do suicídio: apoio às pessoas em luto. Tradução Marcello Borges. São Paulo: Gaia.

Flexhaug, M. e Yazganoglu, E. (2008). Alberta Takes Action on Suicide: Best and Promising Practices in Suicide Bereavement Support Services: A Review of the Literature. In: PREVENTION, Alberta Health Services-Alberta Mental Health Board Suicide. Canadá: Alberta Health Services.

Franco, M. H. P. (2002). Estudos avançados sobre o luto. Campinas, Livro Pleno.

Franco, M. H. P. (2010). Formação e rompimento de vínculos: O dilema das perdas na atualidade. São Paulo: Summus Editorial.

Franco, M. H. P. e Polido, K. K. (2014). Atendimento psicoterapêutico no luto. São Paulo: Zagodoni.

Fox, J. Z.; Roldan, M. (2009). Voices of strength: sons and daughters of suicide speak out. Far Hills, NJ: New Horizon.

Fukumitsu, K. O. (2012). Suicídio e Gestalt-terapia. São Paulo: Digital Publish e Print.

Fukumitsu, K.O. O processo de luto do filho da pessoa que cometeu suicídio. 2013. 237 f. Tese (Doutorado) - Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2013.

Fukumitsu, K. O. (2013). Suicídio e luto: histórias de filhos sobreviventes. São Paulo: Digital Publish e Print.

Jamison, K. R. (2010). Quando a noite cai: entendendo a depressão e o suicídio. (2a ed.). Rio de Janeiro: Gryphus.

Kovács, M. J. (1992) (Ed.), Morte e desenvolvimento humano. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Kovács, M. J. (2003). Educação para a morte: temas e reflexões. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Kovács, M. J. (2007). Perdas e o processo de luto. In D. Incontri e F. S. Santos (Eds.). A arte de morrer. Visões plurais. (pp. 217-238.). São Paulo: Comenius.

Krüger, L. L., e Werlang, B. S. G. (2010). A dinâmica familiar no contexto da crise suicida. Psico-USF, 15(1), 59-70.

http://dx.doi.org/10.1590/S1413-82712010000100007

Mazorra, L. (2009). A construção de significado atribuído à morte de um ente querido e o processo de luto. Tese de Doutorado, Instituto de Psicologia, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo.

Mazorra, L., Franco, M. H. P., e Tinoco, V. (2002). Fatores de Risco para luto complicado numa população brasileira. In M. H. O. Franco (Ed.), Estudos avançados sobre o luto. Campinas: Livro Pleno.

Moustakas, C. (1994). Phenomenological research methods. Thousand Oaks: Sage Publications.

Parkes, C. M. (1998). Luto. São Paulo: Summus.

Rappaport, N. (2009). In her Wake: A child psychiatrist explores the mystery of her mother’s suicide. New York: Basic Books.

Shneidman, E. (1973). Deaths of man. New York: Quadrangle.

Shneidman, E. (1985). Definition of suicide. Michigan: Wiley.

Shneidman, E. (1993). Suicide as Psychache: A clinical approach to self-destructive behavior. London: Jason Aronson.

Shneidman, E. (1996). The suicidal mind. Oxford: Oxford University Press.

Shneidman, E. (2001). Compreending suicide: Landmarks in 20th-Century Suicidology. Washington: American Psychological Association.

http://dx.doi.org/10.1037/10406-000

Smith, T. (2013). The unique grief of suicide: questions e hope. Bloomington: iUniverse.

Stroebe, M. S., e Schut, H. (1999). The dual process model of coping with bereavement: Rationale and description. Death Studies, 23,197-224. http://dx.doi.org/10.1080/074811899201046

Waiselfisz, J. J. (2014). Prévia do mapa da violência 2014. Os jovens do Brasil, São Paulo: Ministério da Justiça. Recuperado em 30 de setembro, 2014, de: http://www.mapadaviolencia.org.br/pdf2014/Previa_mapaviolencia2014.pdf




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1980-8623.2016.1.19651

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

e-ISSN: 1980-8623 | ISSN-L: 0103-5371


Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada.