Estudo Comparativo entre Contextos de Brincadeiras em Instituição de Acolhimento Infantil

Luísa Sousa Monteiro Oliveira, Daniela Castro dos Reis, Celina Maria Colino Magalhães, Janari da Silva Pedroso

Resumo


O objetivo deste trabalho foi descrever e comparar as brincadeiras ocorridas em contextos: estruturado (CE) e semiestruturado (CSE) em uma instituição de acolhimento infantil. Participaram 10 crianças de cinco a seis anos, com tempo de acolhimento que variou de um a 12 meses. As sessões observacionais foram realizadas no CE (brinquedoteca) e no CSE (barracão, playground e piscina). Realizaram-se 117 registros de cinco minutos, totalizando 585 minutos de observação. Os resultados mostraram que a categoria brincadeira simbólica foi a mais frequente (43,25%), seguida da contingência física (35,04%) e da brincadeira exploratória (8,38%). A escolha da brincadeira variou em função do contexto. A estereotipia de gênero foi observada na escolha dos temas das brincadeiras. O estudo elucida para a oferta de contextos de brincadeira diferenciados, disponibilidade de recursos lúdicos e humanos sensíveis às inúmeras demandas das crianças, de modo que as instituições de acolhimento infantil configurem-se como contextos abrangentes de desenvolvimento.


Palavras-chave


Brincadeiras; institucionalização; desenvolvimento infantil

Texto completo:

PDF

Referências


Altmann, J. (1974). Observational study of behavior sampling methods. Behavior, 49, 227-267. http://dx.doi.org/10.1163/156853974X00534

Bjorklund, D. F. & Pellegrini, A. D. (2000). Child Development and Evolutionary Psychology. Child Development, 71(6), 1687-1708. http://dx.doi.org/10.1111/1467-8624.00258

Bjorklund, D. F. & Pellegrini, A. D. (2002). The origins of human nature: Evolutionary developmental psychology. Washington, D.C.: American Psychological Association. http://dx.doi.org/10.1037/10425-000

Brasil (1990). Estatuto da criança e do adolescente. Diário Oficial da União. Lei nº 8069, de 13 de julho de 1990. Brasília, DF.

Bronfenbrenner, U. (1996). A ecologia do desenvolvimento humano: Experiências naturais e planejadas. Tradução de M. A. Verosese. Porto Alegre. Artes Médicas. (Trabalho original publicado em 1979).

Bronfenbrenner, U. (2011). Biologia do desenvolvimento humano: tornando os seres humanos mais humanos. Porto Alegre: Artes Médicas.

Cotrim, G. S. & Bichara, I. D. (2013). O brincar no ambiente urbano: limites e possibilidades em ruas e parquinhos de uma metrópole. Psicologia: Reflexão e Crítica, 26(2), 388-395. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-79722013000200019

Cordazzo, S. T. D. & Vieira, M. L. (2008). Caracterização de brincadeiras de crianças em idade escolar. Psicologia: Reflexão e Crítica, 21(3), 365- 373. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-79722008000300004

Cavalcante, L. I. C., Silva, S. S. C. da, & Magalhães, C. M. C. (2010). Institucionalização e reinserção familiar de crianças e adolescentes. Revista Mal Estar e Subjetividade, 10(4), 1147-1172.

Daunhauer, L. A., Coster, W. J., Tickle-Degnen, L., & Cermak, S. A. (2010). Play and Cognition Among Young Children Reared in an Institution. Physical and Occupational Therapy in Pediatrics, 30(2), 83-97. http://dx.doi.org/10.3109/01942630903543682

Geary, D. C. & Bjorklund, D. F. (2000). Evolutionary developmental psychology. Child Development, 71, 57-65. http://dx.doi.org/10.1111/1467-8624.00118

Giacomello, K. J. & Melo, L. de L. (2011). Do faz de conta à realidade: compreendendo o brincar de crianças institucionalizadas vítimas de violência por meio do brinquedo terapêutico. Ciência & Saúde Coletiva, 16 (Suppl. 1), 1571-1580. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232011000700093

Legendre, A. & Fontaine, A. M. (1991). The effects of visual boundaries in two-year-olds’ playrooms. Children’s Environments Quarterly, 8, 2-16.

Luz, G. M. da & Kuhnen, A. (2013). O uso dos espaços urbanos pelas crianças: explorando o comportamento do brincar em praças públicas. Psicologia: Reflexão e Crítica, 26(3), 552-560. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-79722013000300015

Marques, R. L. & Bichara, I. D. (2011). Em cada lugar um brincar: reflexão evolucionista sobre universalidade e diversidade. Estudos de Psicologia, 28(3), 381-388. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-166X2011000300010

Matsukura, T. S., Fernandes, A. D. S. A., & Cid, M. F. B. (2012). Fatores de risco e proteção à saúde mental infantil: o contexto familiar. Revista Terapia Ocupacional Universidade de São Paulo, 23(2), 122-129. http://dx.doi.org/10.11606/issn.2238-6149.v23i2p122-129

Meneghini, R. & Campos-de-Carvalho, M. (2003). Arranjo espacial na creche: espaços para interagir, brincar isoladamente, dirigir-se socialmente e observar o outro. Psicologia: Reflexão e Crítica, 16(2), 367-378. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-79722003000200017

Moraes, M. S. & Otta, E. (2003). Entre a serra e o mar. In A. M. A. Carvalho, C. M. C. Magalhães, F. A. R. Pontes & I. D. Bichara (Eds.). Brincadeira e cultura: viajando pelo Brasil que brinca (pp. 127-156). São Paulo, SP: Casa do Psicólogo.

Parker, S. T. (1984). Playing for keeps: An evolutionary perspective on human games. In P. K. Smith (Ed.). Play in animals and humans (pp. 271-293). Oxford, UK: Basil Blackwell.

Smith, P. K. & Pellegrini, A. (2008). Learning through play. In R. E. Tremblay, M. Boivin & R. D. E. V. Peters (Eds.). Encyclopedia on Early Childhood Development [online]. Montreal, Quebec: Centre of Excellence for Early Childhood Development and Strategic Knowledge Cluster on Early Child Development.

Pellegrini, A. D. & Smith, P. K. (1998). Physical activity play: The nature and function of a neglected aspect of play. Child Development, 69, 577 598. http://dx.doi.org/10.2307/1132187

Piaget, J. (1971). Seis estudos de Psicologia. Rio de Janeiro: Forense.

Queiroz, N. L. N., Maciel, D. A., & Branco, A. U. (2006). Brincadeira e desenvolvimento infantil: um olhar sociocultural construtivista. Paidéia, 16(34), 169-179. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-863X2006000200005

Rosa, F. V., Kravchychyn, H., & Vieira, M. L. (2010). Brinquedoteca: a Valorização do Lúdico no Cotidiano Infantil da Pré-Escola. Barbarói, 33(2), 08-27.

Santos, A. K. & Dias, A. M. (2010). Comportamentos lúdicos entre crianças do nordeste do Brasil: categorização de brincadeiras. Psicologia Teoria e Pesquisa, 26(4), 585-594. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-37722010000400002

Seixas, A. A. C., Becker, B., & Bichara, I. D. (2012). Reprodução interpretativa e cultura de pares nos grupos de brincadeira da Ilha dos Frades/BA. Psico [online], PUCRS, 43(4), 541-551.

Siqueira, A. C. & Dell’Aglio, D. D. (2010). Crianças e adolescentes institucionalizados: desempenho escolar, satisfação de vida e rede de apoio social. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 26(3), 407-415. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-37722010000300003

Teixeira, S. R. S. & Alves, J. M. (2008). O contexto das brincadeiras das crianças ribeirinhas da Ilha do Combu. Psicologia: Reflexão e Crítica, 21(3), 374-382. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-79722008000300005

Vianna, C. & Finco, D. (2009). Meninas e meninos na Educação Infantil: uma questão de gênero e poder. Cadernos Pagu, (33), 265-283. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-83332009000200010

Vygotsky, L. S. (1998). A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes.

Wanderlind, F., Martins, G. Dal. F., Hansen, J., Macarini, S. M., & Vieira, M. L. (2006). Diferenças de gênero no brincar de crianças pré-escolares e escolares na brinquedoteca. Paidéia (Ribeirão Preto), 16(34), 263-273. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-863X2006000200014




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1980-8623.2015.3.17978

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

e-ISSN: 1980-8623 | ISSN-L: 0103-5371


Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada.