Representações Sociais da Beleza Física para Modelos Fotográficos e Não Modelos

Adriano Schlösser, Brigido Vizeu Camargo

Resumo


O objetivo deste estudo foi identificar as representações sociais da beleza física, para modelos fotográficos e não modelos. Trata-se de um estudo descritivo e comparativo, de corte transversal e de amostragem intencional. Participaram 120 indivíduos, 60 do sexo masculino e 60 do sexo feminino, sendo metade do grupo de modelos fotográficos e metade do grupo de não modelos, que cursam o ensino superior na área de Ciências Exatas ou Tecnológicas. Foi utilizado um instrumento online autoaplicável, com respostas abertas e fechadas, visando identificar os principais atributos relacionados à beleza física. Realizou-se análise estatística descritiva e relacional. Os resultados indicaram que as representações sociais vinculadas à beleza física voltam-se principalmente para o aspecto da atração interpessoal, trazendo elementos como “atração”, “sedução”, “influência”, “modificação corporal”, “qualidade de vida” e “popularidade”. Para ambos os sexos e grupos, a beleza física transpõe a saúde, enfocando diretamente as possibilidades de atratividade.


Palavras-chave


Representação social; Atração interpessoal; Psicologia social.

Texto completo:

PDF

Referências


Alma, J. M. & Costa, M. L. R. B. da. (2011). O mundo midiático no mundo da beleza: com as esteticistas adquirem os seus produtos cosméticos. Rumores, 10(5), 166-187.

Andrieu, B. (2006). Le dictionnaire du corps em sciences humaines e sociales. Paris: CNRS Editions.

Araújo, D. C. de & Kuhn Jr., N. (2012). 100% de beleza feminina? A verdade para a Natura. Revista Fronteiras – estudos midiáticos, 14(1), 52-62.

Batista, N. B. (2008). Rugas e pneuzinhos, que mal tem? O discurso da beleza fora dos padrões da publicidade. Revista Ciberlegenda, 20, 1-13.

Batten, M. (1995). Estratégias sexuais: como as fêmeas escolhem seus parceiros. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos.

Barbetta, P. A. (2012). Estatística aplicada às ciências sociais (8ª ed.) Florianópolis: Ed. UFSC.

Bertolin, M. N. T., Conti, M. A., & Peres, S. V. (2010). A mídia e o corpo: o que o jovem tem a dizer? Ciência e Saúde Coletiva, 15(4), 2095-2103. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232010000400023

Biesanz, J. C. & Human, L. J. (2010). The cost of forming more accurate impressions: Accuracy-Motivated perceivers see the personality of others more distinctively but less normatively than perceivers without an explicit goal. Psychological Science, 21, 589-594. http://dx.doi.org/10.1177/0956797610364121

Bourdieu, P. (1990). Coisas ditas. São Paulo: Brasiliense.

Braga, P.D., Molina, M. d. C. B., & Figueiredo, T. A. M. de. (2010).

Representações do corpo: com a palavra um grupo de adolescentes de classes populares. Ciência e Saúde Coletiva [online], 15(1), 87-95. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232010000100014

Camargo, B. V., Goetz, E. R., Bousfield, A. B. S., & Justo, A. M. (2011). Representações sociais do corpo: estética e saúde. Temas em Psicologia, 19(1), 257-268.

Camargo, B., Justo, A., & Alves, C. (2011). As funções sociais e as representações sociais em relação ao corpo: uma comparação geracional. Temas em Psicologia, 19(1), 269-281.

Denegri, M., Cabezas, D., Sepúlveda, J., Valle, C., González, Y., & Miranda, H. (2010). Representaciones sociales sobre pobreza en estudiantes universitarios chilenos. Liberabit Revista de Psicología, 16(2), 161-170.

Dion, K., Berscheid, E., & Walster, E. (1972). What is beatiful is good. Journal of Personality and Social Psychology, 24(3), 285-290. http://dx.doi.org/10.1037/h0033731

Eco, U. (2004). História da beleza. Rio de Janeiro: Record.

Etcoff, N. (1999). A lei do mais belo: a ciência da beleza. Rio de Janeiro: Objetiva.

Goetz, E. R. (2013). Beleza e plasticomania. Curitiba: Juruá.

Goldenberg, M. (Org.). (2002). Nu & Vestido: dez antropólogos relevam a cultura do corpo carioca. Rio de Janeiro: Record.

Goldenberg, M. (2005). Gênero e corpo na cultura brasileira. Psicologia Clínica, 17(2), 65-80. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-56652005000200006

Helman, C. G. (2003). Cultura, saúde e doença (4ª ed.). Porto Alegre: Artmed.

Jesus, J. G. de (2011). Atração e repulsa interpessoal. In C. V. Torres & E. R. Neiva (e cols.). Psicologia Social: principais temas e vertentes (pp. 238-252). Porto Alegre: Artmed.

Jodelet, D. (1994). Le corps, la persone et autrui. In S. Moscovici (Org.). Psychologie sociale des relations à autrui

(pp. 41-68). Paris: Nathan.

Jodelet, D. (2001). Representações sociais: um domínio em expansão. In D. Jodelet (Ed.). As representações sociais

(pp. 17-29). Rio de Janeiro: Eduerj.

Jodelet, D., Ohana, J., Bessis-Mo-ino, C., & Dannenmüller, E. (1982). Système de représentation du corps et groupes sociaux (relatório vol. 1). Laboratoire de Psychologie Sociale: E. H. S. S.

Moscovici, S. (1978). A representação social da psicanálise. Rio de Janeiro: Zahar.

Moscovici, S. (2003). Representações sociais: investigações em

Psicologia Social. Petrópolis: Vozes.

Rodrigues, A. (1973). Psicologia Social (2ª ed.). Petrópolis: Vozes.

Samarão, L. (2007). O espetáculo da publicidade: a representação do corpo feminino na mídia. Contemporânea, 8, 45- 57.

Secchi, K., Camargo, B. V., & Bertoldo, R. B. (2009). Percepção da imagem e representações sociais do corpo. Psicologia. Teoria e Pesquisa, 25, 229-236. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-37722009000200011

Sones, M. (2004). Human beauty. Disponível em: www.beautywords.com. Acesso em: 23 set. 2012.

Teixeira, S. A. (2001). Produção e consumo social da beleza. Horizontes Antropológicos, 7(16), 189-220. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-71832001000200011

Thomsen, S.R., McCoy, J. K., Gustafson, R. L., & Williams, M. (2002).Motivations for reading beauty and fashion magazines and anorexic risk in college-age women. Media Psychology, 2(4), 113-135. http://dx.doi.org/10.1207/S1532785XMEP0402_01

Vala, J. & Monteiro, B. (2006). Psicologia Social (7ª ed.). Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

Vilas Boas, L. M. da S. (2012). Beleza e cirurgia estética: representações sociais de estudantes universitários. (Dissertação de Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Psicologia. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC.

Vilhena, J. de V., Medeiros, S., & Novaes, J. de V. (2005). A violência da imagem: estética, feminino e contemporaneidade. Revista Mal-estar e subjetividade, 5(1), 109-14.

Witt, J. da S. G. Z. & Schneider, A. P. (2011). Nutrição Estética: valorização do corpo e da beleza através do cuidado nutricional. Ciência & Saúde Coletiva, 16 (9), 3909-3916. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232011001000027




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1980-8623.2015.2.17725

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

e-ISSN: 1980-8623 | ISSN-L: 0103-5371


Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada.