Paternidade Adolescente e os Cuidados ao Bebê com até Um Ano de Idade

Danielle da Costa Souto, Tatiane Cappelari Silveira, Meiridiane Domingues de Deus, Márcia Elisa Jager, Ana Cristina Garcia Dias

Resumo


Este estudo busca conhecer o engajamento do pai adolescente em práticas de cuidados com a criança. Participaram da pesquisa três adolescentes com até 20 anos. Os instrumentos foram duas entrevistas semiestruturadas sobre:
(1) expectativas de cuidados ao bebê e (2) envolvimento paterno. Estas foram aplicadas em dois momentos: aos 40 dias do bebê e no primeiro ano. Utilizou-se delineamento de estudo de caso coletivo, de caráter longitudinal. Os resultados foram discutidos com estudos atuais. Ressalta-se que as práticas de cuidados foram influenciadas por fatores externos, como a necessidade de trabalhar ou estudar das companheiras, a separação conjugal e a oferta de apoio familiar. Ainda, destaca-se a influência de características pessoais do pai e do bebê no engajamento paterno em tais práticas. Concluiu-se que os adolescentes conseguiram se engajar satisfatoriamente com os filhos ao longo do primeiro ano de vida. Entretanto, como limitação do estudo aponta-se o número reduzido de participantes.


Palavras-chave


Envolvimento; Pais adolescentes; Relações pai-criança.

Texto completo:

PDF

Referências


Anstey, K. J., & Hofer, S. M. (2004). Longitudinal designs, methods and analysis in psychiatric research. Australian in New Zealand Journal of Psychiatry, 38(3), 93-104. Recuperado de http://anp.sagepub.com/content/38/3/93. doi: 10.1080/j.1440-1614.2004.01343.x

Bardin, L. (2006). Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Bronfenbrenner, U. (2011). Bioecologia do desenvolvimento humano: tornando os seres humanos mais humanos. Tradução André de Carvalho-Barreto. Porto Alegre: Artmed.

Carvalho, G. M., Merighi, M. A. B., & Jesus, M. C. P. (2009). Recorrência da parentalidade na adolescência na perspectiva dos sujeitos envolvidos.

Texto & Contexto-Enfermagem, Florianópolis, 18(1), 17-24. Recuperado de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-07072009000100002&lng=en&tlng=pt. doi: 10.1590/S0104-07072009000100002.

Cruz, M. F. P. (2011). Envolvimento do pai no desenvolvimento da criança em idade escolar em casais divorciados/separados. Dissertação de Mestrado, Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade do Porto, Portugal.

Deus, M. D., Jager, M. E., Souto, D. C., & Dias, A. C. G. (2013, outubro). Modelos de paternidade disponíveis para pais adolescentes. Anais 28ª Jornada Acadêmica Integrada. Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS, Brasil.

Goetz, E. R., & Vieira, M. L. (2011). Pai real, pai ideal: o papel paterno no desenvolvimento infantil. Curitiba: Juruá.

Fagan, J., Palkovitz, R., Roy, K., & Farrie, D. (2009). Pathways to paternal engagement: longitudinal effects of risk and resilience on nonresident fathers. Developmental Psychology, 45(5), 1389-1405. doi: 10.1037/a0015210

Farias, G. C. (2008). O que os bebês sabem? Um modo diferenciado de pensá-los. Pensar a prática, 11(2), 115-124. doi: 10.5216/rpp.v11i2.2396

Gabriel, M. R., & Dias, A. C. G. (2011). Percepções sobre a paternidade: descrevendo a si mesmo e o próprio pai como pai. Estudos de Psicologia, 16(3), 253-261. Recuperado de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-294X2011000300007&lng=pt&tlng=pt. doi: 10.1590/S1413-294X2011000300007.

Gordon, D. M., Watkins, N. D., Walling, S. M., Wilhelm, S., & Rayford, B. S. (2011). Adolescent fathers involved with child protection: social workers speak. Child Welfare, 90(5), 95-114.

Herzog, M. J., Umanã-Taylor, A., Madden-Derdich, D. A., & Leonard, S. A. (2007). Adolescent mothers’ perceptions of fathers’ parental involvement: satisfaction and desire for involvement. Family Relations, 56, 244–257. Recuperado de

http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/j.1741-3729.2007.00456.x/pdf.

Jager, M. E. (2014). O envolvimento paterno de adolescentes com o bebê. Dissertação de mestrado, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS, Brasil.

Jager, M. E., & Bottoli, C. (2011). Paternidade: vivência do primeiro filho e mudanças familiares. Psicologia: Teoria e Prática, São Paulo, 13(1), 141-153. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-36872011000100011&lng=pt&tlng=pt.

Jager, M. E., & Dias, A. C. G. (2012, junho). A relação pai-filho: uma revisão sistemática da literatura nacional. Anais do II Congresso Brasileiro de Psicologia da Saúde. Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS, Brasil.

Jager, M. E., & Dias, A. C. G. (2012). Paternidade adolescente e a relação pai-bebê no primeiro ano de vida da criança. Projeto de Pesquisa. Programa de Pós-Graduação em Psicologia. Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS, Brasil.

Lamb, M. E., Pleck, J. H., Charnov, E. L., & Levine, J. A. (1987). A biosocial perspective on paternal behavior and involvement. In J. B.

Lancaster, J. Altaman, A. Rossi, & R. L. Sherrod (Eds.). Parenting across the lifespan: Biosocial perspectives (pp. 11-42). New York: Academic.

Lamy, Z. C. (2012). Reflexões sobre o apoio paterno: profissionais e serviços de saúde contribuem para seu desenvolvimento? Revista Paulista de Pediatria, 30(3), 304-305. Recuperado de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-05822012000300001&lng=en&tlng=pt. doi: 10.1590/S0103-05822012000300001.

Levandowski, D. C., & Piccinini, C. A. (2002). A interação pai-bebê entre pais adolescentes e adultos. Psicologia Reflexão e Crítica, 15(2), 413-424. Recuperado de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-79722002000200018&lng=en&tlng=pt. doi: 10.1590/S0102-79722002000200018.

Levandowski, D. C., & Piccinini, C. A. (2006). Expectativas e sentimentos em relação à paternidade entre adolescentes e adultos. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 22(1), 17-28. Recuperado de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-37722006000100003&lng=en&tlng=pt. doi: 10.1590/S0102-37722006000100003.

Levandowski, D. C., Piccinini, C. A., & Lopes, R. C. S. (2009). O processo de separação-individuação em adolescentes do sexo masculino na transição para a paternidade. Psicologia: Reflexão e Crítica, 22(3), 353-361. Recuperado de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-79722009000300005&lng=en&tlng=pt. doi: 10.1590/S0102-79722009000300005.

Manfroi, E. C., Macarini, S. M., & Vieira, M. L. (2011). Comportamento parental e o papel do pai no desenvolvimento infantil. Revista Brasileira de Crescimento e Desenvolvimento Humano, 21(1), 59-69. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-12822011000100007&lng=pt&tlng=pt.

Meincke, S. M. K., & Carraro T. E. (2009). Vivência da paternidade na adolescência: sentimentos expressos pela família do pai adolescente. Texto Contexto Enfermagem, 18(1), 83-91. doi: 10.1590/S0104-07072009000100010.

Monteiro, L., Verissimo, M., Santos, A. J., & Vaughn, B. E. (2008). Envolvimento paterno e organização dos comportamentos de base segura das crianças em famílias portuguesas. Análise Psicológica, 26(3), 395-409. Recuperado em http://www.scielo.gpeari.mctes.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0870-82312008000300003&lng=pt&nrm=iso

Neri, A. L. (2001). Paradigmas contemporâneos sobre o desenvolvimento humano em psicologia e em sociologia. In A. L. Neri (Ed). Desenvolvimento e envelhecimento: perspectivas biológicas, psicológicas e sociológicas. (pp. 11-37). Editora Papirus.

Neri, M. C. (Coord). (2010). A nova classe média, o lado brilhante dos pobres. Rio de Janeiro. FVG, CPS.

Paquette, D. (2004). Theorizing the father-child relationship: mechanisms and developmental outcomes. Human Development, 47(4), 193-219. doi: 10.1159/000078723.

Piccinini, C. A., Silva, M. R., Gonçalves, T. R., Lopes, R. C. S., & Tugde, J. (2012). Envolvimento paterno aos três meses de vida do bebê.

Psicologia: Teoria e Pesquisa, 28(3), 303-314. doi: 10.1590/S0102-37722012000300006.

Pimenta, M., Veríssimo, M., Monteiro, L., & Costa, I. P. (2010). O envolvimento paterno de crianças a frequentar o jardim-de-infância. Análise Psicológica, Lisboa, Portugal, 28(4), 565-580. Recuperado de http://www.scielo.gpeari.mctes.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0870-82312010000400002&lng=pt&nrm=iso.

Scholl, M. F. (2012). What about the dads: a case study of young fathers of babies born to adolescent mothers. Tese of Philosophy Education. George Mason University, Fairfax, VA.

Souto, D. C., Jager, M. E., & Dias, A. C. G. (2013, outubro). A construção histórica da paternidade. Anais 28ª Jornada Acadêmica Integrada. Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS, Brasil.

Silveira, T. C., Jager, M. E., Souto, D. C., Costa, E. F. L., Coradini, F. R., & Dias, A. C. G. (2013, outubro). Diferenças nas responsabilidades assumidas pelos pais na medida em que o bebê se desenvolve. Anais 28ª Jornada Acadêmica Integrada. Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS, Brasil.

Stake, R. E. (1994). Case Studies. In: Denzin, N.; Lincoln, Y. (coord.). Handbook of Qualitative Research. London: Sage, 236-247.

Staudt, A. C. P., & Wagner, A. (2009). Paternidade em tempos de mudança. Psicologia: Teoria e Prática, 10(1), 174-185. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-36872008000100013&lng=pt&tlng=pt.

Strauss, A., & Corbin, J. (2008). Pesquisa qualitativa: técnicas e procedimentos para o desenvolvimento da teoria fundamentada. (Trad. Rocha, L.O., e 2a Ed.). Porto Alegre: Artes Médicas.

Sutter, C., & Bucher-Maluschke, J. S. N. F. (2008). Pais que cuidam dos

filhos: a vivência masculina na paternidade participativa. Psico, 39(1), 74-82. Recuperado de http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/revistapsico/article/viewFile/1488/2799.

Vieira, G. T., & Nascimento, A. R. A. (2014). Aspectos psicossociais da construção da identidade paterna. Psicologia: Teoria e Prática, 16(1), 57-68. Recuperado de http://dx.doi.org/10.15348/1980-6906/psicologia.v16n1p57-68.

World Health Organization. Adolescent health & development. Recuperado em 22 de dezembro, 2013 de .




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1980-8623.2015.2.18104

e-ISSN: 1980-8623 | ISSN-L: 0103-5371


Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada.