Análise pelo Modelo de Rasch do Ditado ADAPE: Considerações da Ortografia

Susana Gakyia Caliatto, Débora Cecílio Fernandes

Resumo


Este estudo teve como objetivo identificar as palavras com maior dificuldade de escrita, com base na análise pelo modelo de Rasch, e indicar a composição das palavras do ditado ADAPE que produzem mais erros. Participaram 221 estudantes, com idades compreendidas entre 6 e 11 anos, do segundo ao quinto ano de uma escola particular do estado de Minas Gerais. A média da dificuldade dos itens foi estabelecida convencionalmente como zero. Os resultados indicaram que a palavra Cássio foi a mais difícil. Outras sete palavras também foram muito difíceis. Mostrou-se que o ditado contém palavras que exigem diferentes conhecimentos ortográficos, o que permite avaliar os estudantes em distintas etapas da alfabetização. As palavras foram discutidas em função de categorias de erros da língua portuguesa.

Palavras-chave


Escrita; ortografia; teoria de resposta ao item.

Texto completo:

PDF

Referências


Bortoni-Ricardo, S. M. (2004). Educação em língua materna: a sociolingüística na sala de aula. São Paulo: Parábola.

Bublitz, G. K. (2010). A consciência sintática de crianças que ingressam aos 6 anos no Ensino Fundamental. Letras de Hoje, 45(3), 92-97.

Cagliari, L. C. (2006). Alfabetização e Linguística (10ª ed). São Paulo: Scipione.

Caliatto, S. G. (2005). Avaliação da escrita em jovens e adultos (Dissertação de mestrado). Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP.

Campos, A. M. G., Pinheiro, L. R., & Guimarães, S. R. K. (2012). A consciência fonológica, a consciência lexical e o padrão de leitura de alunos com dislexia do desenvolvimento. Revista Psicopedagogia, 29(89), 194-207.

Embretson, S. E., & Hershberger, S. L. (1999). The new rules of measurement: What every psychologist and educator should know. New Jersey: Lawrence Erlbaum.

Kessler, B., & Treiman, R. (2013). Sistemas de escrita e desenvolvimento da ortografia. In M. J. Snowling, & C. Hulme (Orgs.). A ciência da leitura (pp. 138-152). Porto Alegre: Penso.

Linacre J. M., (2002).What do Infit and Outfit, Mean-Squared and Standardized mean? Rasch Measurement Transactions, 16(2), 878. Disponível em http://209.238.26.90/rmt/rmt82a.htm [Acesso em outubro 2013].

Linacre, J. M. (2009). A user’s guide to Winsteps, & Ministeps: Rasch Model Computers Programs. Winsteps.com, Chicago, IL Disponível em http://www.winsteps.com/winman/index.htm?copyright.htm [Acesso em outubro 2013].

Manzano, J. L. G., Sanz, M. T., & Chocano, A. J. D. (2008). Fundamentos para la intervención en el aprendizaje de la ortografía. Madrid, Espanha: Editorial CEPE.

Morais, A. G. (2007). Ortografia: Ensinar e aprender (4ª ed.). São Paulo: Ática.

Mota, M., Besseb, A. S., Diasc, J., Paivac, N., Mansur-Lisboac, S., & Silva, D. A. (2011). O desenvolvimento da consciência morfológica nos estágios iniciais da alfabetização. Psicologia Reflexão e Crítica, 24(1), Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=Sc_arttext&pid=S0102-79722011000100017&

lng=en&nrm=iso [Acesso em 28 nov. 2013].

Paolucci, J. F., & Ávila, C. R. B. (2009). Competência ortográfica e metafonológica: influências e correlações na leitura e escrita de escolares da 4ª série. Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia, 14 (1), 48-55.

Rasch, G. (1960). Probabilistic models for some intelligence and attainment tests. Copenhagen: Danmarks Paedagogiske Institut.

Santos, R. S. (2001). Aquisição do acento primário no português brasileiro (Tese de doutorado). Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP.

Sisto, F. F. (2001). Dificuldades na aprendizagem em escrita: um instrumento de avaliação (ADAPE). In F. F.

Sisto, E. Boruchovitch, L. D. T. Fini, R. P. Brenelli, & S. C. Martinelli (Orgs.). Dificuldades de aprendizagem no contexto psicopedagógico (pp. 190-213). Petrópolis: Vozes.

Sisto, F., & Martinelli, S. C. (2008). O papel das relações sociais na compreensão do fracasso escolar e das dificuldades de aprendizagem. In F. F. Sisto, & S. C.

Martinelli, (Orgs.). Afetividade e dificuldades de aprendizagem: uma abordagem psicopedagógica (pp. 13-30). São Paulo: Vetor.

Urquijo, S. (2009). Aprendizaje de la lectura. Diferencias entre escuelas de gestión pública y de gestión privada. Evaluar, 9, 19-34.

Zorzi J. L., & Ciasca S. M. (2009). Análise de erros ortográficos em diferentes problemas de aprendizagem. Revista CEFAC, 11(3), 406-416.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1980-8623.2014.2.16820

e-ISSN: 1980-8623 | ISSN-L: 0103-5371


Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada.