O Familiar cuidador do paciente terminal: o processo de despedida no contexto hospitalar

Lílian Lopes Pereira, Ana Cristina Garcia Dias

Resumo



Este estudo busca compreender como o familiar cuidador vivencia o processo de adoecimento e perda de um ente querido enfermo hospitalizado, a partir do relato de cinco familiares adultos que acompanhavam pacientes terminais em um hospital geral de Santa Maria/RS. Foram realizadas entrevistas individuais, que depois de transcritas foram submetidas à análise fenomenológica. O processo de despedida é sentido pelo familiar cuidador como gerador de sofrimento e angústia intensos, lhes provocando sentimentos ambivalentes. Alternam-se momentos de culpa (devido ao desejo de morte do paciente, que trará fim ao sofrimento) e de fé e esperança (com a expectativa de uma melhora do mesmo). Ao sentir-se apoiado, o familiar adquire forças para continuar ao lado do enfermo, mesmo nos piores momentos. A honestidade da equipe se saúde é fundamental para estabelecer a boa relação entre ela e o familiar, o que facilita os cuidados do paciente. Observa-se uma necessidade real de escuta especializada destes familiares para que os mesmos consigam enfrentar esse processo de maneira menos sofrida.

Palavras-chave: Familiar cuidador; paciente terminal; adoecer; morte, treminalidade.

Texto completo:

PDF


e-ISSN: 1980-8623 | ISSN-L: 0103-5371


Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada.