Um Oásis Urbano: Dois Estudos das Interações Pessoa-Ambiente na Praça Kalina Maia, Natal/RN

Cíntia Camila Liberalino Viegas, Eduardo Alexandre Ribeiro da Silva, Gleice Azambuja Elali

Resumo


Embora vários fatores apontem seu atual abandono, as praças influenciam a qualidade de vida das cidades, colaborando com o microclima urbano e a restauração do equilíbrio físico/mental das pessoas. Esse artigo apresenta duas pesquisas (independentes) embasadas na literatura de Psicologia Ambiental, realizadas na Praça Kalina Maia (Natal/RN), visando compreender seu uso: uma abordou atividades de lazer; outra, a socialização de idosos. Em cada estudo, o método somou diário de campo, entrevistas e observação comportamental (mapeamento ou naturalística). Os resultados revelam a setorização de usos, mostrando que, durante o dia, idosos, adultos, adolescentes e crianças ali desenvolvem várias atividades, sobretudo esportivas – que predominam na ATI (onde se concentram os idosos). Conclui-se que, se existirem condições de suporte às atividades de lazer, as praças ainda podem ser oásis urbanos, promovendo lazer e socialização, conhecimento que pode contribuir para a proposta de programas que incentivem seu uso e retroalimentem seu projeto.

Palavras-chave


Psicologia Ambiental; praça; lazer; socialização de idosos; observação comportamental.

Texto completo:

PDF

Referências


Active Living Research. (2010). The Economic Benefits of Open Space, Recreation Facilities and Walkable Community Design. San Diego: Robert Wood Johnson Foundation.

Alex, S. (2008). Projeto da Praça: convívio e exclusão no espaço público. São Paulo: Senac.

Alves, S. M. (2011). Ambientes restauradores. In S. Cavalcante & G. A. Elali (Orgs.). Temas básicos em Psicologia Ambiental (pp. 44-52). Petrópolis, RJ: Vozes.

Andrade, L. T., Jayme, J. G., Almeida, R. C. (2009). Espaços públicos: novas sociabilidades, novos controles. Cadernos Metrópole (São Paulo), 21(1), 131-153.

Barton, H. (2009). Land use planning and health and well-being. Land Use Policy, 26 (Supplement 1), S115-S123. DOI: 10.1016/j.landusepol.2009.09.008.

Bennett, K. M. (2002). Low level social engagement as a precursor of mortality among people in later life. Age and Ageing, 31(3), 165-168. DOI: 10.1093/ageing/31.3.165.

Brasil. Ministério da Saúde (1994). Lei 8.842, de 04 de janeiro de 1994 – Dispõe sobre a Política Nacional do Idoso (PNI), cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências. Disponível em: http://direitodoidoso.braslink.com/05/lei8842.html

Brasil. Ministério da Saúde (2003). Lei 10.741 de 1º de outubro de 2003 – Dispõe sobre o Estatuto do Idoso e dá outras providências. Disponível em: http://direitodoidoso.braslink.com/05/estatuto_do_idoso.pdf

Brasil. Ministério da Saúde (2005). Programa Brasil Saudável. Disponível em: http://direitodoidoso.braslink.com/05/programa_

brasil_saudavel.pdf.

Brasil. Ministério da Saúde (2006). Portaria n° 2.528 de 19 de outubro de 2006 – Aprova a Política Nacional de Saúde da Pessoa Idosa. Disponível em: http://direitodoidoso.braslink.com/05/portaria_2528.pdf

Butterworth, I. (2000). The relationship between the built environment and wellbeing: a Literature Review (T. B. E. a. Wellbeing, Trans.) The Built Environment and Wellbeing (pp. 46). Melbourne, Au.

Camargo, L. O. L. (2008). O que é Lazer. São Paulo: Brasiliense.

Cotrim, G. S. & Bichara, I. D. (2013). Brincar no ambiente urbano: limites e possibilidades em ruas e parquinhos de uma metrópole. Psicologia, Reflexão e Crítica (Porto Alegre), 26(2), 388-395.

Dumazedier, J. (2004). Lazer e cultura popular. São Paulo: Perspectiva.

Dorneles, V. G. (2006). Acessibilidade para idosos em áreas livres públicas de lazer. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

Gehl, J. (2007). Public spaces for a changing public life. In C. W. Thompson & P. Travlou (Orgs.). Open Space: People Space

(pp. 3-7). New York: Taylor & Francis.

Gibson, J. J. (1986). The Ecological Approach to Visual Perception. Hillsdale, New Jersey: Lawrence Erlbaum Associates.

Gomes, M. A. S. (2007). De Largo a Jardim: Praças Públicas no Brasil – Algumas Aproximações. Estudos Geográficos, 5(1), 101-120.

Günther, H. (2011). Affordances. In S. Cavalcante & G. A. Elali (Orgs.). Temas básicos em Psicologia Ambiental (pp. 21-27). Petrópolis, RJ: Vozes.

Günther, H., Elali, G. A., & Pinheiro, J. Q. (2011). Multimétodos. In S. Cavalcante & G. A. Elali (Orgs.). Temas básicos em Psicologia Ambiental (pp. 239-249). Petrópolis, RJ: Vozes.

Günther, I. O uso da entrevista na interação pessoa-ambiente. (2008). In J. Q. Pinheiro & H. Günther (Orgs.). Métodos de pesquisa nos estudos pessoa-ambiente (pp. 53-74). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Hino, A. A. F., Reis, R. S., Ribeiro, I. C., Parra, D. C., Brownson, R. C., & Fermino, R. C. (2010). Using Observational Methods to Evaluate Public Open Spaces and Physical Activity in Brazil. Journal of Physical Activity and Health, 7(2), S146-S154.

IDGO – Inclusive Design for Getting Outdoors. (2010). A built environment for all ages. Paper presented at the Extending Quality Life for older and disabled people. Disponível em: http//:www.idgo.ac.uk/

Jacobs, J. (1961). The Death and Life of Great American Cities. New York: Vintage Books.

Kaplan, R., Kaplan, S. & Ryan, R. L. (1998). With people in mind:

design and management of everyday natures. Washington, DC: Island Press.

Korpela, K. M., Ylén, M., Tyrväinen, L., & Silvennoinen, H. (2010). Favorite green, waterside and urban environments, restorative experiences and perceived health in Finland. Health Promotion International, 25(2), 200-209. DOI: 10.1093/heapro/daq007

Liberalino, C. C. (2011). Praça: lugar de lazer: relações entre características ambientais e comportamentais na Praça Kalina Maia – Natal RN. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal.

Luz, G. M. & Kuhnen, A. (2013). O uso dos espaços urbanos pelas crianças: explorando o comportamento do brincar em praças públicas. Psicologia, Reflexão e Crítica (Porto Alegre), 26(3), 552-560.

McAuley, E., Blissmer, B., Marquez, D. X., Jerome, G. J., Kramer, A. F., & Katula, J. (2000). Social relations, physical activity, and well-being in older adults. Preventive Medicine, 31(5), 608-617. DOI: 10.1006/pmed.2000.0740.

Mahmood, A., Chaudhury, H., Michael, Y. L., Campo, M., Hay, K., & Sarte, A. (2012). A photovoice documentation of the role of neighborhood physical and social environments in older adults’ physical activity in two metropolitan areas in North America. Social

Science & Medicine, 74(8), 1180-1192. DOI: 10.1016/j.socscimed.2011.12.039

Mira, R. G. & A. Dumitru, A. (2014) Urban sustainability: innovative spaces, vulnerabilities and opportunities. A Coruña: IAPS.

Mourão, A. R. T. & Cavalcante, S. (2011). Identidade de lugar. In S. Cavalcante & G. A. Elali (Orgs.). Temas básicos em Psicologia Ambiental (pp. 208-226). Petrópolis, RJ: Vozes.

Oliveira, L. A. & Mascaró, J. J. (2007, abril/junho). Análise da qualidade de vida urbana sob a ótica dos espaços públicos de lazer. Ambiente Construído, 7(2), 59-69.

OPENspace Research Centre. (2010). Community Green: using local spaces to tackle inequality and improve health. England: CABE.

Papalia, D. E. & Feldman, R. D. (2013). Desenvolvimento humano (12ª ed.). Porto Alegre: ArtMed.

Petroski, E., Silva, D., Reis, R., & Pelegrini, A. (2009). Estágios de mudança de comportamento e percepção positiva do ambiente para atividade física em usuários de parque urbano. Motricidade, 5(2), 17-31.

Pinheiro, J. Q., Elali, G. A., & Fernandes, O. S. (2008). Observando a interação pessoa-ambiente: vestígios ambientais e mapeamento comportamental. In J. Q. Pinheiro & H. Günther (Orgs.). Méto-

dos de Pesquisa nos Estudos Pessoa-Ambiente (pp. 75-104).

São Paulo: Casa do Psicólogo.

Ramos, M. P. (2002). Apoio social e saúde entre idosos. Sociologias, 4(7), 20.

Robba, F. & Macedo, S. S. (2003). Praças Brasileiras. São Paulo: Edusp.

Ryan, R. M., Weistein, N., Berstein, J., Brown, K. W., Mistretta, L., & Gagné, M. (2010). Vitalizing effects of being outdoors and in nature. Journal of Environmental Psychology, 30(2), 159-168. DOI: 10.1016/j.jenvp.2009.10.009

Silva, E. A. R. (2014). O papel das interações sociais para o envelhecimento ativo: um estudo em praças natalenses. Tese de Doutorado, Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal.

Silva, G. C., Lopes, W. G. R., & Lopes, J. B. (2009). Aspectos relacionados ao uso e apropriação de praças em áreas centrais de cidades: transformações e permanências. RA’EGA, 18(1), 59-78.

Sommer, R. & Sommer, B. (2002). A Practical Guide to Behavior Research, Tools and Techniques. Nova York: Oxford University Press.

Sugiyama, T. & Thompson, C. W. (2005). Environmental Support for Outdoor Activities and Older People’s Quality of Life. Journal of Housing for the Elderly, 193(4), 18. DOI: 10.1300/J081v19n03_09

Sugiyama, T., Thompson, C. W., & Alves, S. (2009). Associations Between Neighborhood Open Space Attributes and Quality of Life for Older People in Britain. Environment and Behavior, 41, 18. DOI: 10.1177/0013916507311688

Thompson, C. W. (2007). Playful nature. In C. W. Thompson & P. Travlou (Orgs.). Open Space: People Space (pp. 26-37). New York: Taylor & Francis.

Thompson, C. W. & Travlou, P. (2007) (Orgs). Open Space: People Space. Oxon: Taylor & Francis.

Tuan, Yi-fu (1983). Espaço e lugar: a perspectiva da experiência. São Paulo: DIFEL.

WHO, World Health Organization. (2003). Health and development through physical activity and sport move for health. Geneva, Switzerland: World Health Organization.

Woolley, H. (2005). Urban Open Spaces. London: Spon Press (Taylor and Francis Group).




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1980-8623.2014.3.17927

ATENÇÃO

Sistema em manutenção

Migração do sistema OJS para a versão 3.0. Durante este período os usuários:

  • Poderão acessar todo o conteúdo já publicado
  • Não poderão efetivar encaminhamentos do fluxo editorial (submissão, avaliação, publicação)

Previsão: 06/07/2020


e-ISSN: 1980-8623 | ISSN-L: 0103-5371


Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada.