Noopsicossomática em Pessoas Vivendo com HIV/AIDS: Evidências de um Modelo Explicativo

Alisson de Meneses Pontes, Thiago Antônio Avellar de Aquino, Valdiney Veloso Gouveia, Patrícia Nunes da Fonsêca, Berta Lúcia Pinheiro Kluppel

Resumo


O objetivo deste estudo foi testar um modelo teórico proposto por Viktor Frankl, que pode explicar a dinâmica da noopsicossomática em pessoas com HIV/AIDS. Especificamente, buscou-se entender como a dimensão noológica (representada pela atitude religiosa e a realização de sentido) influencia a dimensão psíquica (afetos positivos e a percepção do passado) e, consequentemente, repercute na dimensão somática (números de células CD4+/CD8+). Participaram 115 pacientes soropositivos para o HIV/AIDS, com idade média de 39 anos (61,4% do sexo masculino). Os resultados apontaram para a adequação deste modelo, com os índices de ajuste aceitáveis. Conclui-se que foram reunidas evidências acerca do modelo teórico da noopsicossomática em pacientes com HIV/AIDS, corroborando a relevância da dimensão noológica no processo de adoecimento e saúde.

Palavras-chave


HIV/AIDS; Espiritualidade; Afetos; Sentido da vida; Noopsicossomática.

Texto completo:

PDF

Referências


Achterberg, J. (1996). A imaginação na cura: xamanismo e medicina moderna (Trad. Carlos Eugênio Marconsde de Moura). São Paulo: Summus.

Alencar, T. M. D., Nemes, M. I. B., & Velloso, M. A. (2008). Transformações da "aids aguda" para a "aids crônica": percepção corporal e intervenções cirúrgicas entre pessoas vivendo com HIV e AIDS. Ciência & Saúde Coletiva, 13, 1841-1849. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232008000600019

Aquino, T. A. A. (2009). Atitudes e intenções de cometer suicídio: Seus correlatos existenciais e normativos. Tese de Doutorado. Departamento de Psicologia, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, PB.

Aquino, T. A. A. (2013). Logoterapia e análise existencial: Uma introdução ao pensamento de Viktor Frankl. São Paulo: Paulus.

Aquino, T. A. A., Correia, A. P. M., Marques, A. L. C., Souza, C. G., Freitas, H. C. A., Araújo, I. F., Dias, P. S. A., & Fernandes, W. (2009). Atitude religiosa e sentido de vida: Um estudo correlacional. Psicologia: Ciência e Profissão, 29, 228-243.

Aquino, T. A. A., Gouveia, V. V., Pontes, A. M., Pereira, G. A., & Fernandes, A. S. (no prelo). Questionário de Sentido de Vida: Evidências de sua validade fatorial e consistência interna. Psicologia: Ciência e Profissão.

Aquino, T. A. A., Gouveia, V. V., Silva, S. S., & Aguiar, A. A. (2013). Escala de Atitudes Religiosas, versão expandida (EAR-20): Evidências de validade. Avaliação Psicológica, 12,109-119.

Amâncio, D. C. O., Nunes, M. T. C. C., & Cardoso, M. A. G. (2010). Resposta imune humoral frente à situação de estresse. XIV Encontro Latino Americano de Iniciação Científica e X Encontro Latino Americano de Pós-Graduação.

Amatuzzi, M. M. (2000). Desenvolvimento religioso: Uma hipótese psicológica. Estudos de Psicologia (PUC-Campinas), 17, 15-30. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-166X2000000100002

Balestieri, F. M. P. (2005). Imunologia. São Paulo: Malone.

Bower, G. H. (1981). Mood and memory. American Psychologist, 36, 129-148. http://dx.doi.org/10.1037/0003-066X.36.2.129

Brasil. Ministério da Saúde. (2012). Secretária de Vigilância em Saúde. Departamento de DST, AIDS e Hepatites Virais. Boletim Epidemiológico - AIDS e DST.

Byrne, B. M. (2010). Structural equation modeling with Amos: Basic concepts, applications, and programming. 2ª ed. New York: Taylor and Francis.

Cotton, S., Puchalski, C. M., Sherman, S. N., Mrus, J. M., Peterman, A. H., Feinberg, J., Pargament, K. I., Justice, A. C., Leonard, A. C., & Tsevat, J. (2006). Spirituality and religion in patients with HIV/AIDS. Journal of General Internal Medicine, 21, 5-13. http://dx.doi.org/10.1111/j.1525-1497.2006.00642.x

Diener, E., & Emmons, R. (1984). A The independence of positive and negative affect. Journal of Personality and Social Psychology, 47, 1105-1117. http://dx.doi.org/10.1037/0022-3514.47.5.1105

Diniz, A. C., & Aquino, T. A. A. (2009). A relação da religiosidade com as visões de morte. Religare, 1, 90-105.

Espírito Santo, C. C. (2011). Expressões da espiritualidade em pessoas que vivem com HIV/AIDS a partir das representações sociais acerca da síndrome: Implicações para o cuidado de enfermagem. Dissertação de Mestrado. Departamento de Enfermagem, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, RJ.

Ferreira, D. C., Favoreto, C. A. O., & Guimarães, M. B. L. (2012). A influência da religiosidade no conviver com o HIV. Interface, 16, 383-394. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-32832012005000019

Frankl, V. E. (1992). Teoría y terapia de las neurosis: Iniciación a la logoterapia y análisis existencial. Madrid: Herder.

Frankl, V. E. (2008). Em busca de sentido: um psicólogo no campo de concentração (Trad. Walter O. Schlupp & Carlos C. Aveline). 25ª ed. São Leopoldo, RS: Sinodal / Petrópolis, RJ: Vozes.

Frankl, V. E. (2009). A presença ignorada de Deus (Trad. W. O. Schlupp & H. H. Reinhold). 11ª ed. São Leopoldo, RS: Sinodal / Petrópolis, RJ: Vozes.

Frankl, V. E. (2010). Psicoterapia e sentido da vida: Fundamentos da logoterapia e análise existencial (Trad. Alípio Maia de Castro). 5ª ed. São Paulo: Quadrante.

Frankl, V. E. (2011). A vontade de sentido: Fundamentos e aplicações da logoterapia (Trad.Ivo Studart Pereira). São Paulo: Paulus.

Frankl, V. E. (2012). Logoterapia e análise existencial: textos de seis décadas. 1. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Fryback, P. B., & Reinert, B. R. (1999). Spirituality and people with potentially fatal diagnoses. Nursing Forum, 34, 13-22. http://dx.doi.org/10.1111/j.1744-6198.1999.tb00231.x

Geocze, L., Mucci, S., Marco, M. A., Nogueira-Martins, L. A., & Citero, V. A. (2010). Qualidade de vida e adesão ao tratamento anti-retroviral de pacientes portadores de HIV. Revista de Saúde Pública, 44,743-749. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102010000400019

Hamilton, J. M., Kives, K. D., Micevski, V., & Grace, S. L. (2003). Time perspective and health-promoting behaviour in a cardiac rehabilitation population. Behavioural Medicine, 28, 132-139. http://dx.doi.org/10.1080/08964280309596051

Kasser, T., & Ahuvia, A. C. (2002). Materialistic values and well-being in business students. European Journal of Social Psychology, 32, 137-146. http://dx.doi.org/10.1002/ejsp.85

Kasser, T., & Ryan, R. M. (1993). A dark side of the American dream: Correlates of financial success as a central life aspiration. Journal of Personality and Social Psychology, 65, 410-422. http://dx.doi.org/10.1037/0022-3514.65.2.410

Knapp, P. (Org.). (2004). Terapia cognitivo-comportamental na prática psiquiátrica. Porto Alegre, RS: Artes Médicas.

Koenig, H. G., McCullough, M. E., & Larson, D. B. (2001). Handbook of religion and health: A century of research reviewed. New York: Oxford University Press. http://dx.doi.org/10.1093/acprof:oso/9780195118667.001.0001

Leserman, J. (2008). Role of depression, stress, and trauma in HIV disease progression. Psychosomatic Medicine, 70, 539-545. http://dx.doi.org/10.1097/PSY.0b013e3181777a5f

Linares, V. R., Burón, R. R., Rodríguez, J. A. P., López, L. J. G., & Guadalupe, L. A. O. (2008). Psiconeuroinmunología: Conexiones entre sistema nervioso y sistema inmune. Suma Psicológica, 15,115-142.

Litwinczuk, K. M., & Groh, C. J. (2007). The relationship between spirituality, purpose in life, and well-being in HIV-positive persons. Journal of the Association of Nurses in AIDS care, 18, 13-22. http://dx.doi.org/10.1016/j.jana.2007.03.004

Lotufo Neto, F. (2003). Religião, psicoterapia e saúde mental. In C. N. Abreu (Org.), Psicoterapias cognitiva e construtivista: Novas fronteiras da prática clínica (pp. 289-315). Porto Alegre, RS: Artmed.

Lukas, E. (1989). Logoterapia: A força desafiadora do espírito (Trad. J. de Sá Porto). São Paulo: Edições Loyola / Santos, SP: Leopodianum Editora.

Lukas, E. (1990). Mentalização e saúde: A arte de viver e logoterapia (Trad. Helga Hinkenickel Reinhold). Petrópolis, RJ: Vozes.

Marques, M. C. C. (2003). A história de uma epidemia moderna – A emergência política da AIDS/HIV no Brasil. São Carlos, SP: Rima.

Mello, V. A., Segurado, A. A. C., & Malbegier, A. (2010). Depression in women living with HIV: Clinical and psychosocial correlates. Archives of Women's Mental Health, 13,193-199. http://dx.doi.org/10.1007/s00737-009-0094-1

Moreira-Almeida, A., Lotufo Neto, F., & Koenig, H. G. (2006). Religiousness and mental health: A review. Revista Brasileira de Psiquiatria, 28, 242-250. http://dx.doi.org/10.1590/S1516-44462006005000006

Nauert, R. (2011). Attitude about past influences health. PsychCentral. Acessado em 20 de março de 2013, disponível em: http://psychcentral.com/news/2011/09/07/attitude-about-past-influences-health/29216.html.

Oyanadel, C., & Buela-Casal, G. (2011). La percepción del tiempo: Influencias en la salud física y mental. Universitas Psychologica, 10, 149-161.

Panzini, R. G., & Bandeira, D. R. (2007). Coping (enfrentamento) religioso/espiritual. Revista de Psiquiatria Clínica, 34, 126-135. http://dx.doi.org/10.1590/S0101-60832007000700016

Panzini, R. G., & Bandeira, D. R. (2005). Escala de coping religioso-espiritual (escala CRE1): Elaboração e validação de construto. Psicologia em Estudo (Maringá), 10, 507-516.

Pergher, G. K., Grassi-Oliveira, R., Ávila, L. M., & Stein, L. M. (2006). Memory, mood and emotion. Revista de Psiquiatria do Rio Grande do Sul, 28, 61-68. http://dx.doi.org/10.1590/S0101-81082006000100008

Remor, E. A. (2002). Aspectos psicossociais na era dos novos tratamentos da AIDS. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 18, 283-287. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-37722002000300007

Resende, M. C., Silva, R. M., Marques, T. P., & Abreu, M. V. (2008). Coping e satisfação com a vida em adultos com AIDS. Psico-PUCRS, 39, 232-239.

Saldanha, A. A. W. (2003). Vulnerabilidade e construções de enfrentamento da soropositividade ao HIV por mulheres infectadas em relacionamento estável. Tese de doutorado não-publicada. Pós-Graduação em Psicologia, Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, SP.

Saroglou, V. (2003). Spiritualité moderne: Un regard de psychologie de la religion. Revue Théologique de Louvain, 34, 473-504. http://dx.doi.org/10.2143/RTL.34.4.2017462

Seidl, E. M. F., Zannon, C. M. L. C., & Tróccoli, B. T. (2005). Pessoas vivendo com HIV/AIDS: Enfrentamento, suporte social e qualidade de vida. Psicologia: Reflexão e Crítica, 18, 188-195. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-79722005000200006

Serrano-Villar, S., Sainz, T., Lee, S.A., Hunt, P.W., Sinclair, E., Shacklett, B, L., Ferre, A. L., Hayes, T. L., Somsouk, M., Hsue, P. Y., Van, N. M., Meinert, C. L., Lederman, M. M., Hatano, H., Jain, V., Huang, Y., Hecht, F. M., Martin, J. N., McCune, J. M., Moreno, S., & Deeks, S. G. (2014). HIV-infected individuals with low CD4/CD8 ratio despite effective antiretroviral therapy exhibit altered T cell subsets, heightened CD8+ T cell activation, and increased risk of non-AIDS morbidity and mortality. PLoS Pathog, 10(5): e1004078. http://dx.doi.org/10.1371/journal.ppat.1004078

Silva, A. L. C. N., Waidman, M. A. P., & Marcon, S. S. (2009). Adesão e não-adesão à terapia antirretroviral: As duas faces de uma mesma vivência. Revista Brasileira de Enfermagem, 62, 213-220. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71672009000200007

Silva Filho, N., Chaves Júnior, J. C. S., & Campos, D. (2012). Relações entre o funcionamento dos sistemas imunológico e psicológico em pacientes com HIV/SIDA. In: Psicologia da Saúde: desafios à promoção da saúde em doenças crônicas. (Org. Ribeiro J. L. P., Leal I., Pereira A. e Monteiro S.). 1 ed. pp. 113-119. Lisboa: Placebo.

Steger, F. M., Frazier, P., Oishi, S., & Kaler, M. (2006). The Meaning in Life Questionnaire: Assessing the presence of and search for meaning in life. Journal of Counseling Psychology, 53, 80-93. http://dx.doi.org/10.1037/0022-0167.53.1.80

Teixeira, F. (2005). O potencial libertador da espiritualidade e da experiência religiosa. In M. M. Amatuzzi (Org.), Psicologia e espiritualidade (pp. 13-30) São Paulo: Paulus.

Terrin, A. N. (1998). A doença? Síndrome de desarmonia do espírito tratado sobre religiões antigas e novas. In F. Dal Pino, R. Fabris, E. Fizzotti, U. Galimberti, B. Häring, A. Langella, J. Ries, B. Secondin, G. Sovernigo, A. N. Terrin, & S. Ubbiali, S. (Orgs.), Liturgia e terapia: A sacramentalidade a serviço do homem na sua totalidade (pp. 181-234). São Paulo: Paulinas.

Unaids, Joint United Nations Programme on HIV/AIDS. (2012). Global report: UNAIDS report on the global AIDS epidemic 2012. Geneva. World Healt Organization.

Veronesi, Ricardo; Focaccia, Roberto. (2010). Tratado de Infectologia. 4ª Ed. Vol 2. São Paulo: Atheneu.

Woods, T. E., Antoni, M. H., Ironson, G. H., & Kling, D. W. (1999). Religiosity is associated with affective and immune status in symptomatic HIV-infected gay men. Journal of Psychosomatic Research, 46, 165-176. http://dx.doi.org/10.1016/S0022-3999(98)00078-6




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1980-8623.2015.1.17332



e-ISSN: 1980-8623 | ISSN-L: 0103-5371


Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada.