Testes de Atenção para Idosos: Relações com Idade, Escolaridade e Moradia

Eliane Sousa de Oliveira Fernandes, Acácia Aparecida Angeli Santos

Resumo


O estudo se propôs a buscar evidências de validade para testes de atenção concentrada e sustentada em idosos, pelos critérios idade, escolaridade, condições de moradia (abrigados ou não) e tempo de resposta do instrumento, assim como validade convergente pela correlação entre eles. Participaram 83 pessoas de 60 anos ou mais, ambos os sexos. Foram aplicados o teste de Atenção Concentrada (AC) e o Teste de Atenção Sustentada (TASU). Os escores de ambos se correlacionaram negativamente com idade, e positivamente com escolaridade. Os idosos jovens tiveram melhor performance que os longevos e os não abrigados apresentaram maiores médias. No AC, com 50% a mais de tempo para os longevos, o desempenho não diferiu significativamente dos mais jovens. A correlação entre AC e TASU indicou que as medidas são convergentes. Os resultados obtidos permitiram concluir que ambas as medidas foram suficientemente sensíveis para avaliação da atenção em idosos.


Palavras-chave


Atenção concentrada; Atenção sustentada; Testes cognitivos; Envelhecimento.

Texto completo:

PDF

Referências


Argimon, I. L. (2002). Desenvolvimento cognitivo na terceira idade. Tese de doutorado, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto alegre, RS, Brasil.

Argimon, I. L., & Stein, L. M. (2005). Habilidades cognitivas em indivíduos muito idosos: um estudo longitudinal. Cadernos de Saúde Pública, 21(1), 64-72. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2005000100008

Argimon, I. L., Irigaray, T. Q., & Stein, L. M. (2014). Cognitive development across different age ranges in late adulthood. Universitas Psychologica, 13(1), 253-264. http://dx.doi.org/10.11144/2338

Baltes, P. B., & Smith, J. (2003). New frontiers in the future of aging: from successful aging of the young old to the dilemmas of the fourth age. Gerontology, 49, 123-125. http://dx.doi.org/10.1159/000067946

Bartrés-Faz, D., Clemente, I., & Junqué, C. (1999). Alteración cognitiva en el envejecimiento normal: nosología y estado actual. Revista de Neurologia, 29(1), 64-70.

Bottino, C. M., Cid, C. G., & Camargo, C. H. (1997). Avaliação neuropsicológica. In: O. V. Forlenza, & O. P. Almeida. Depressão e demência no idoso - Tratamento farmacológico e psicológico. São Paulo: Lemos Editorial.

Braga, J. L. (2007). Atenção Concentrada e Atenção Difusa: Elaboração de Instrumentos de Medida. Dissertação de mestrado, Universidade de Brasília, Brasília, DF, Brasil.

Camarano, A. A. (2002). Envelhecimento da população brasileira: uma contribuição demográfica. Rio de Janeiro: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (textos para discussão, n. 858).

Camargo, C. H., Gil, G., & Moreno, M. D. (2006). Envelhecimento "normal" e cognição. In: C. M. Bottino, J. Laks, & S. L. Blay, Demência e Transtornos Cognitivos no Idoso (pp. 13-20). Rio de Janeiro: Guanabara Koogan Ltda.

Cambraia, S. V. (2003). Coleção AC - Atenção Concentrada (3a ed.). São Paulo: Vetor .

Commodari, E., & Guarnera, M. (2008). Attention and aging. Aging clinical and Experimental Research, 6, 578-584. http://dx.doi.org/10.1007/BF03324887

Fonseca, R. P., Zimmermann, L. C. S., Parente, M. A. M. P., & Ska, B. (2010). Episodic memory, concentrated attention and processing speed in aging. Dement Neuropsychol, 4(2), 91-97.

Gazzaniga, M. S., & Heatherton, T. F. (2005). Ciência Psicológica. Mente, Cérebro e Comportamento. Porto Alegre: Artmed.

IBGE. (2011b). Projeção da população. Acesso em 15 de Agosto de 2011, disponível em Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística: http://www.ibge.gov.br/home/estatística/população/projeção_da_população/2008/piramide/piramide.shtm

IBGE. (2011a). Sinopse dos Resultados do Censo 2010. Acesso em 15 de Agosto de 2011, disponível em Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística: http://www.censo2010.ibge.gov.br/sinopse/webservice

James, W. (1890). The Principles of Psychology. Acesso em 26 de setembro de 2010, disponível em Classics in The History of Psychology: http://psychclassics.yorku.ca/James/Principles/prin11.htm http://dx.doi.org/10.1037/11059-000

Karlamangla, A. S., Miller-Martinez, D., Aneshensel, C. S., Seeman, T. E., Wight, R. G., & Chodosh, J. (2009). Trajectories of cognitive function in late in the US: demographic and socioeconomic predictors. American Journal of Epidemiology , 170(3), 331-342. http://dx.doi.org/10.1093/aje/kwp154

Lezak, M. D., Howieson, D. B., & Loring, D. W. (2004). Neuropsychological Assessment (4th ed.). New York: Oxford.

McGaughy, J., & Eichenbaum, H. (2002). It's Time to Pay Attention to Attention in Aging. Learning Memory, 9, 151-152. http://dx.doi.org/10.1101/lm.52902

Mello, B. L., Haddad, M. C., & Dellaroza, M. S. (2012). Avaliação cognitiva de idosos institucionalizados. Acta Scientiarum , 34(1), 95-102. http://dx.doi.org/10.4025/actascihealthsci.v34i1.7974

Mesulam, M.-M. (2000). Principles of behavioral and cognitive neurology (2nd ed.). New York: Oxford.

Monteiro, R. L., & Santos, A. A. (2011). Teste de Atenção Sustentada, TASU. Relatório técnico da versão preliminar. Itatiba: Universidade São Francisco.

Neri, A. L., & Yassuda, M. S. (2008). Velhice bem-sucedida: aspectos afetivos e cognitivos (3a ed.). Campinas: Papirus.

Noronha, A. P., Sisto, F. F., Bartholomeu, D., Lamounier, R., & Rueda, F. J. (2006). Atenção sustentada e concentrada: construtos semelhantes? Psicologia: Pesquisa e Trânsito, 2(1), 29-36.

Nunes, C. H., & Primi, R. (2010). Aspectos técnicos e conceituais da ficha de avaliação dos testes psicológicos. In: A. A. Santos (Org.). Avaliação psicológica: diretrizes na regulamentação da profissão (pp. 101-128). Brasília: Conselho Federal de Psicologia.

Papalia, D. E., & Olds, S. W. (2000). Desenvolvimento Humano (7a ed.). São Paulo: Pioneira.

Parasuraman, R., & Greenwood, P. M. (2000). Selective attention in aging and dementia. In: R. Parasuraman, The Attentive Brain. Massachusetts: MIT Press.

Quevedo, J., Martins, M. R., & Izquierdo, I. (2006). Alterações cerebrais e memória. In: C. M. Bottino, J. Laks, & S. L. Blay (Orgs.). Demência e transtornos cognitivos em idosos (pp. 3-12). Rio de Janeiro: Guanabara Koogan Ltda.

Reis, L. A., Torres, G. V., Araújo, C. C., Reis, L. A., & Novaes, L. K. (2009). Rastreamento cognitivo de idosos institucionalizados no município de Jequié-BA. Psicologia em Estudo, Maringá, 14(2), 295-301. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-73722009000200010

Rodrigues, J. L., Ferreira, F. O., & Haase, V. G. (2008). Perfil do desempenho motor e cognitivo na idade adulta e velhice. Gerais: Revista Interinstitucional de Psicologia, 1(1), 20-33.

Rueda, F. J., & Castro, N. R. (2010). Capacidade atencional: há decréscimo com o passar da idade? Psicologia Ciência e Profissão, 30(3), 572-587. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-98932010000300010

Rueda, F. M. (2013). Bateria Psicológica para Avaliação da Atenção – BPA. São Paulo: Vetor.

Sánchez-Rodrigues, J. L., & Torrellas-Morales, C. (2011). Revisión del constructo deterioro cognitivo leve: aspectos generales. Revista de Neurologia, 52(5), 300-305.

Sisto, F. F., Castro, N. R., Cecilio-Fernandes, D., & Silveira, F. J. (2010). Atenção seletiva visual e o processo de envelhecimento. Cadernos de Pós-Graduação em Distúrbios do Desenvolvimento, 10(1), 93-102.

Souza, V. L., Borges, M. F., Vitória, C. M., & Chiappetta, A. L. (2009). Perfil das habilidades cognitivas no envelhecimento normal. Revista CEFAC, São Paulo.

Sternberg, R. J. (2008). Psicologia Cognitiva. Porto Alegre: Artmed.

Strauss, E., Sherman, E. M., & Spreen, O. (2006). A Compendium of Neuropsychological Tests (3rd ed.). New York: Oxford .

Urbina, S. (2007). Fundamentos da Testagem Psicológica. Porto Alegre: Artmed.

Valls-Pedret, C., Molinuevo, J. L., & Rami, L. (2010). Diagnóstico precoz de la enfermidad de Alzheimer: fase prodrómica y preclínica. Revista de Neurologia, 51(8), 471-480.

Vázquez-Marrufo, M., Benítez, M. L., Rodríguez-Gómez, G., Galvao-Carmona, A., Fernández-Del-Olmo, A., & Vaquero-Casares, E. (2011). Afectación de las redes neurales atencionales durante el envejecimiento salutable. Revista de Neurologia, 52, 20-6.

Ward, A. (2004). Attention: A Neuropsychological Approach. New York: Psychology Press.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1980-8623.2015.1.17281



e-ISSN: 1980-8623 | ISSN-L: 0103-5371


Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada.