Narrativas de uma Equipe de Enfermagem diante da Iminência da Morte

Cleber José Aló de Moraes, Tânia Mara Marques Granato

Resumo


Tendo em vista a dor e o sofrimento que acompanham o cotidiano de pacientes e profissionais de Unidade de Terapia Intensiva, investigamos as produções imaginativas de uma equipe de enfermagem de UTI frente à iminência da morte, por meio de uma narrativa interativa. Apresentamos uma história fictícia sobre a morte de um colega de trabalho, para ser completada pelos participantes. A análise interpretativa psicanalítica das narrativas obtidas desvela o campo afetivo-emocional da Inevitabilidade da Morte, a partir do qual se organizam três subcampos. Primeiro, a Impotência, caracterizado pelo sentimento de fracasso da equipe quando não consegue subjugar a morte. Segundo, a Indiferença, expressa por reações predominantemente intelectualizadas e pelo distanciamento emocional como defesas contra o impacto emocional da morte. Terceiro, a Ausência Assimilada, o qual aponta para a integração entre uma potência relativa e a vivência da perda, resultando na aceitação da morte como parte integrante do viver.

Palavras-chave


Enfermagem; Unidades de terapia intensiva; Morte; Narrativas; Psicanálise.

Texto completo:

PDF

Referências


Aguiar, I. R., Veloso, T. M. C., Pinheiro, A. K. B., & Ximenes, L. B. (2006). O envolvimento do enfermeiro no processo de morrer de bebês internados em Unidade Neonatal. Acta Paulista de Enfermagem, 19(2), 131-137. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-21002006000200002

Aiello-Vaisberg, T. M. J., Machado, M. C. L., Ayouch T., Caron R., & Beaune, D. (2009). Les récits transférenciels comme presentation du vécu clinique: une proposition méthodologique. In D. Beaune (Org.). Psychanalyse, Philosophie, Art: Dialogues (pp. 39-52). Lille: L’Harmattan.

Alves, R. (2002). O médico. Campinas: Papirus.

Bauman, Z. (2008). Medo líquido. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Belinsky, J. (2007). Lo imaginario: um estudio. Buenos Aires: Nueva Visión.

Benjamin, W. (1992). O Narrador: reflexões sobre a obra de Nikolai Leskov. In W. Benjamin (1992). Sobre arte, técnica, linguagem e política (pp. 27-57). Lisboa: Relógio D’Água.

Cassorla, R. (2009). A negação e outras defesas frente à morte. In F. Santana. Cuidados paliativos: discutindo a vida, a morte e o morrer (pp. 59-76). São Paulo: Atheneu.

Combinato, D. S. & Queiroz, M. S. (2006). Morte: uma visão psicossocial. Estudos de Psicologia (Natal), 11(2), 209-216.

Figueiredo, L. C. (2009). As diversas faces do cuidar: novos ensaios de psicanálise contemporânea. São Paulo: Escuta.

Freud, S. (1974). Sobre a transitoriedade. In S. Freud, Edição

standard das obras psicológicas cCompletas de Sigmund Freud (Vol. XIV; pp. 343-348). Rio de Janeiro: Imago. (Original publicado em 1916).

Freud, S. (1974). Dois verbetes de enciclopédia: Psicanálise. In S. Freud, Edição standard das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (Vol. XVIII; pp. 253-274). Rio de Janeiro: Imago. (Original publicado em 1923).

Frizon, G., Nascimento, E. R. P., Bertoncello, K. C. G., & Martins, J. J. (2011). Familiares na sala de espera de uma unidade de terapia intensiva: sentimentos revelados. Revista Gaúcha de Enfermagem (Porto Alegre), 32(1), 72-78. http://dx.doi.org/10.1590/S1983-14472011000100009

Gargiulo, C. A., Melo, M. C. S. C., Salimena, A. M. O., Bara, V. M. F., & Souza, I. E. O. (2007). Vivenciando o cotidiano do cuidado na percepção de enfermeiras oncológicas. Texto & Contexto - Enfermagem, 16(4), 696-702. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-07072007000400014

Gonçalves, J. P. R. (2007). A Morte na Unidade de Terapia Intensiva: um estudo de caso. Dissertação de Mestrado — Florianópolis (SC): UFSC/CFH, 108p.

Granato, T. M. M., Corbett, E., & Aiello-Vaisberg, T. M. J. (2011). Narrativa Interativa e Psicanálise. Psicologia em Estudo (Maringá), 16(1), 157-163. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-73722011000100018

Guanaes, A. & Souza, R. P. (2004). Introdução: objetivos, conceito, histórico e filosofia. In R. P. Souza. (Org.). Humanização em cuidados intensivos. (pp. 1-8). Rio de Janeiro: Revinter.

Gutierrez, B. A. O. & Ciampone, M. H. T. (2007). O processo de

morrer e a morte no enfoque dos profissionais de enfermagem em UTIs. Revista da Escola de Enfermagem USP, 41(4), 660-667. http://dx.doi.org/10.1590/S0080-62342007000400017

Herrmann, F. (2001). Introdução à Teoria dos Campos. São Paulo: Casa do Psicólogo.

James, I., Andershed, B., Gustavsson, B. & Ternestedt, B. (2010). Emotional knowing in nursing practice: In the encounter between life and death. International Journal Of Qualitative Studies On Health And Well-Being, 5(2). http://dx.doi.org/10.3402/qhw.v5i2.5367

Kovács, M. J. (2011). Instituições de Saúde e a Morte. Do interdito à comunicação. Psicologia: Ciência e Profissão, 31(3), 482-503. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-98932011000300005

Kovács, M. J. (2012). Educadores e Morte. Revista Semestral da Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional. São Paulo, 16(1), 71-81. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-85572012000100008

Kubler-Ross, E. (2011). Sobre a morte e o morrer. São Paulo: Martins Fontes.

Martins, J. T. & Robazzi, M. L. C. C. (2009). O trabalho do enfermeiro em unidade de terapia intensiva: sentimentos de sofrimento. Rev. Latino-Americana Enfermagem, 17(1), 52-58. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-11692009000100009

Nogacz, F. R. & Souza, R. P. (2004). Fatores Estressores em UTI. In R. P. Souza (Org.). Humanização em cuidados intensivos (pp. 31-40). Rio de Janeiro: Revinter.

Paiva, L. E. (2009). O médico e sua relação com o paciente diante da morte. In Franklin S. Santos (Org.). Cuidados paliativos: discutindo a vida, a morte e o morrer (pp. 77-86). São Paulo: Atheneu.

Pastor Montero, S. M., Romero Sánches, J. M., Hueso Montoro, C., Lillo Crespo, M., Vacas-Jaén, A. G., & Rodrigues-Tirado, M. B. (2011). A experiência da perda perinatal à partir da perspectiva dos profissionais de saúde. Revista Latino Americana de Enfermagem (Online), 19(6), 1405-1412. http://dx.doi.org/ 10.1590/S0104-11692011000600018

Pessini, L. (2001). Distanásia: até quando prolongar a vida? São Paulo: Centro Universitário São Camilo & Loyola.

Poletto, S., Santin, J. R., & Bettinelli, L. A. (2013). Vivência da morte de idosos na percepção de um grupo de médicos: conversas sobre a formação acadêmica. Revista Brasileira de Educação Médica, 37(2), 186-191.

Prade, C. F., Casellato, G., & Silva, A. L. M. (2008). Cuidados paliativos e o comportamento perante a morte. In P. B. A. Andreoli & M. R. Erlichman (Orgs.). Psicologia e humanização: assistência aos pacientes graves (pp. 149-158). São Paulo: Atheneu.

Ricoeur, P. (1994). Tempo e narrativa (Vol. 1). Campinas, SP: Papirus.

Santos, F. S. (2007). Perspectivas Histórico-Culturais da Morte. In D. Incontri & F. S. Santos (Orgs.). A arte de morrer – Visões plurais (pp. 13-25). Bragança Paulista: Comenius.

Santos, J. L. & Bueno, S. M. V. (2011). Educação para a morte a docentes e discentes de enfermagem: revisão documental da literatura científica. Revista da Escola de Enfermagem da USP: 45(1), 272-276. http://dx.doi.org/10.1590/S0080-62342011000100038

Santos, M. A. & Hormanez, M. (2013). Atitude frente à morte em profissionais e estudantes de enfermagem: revisão da produção científica da última década. Ciência e Saúde Coletiva, 18(9), 2757-2768. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232013000900031

Schilling, F. (2002). Reflexões sobre justiça e violência: o aten-

dimento a familiares de vítimas de crimes fatais. São Paulo: Educ/Imprensa Oficial do Estado.

Shorter, M. & Stayt, L. C. (2010). Critical care nurses’ experiences of grief in an adult intensive care unit. Journal of Advanced Nursing, 66(1), 159-167. http://dx.doi.org/10.1111/j.1365-2648.

05191.x

Silva, R. S., Campos, A. E. R., & Pereira, A. (2011). Cuidando do paciente no processo de morte na Unidade de Terapia Intensiva. Revista de Enfermagem da USP, 45(3), 738-744.

Silva, K. S., Ribeiro, R. G., & Kruse, M. H. L. (2009). Discursos de enfermeiras sobre morte e morrer: vontade ou verdade? Revista Brasileira Enfermagem, 62(3), 451-456.

Silva, L. C. S. P., Valença, C. N., & Germano, R. M. (2010). Estudo fenomenológico sobre a vivência da morte em uma unidade de terapia intensiva neonatal. Revista Brasileira de Enfermagem, Brasília, 63(5), 770-774. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71672010000500012

Sudnow, D. (1967). Passing on: the social organization of dying. New Jersey: Prentiss-Hall.

Sulzbacher, M., Reck, A. V., Stumm, E. M. F., & Hildebrandt, L. M. (2009). O enfermeiro em Unidade de Tratamento Intensivo vivenciando e enfrentando situações de morte e morrer. Scientia Medica, 19(1), 11-16.

Winnicott, D. W. (1975). O brincar e a realidade. Rio de Janeiro: Imago.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1980-8623.2014.4.15571



e-ISSN: 1980-8623 | ISSN-L: 0103-5371


Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada.