O Acolhimento dos Profissionais que Atuam em Casa-Abrigo na Perspectiva de Mulheres que Sofreram Violência

Scheila Krenkel, Carmen Leontina Ojeda Ocampo Moré

Resumo


A violência contra mulher exige a construção de uma rede institucional de cuidados que se caracterize pela sua intersetorialidade. Objetivou-se neste estudo compreender as repercussões do acolhimento em casa-abrigo na perspectiva de mulheres que sofreram violência. A pesquisa foi qualitativa e participaram 12 mulheres, utilizando-se como instrumentos a entrevista semiestruturada e o Mapa de Redes. A Teoria Fundamentada foi a base para a análise dos dados, com auxílio do software Atlas.ti 5.0. Os resultados evidenciaram que o medo de morrer foi o principal motivador para a busca de ajuda. A casa-abrigo foi apontada como uma importante rede de suporte e proteção às mulheres. Os profissionais, além de desempenharem múltiplas funções, foram mencionados como pessoas significativas para o enfrentamento do problema. Observou-se a falta de seguimento das mulheres ao saírem da
casa-abrigo e a necessidade de articulação entre os setores da rede de proteção à mulher.


Palavras-chave


Violência na família; Redes sociais; Violência contra mulher; Enfrentamento.

Texto completo:

PDF

Referências


Brasil, Ministério da Saúde – MS. (2002). Violência intrafamiliar: Orientações para a prática em serviço. Cadernos de Atenção Básica, nº 8. Brasília, DF: Autor.

Brasil, Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres - SPM. (2006a). Lei nº 11 340. Lei Maria da Penha, de 07 de agosto de 2006. Cria mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher. Brasília, DF: Autor.

Brasil, Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres - SPM. (2006b). Termo de Referência: Apoio a casas abrigo e centros de referência. Brasília, DF: Autor.

Brasil, Secretaria de Políticas para as Mulheres (2011). Diretrizes Nacionais para o abrigamento de mulheres em situação de risco e violência. Brasília, DF: Autor.

Cantera, L. M. (2003). La relación asistencial como interacción social. In M. T. L, Beltrán, M. J. J., Tomé, & E. M. G., Benítez (org.) Violencia y gênero. Espanha: Malaga.

Cantera, L. M., & Cabezas, C. (2003). La red interprofesional como fundamento para una intervención eficaz em el campo de la violencia de género. In M. T. L, Beltrán, M. J. J., Tomé, & E. M. G., Benítez (org.) Violencia y gênero. Espanha: Malaga.

Carloto, C. M., & Calão, V. F. (2006). A importância e o significado da casa-abrigo para mulheres em situação de violência conjugal. Emancipação, 6(1), 205-226.

Cortez, M. B., Cruz, G. V., & Souza, L. (2013). Violência conjugal: Desafios e propostas para a aplicação da Lei Maria da Penha. Revista Psico PUCRS, 44(4), 499-507.

Magalhães, M. J., Morais, C., & Castro, Y. R. (2011). Organização e funcionamento duma casa abrigo de solidariedade social. Psicologia & Sociedade, 23(3), 598-607. doi 10.1590/s0102-71822011000300018

Minayo, M. C. S. (2010). O desafio do conhecimento. São Paulo, Hucitec.

Mora-Escalante, E. (2005). Grupo terapeutico de apoyo dirigido a mujeres sobrevivientes de violencia familiar. Enfermeria Actual en Costa Rica, 4(8).

Moré, C. L. O. O., & Crepaldi, M. A. (2012). O mapa de rede social significativa como instrumento de investigação no contexto da pesquisa qualitativa. Nova Perspectiva Sistêmica, 43, 84-98.

Muhr, T. (2004). ATLAS/ti the knowledge workbench.V 5.0. Quick tour for beginners. Berlin: Scientific Software Development.

Ornelas, J. (2008). Psicologia Comunitária. Lisboa: Fim de século.

Parente, E. O., Nascimento, R. O., & Vieira, L. J. E. S. (2009).

Enfrentamento da violência doméstica por um grupo de mulheres após a denúncia. Revista Estudos Feministas, 17(2), 445-465. doi 10.1590/S0104-026X2009000200008

Pereira, P. C., Santos A. B., & Williams, L. C. A. (2009). Desempenho escolar da criança vitimizada encaminhada ao fórum judicial. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 25(1), 19-28. doi 10.1590/S0102-37722009000100003

Prates, P. L., & Alvarenga, A. T. (2008). Perfil sociodemográfico e psicossocial de mulheres abrigadas, em situação de violência. Trabalho apresentado no XVI Encontro Nacional de Estudos Populacionais, Caxambu, MG.

Ramos, M. E., & Oltramari, L. C. (2010). Atividade reflexiva com mulheres que sofreram violência doméstica. Psicologia Ciência e Profissão, 30(2), 418-427. doi: 10.1590/S1414-98932010000200015

Rocha, L. M. L. N. (2007). Casas-abrigo no enfrentamento da violência de gênero. São Paulo: Veras Editora.

Santos, A. C. W., & Moré, C. L. O. O. (2011). Repercussão da violência na mulher e suas formas de enfrentamento. Paidéia, 21(49), 227-235. doi: 10.1590/S0103-863X2011000200010

Silva, H. M. (2012). A vivência na casa-abrigo (DF) e suas repercussões em usuárias no período entre 2010 e 2011. Monografia de conclusão de curso. Instituto de Ciências Social, Universidade de Brasília, Brasília.

Sluzki, C. E. (1997). A rede social na prática sistêmica: alternativas terapêuticas. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Strauss, A., & Corbin, J. (2008). Pesquisa qualitativa: Técnicas e

procedimentos para o desenvolvimento de teoria fundamentada. 2a Ed. Porto Alegre: Artmed.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1980-8623.2015.2.17616

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

e-ISSN: 1980-8623 | ISSN-L: 0103-5371


Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada.