Entrevista Inicial como Suporte para Intervenções em Grupos de Orientação a Pais

Maria Benedita Lima Pardo, Margarida Maria Silveira Britto de Carvalho, Ariane de Brito Santos, Luciana Priscila Lima da Silva

Resumo


O uso de instrumentos de coleta de dados previamente ao planejamento de intervenções tem se revelado de fundamental importância nos trabalhos em Psicologia. A literatura destaca a inter-relação entre as fases de diagnóstico e intervenção, considerando que a avaliação deve ser feita antes, durante e mesmo após o término da intervenção. Este artigo apresenta os resultados obtidos em entrevistas iniciais com mães participantes de grupos de orientação realizados em uma clínica-escola. As questões colocadas nas entrevistas possibilitaram-lhes ampliar o relato de suas queixas, direcionando-as para aspectos referentes aos ambientes que a criança frequentava, para outros comportamentos e características dos filhos e para seu próprio comportamento enquanto educadora. Os resultados indicaram a necessidade de trabalhar a percepção da influência recíproca entre os comportamentos da mãe e da criança e refletir sobre a melhor forma de ajustá-los com o intuito de potencializar o desenvolvimento infantil.

Palavras-chave


Treinamento de pais; Entrevista; Ambientes sociais.

Texto completo:

PDF

Referências


Achenbach, T. M. & Rescorla, L. A. (2001). Manual for the ASEBA School – Age Forms & Profiles. Burlington, VT: University of Vermont, Research Center for Children, Youth & Families.

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Böing, E., Crepaldi, M. A. & More, C. L. O. O. (2008). Pesquisa com famílias: Aspectos teórico-metodológicos. Paidéia, 18 (40), 251-266. doi: 10.1590/S0103-863X2008000200004

Bolsoni-Silva, A. T. & Loureiro, S. R. (2011). Práticas educativas parentais e repertório comportamental infantil: comparando crianças diferenciadas pelo comportamento. Paidéia (Ribeirão Preto), 21, 61-71. doi: 10.1590/S0103-863X2011000100008

Bronfenbrenner, U. (1996). A ecologia do desenvolvimento humano: experimentos naturais e planejados. Porto Alegre: Artes Médicas.

Caminha, M. G. & Pelisoli, C. (2007) Treinamento de pais: aspectos teóricos e clínicos. In: Caminha, R. M.; Caminha, M. G. A prática cognitiva na infância (pp.274-289). São Paulo: Roca.

Campbell, D. & Palm, G. F. (2004). Group parent education: promoting parent learning and support. California: Sage Publications.

Colnago, N. A. S. (2000). Orientação para pais de crianças com síndrome de down: Elaborando e testando um programa de intervenção. (Tese de Doutorado) Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto.

Colnago, N. A. S. (2014). Programa de orientação para pais de crianças com síndrome de down: Modelos de práticas de educação e de desenvolvimento. In V. L. Israel & M. B. L. Pardo (Orgs).

Desenvolvimento Infantil: Orientação a Pais e Professores (p.41-58). Porto Alegre: Redes Editora.

D`Abreu, L. C. F. & Marturano, E. M. (2010). Associação entre comportamentos externalizantes e baixo rendimento escolar: Uma revisão de estudos prospectivos e longitudinais. Estudos de Psicologia, 15, 43-51.

Dessen, M. A. (2010). Estudando a família em desenvolvimento: desafios conceituais e teóricos. Psicologia: ciência e profissão, 30, 202-219. doi: 10.1590/S1414-98932010000500010.

Dessen, M. A. & Lewis, C. (1998) Como estudar a "família" e o "pai"?. Paidéia 8, 105-121.

Friedberg, R. D. & McClure, J. M. A. (2004). Prática clínica de terapia cognitiva com crianças e adolescentes. Trad. Cristina Monteiro. Porto Alegre: Artmed.

Mcmahon, R. J. (1999). Treinamento de pais. In V.E.Caballo (Org.) Manual de Técnicas de Terapia Comportamental e Modificação do Comportamento (pp.399-422). São Paulo: Santos Livraria Editora.

Pardo, M. B. L. & Carvalho, M. M. S. B. (2011). Grupo de orientação de mães no contexto de uma clínica-escola. Paidéia, 21, 93-100. doi: 10.1590/S0103-863X2011000100011.

Pardo, M. B. L. & Carvalho, M. M. S. B. (2012). Grupos de orientação de pais: estratégias para intervenção. Contextos Clínicos, 5, 80-87. doi: 10.4013/ctc.2012.52.02.

Pardo, M. B. L., Carvalho, M. M. B. S. & Santos, A. B. (2014). Grupo de orientação a pais: otimizando a interação pais-filhos. In V. L. Israel & M. B. L. Pardo (Orgs). Desenvolvimento infantil: Orientação a pais e professores (pp.41-58). Porto Alegre: Redes Editora.

Patias, N. D., Siqueira, A. C. & Dias, A. C. G. (2013). Práticas educativas e intervenção com pais: A educação como proteção ao desenvolvimento dos filhos. Mudanças – Psicologia da Saúde, 21, 29-40. doi: 10.15603/2176-1019/mud.v21n1p29-40.

Salvo, C. G., Silvares, E. F. M., & Toni, P. M. (2005). Práticas educativas como forma de predição de problemas de comportamento e competência social. Estudos de Psicologia (Campinas), 22, 187-195. doi: 10.1590/S0103-166X2005000200008.

Silvares, E. F. M (2000). Avaliação e intervenção clínica comportamental infantil. In Silvares. E.F.M. (Org.) Estudos de caso em psicologia clínica comportamental infantil. (Vol.1) Campinas, SP: Papirus, p. 13-29.

Valentini, F. & Alchieri, J. C. (2009). Modelo clínico de estilos parentais de Jeffrey Young: Revisão da literatura. Contextos Clínicos, 2, 113-123. doi: 10.4013/ctc.2009.22.06.

Weber, L. N. D., Brandenburg, O. J. & Salvador, A. P. V. (2006). Programa de qualidade na interação familiar (PQIF): Orientação e treinamento para pais. Psico, 37, 139-149.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1980-8623.2015.4.18538

e-ISSN: 1980-8623 | ISSN-L: 0103-5371


Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada.