Supervisão em Serviços-Escola de Psicologia no Brasil: Perspectivas dos Supervisores e Estagiários

Margareth da Silva Oliveira, Rodrigo Fernando Pereira, Ana Claudia Azevedo Peixoto, Marina Monzani da Rocha, Nancy Ramacciotti de Oliveira-Monteiro, Mônica Medeiros Kother Macedo, Edwiges Ferreira de Mattos Silvares

Resumo


Embora nos últimos 20 anos tenha havido um aumento do interesse pela caracterização da clientela e descrição do funcionamento dos serviços-escola de Psicologia, pouca atenção tem sido dada ao processo de supervisão que ocorre nesses centros. A supervisão no contexto clínico tem como característica fundamental contemplar, ao mesmo tempo, aspectos relativos ao aprendizado e aspectos relacionados à relação terapêutica. Neste trabalho, foi utilizado um instrumento que avaliava a supervisão de acordo com os fatores empatia, aprimoramento do aprendizado e compreensão. O questionário, desenvolvido em duas versões, foi respondido online por 126 supervisores e 238 estagiários de Psicologia de diversas regiões do país. Verificou-se que a supervisão é, de forma geral, bem avaliada tanto por supervisores como por supervisionandos, embora existam algumas discrepâncias significativas na visão dos dois grupos.

Palavras-chave


Supervisão clínica; clínicas-escola; ensino da psicologia.

Texto completo:

PDF

Referências


Aguirre, A. B. (2000). A primeira experiência clínica do aluno: Ansiedades e fantasias presentes no atendimento e na supervisão. Psicologia: Teoria e Prática, 2(1), 3-31.

Ancona-Lopez, M. (1981). Avaliação de serviços de Psicologia clínica (Dissertação de mestrado). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo; São Paulo.

Barreto, M. C., & Barletta, J. B. (2010). A supervisão de estágio em Psicologia Clínica sob as óticas do supervisor e do supervisionando. Cadernos de Graduação – Ciências Biológicas e da Saúde, 12(12), 155-171.

Boeckel, M. G. et al. (2010). O papel do serviço-escola na consolidação do projeto pedagógico do curso de Psicologia. Psicol. Ensino & Form [online], 1(1), 41-52. Retirado de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2177-20612010000100005&lng=pt&nrm=iso

Campezatto, P., & Nunes, M. L. T. (2007). O atendimento em clínicas-escola de Psicologia da Região Metropolitana de Porto Alegre. Estudos de Psicologia, 24, 363-374.

Cheon, H.-S., Blumer, M. L., Shih, A.-T., Murphy, M., & Sato, M. (2009). The influence of supervisor and supervisee matching, role conflict, and supervisory relationship on supervisee satisfaction. Contemporary Family Therapy, 31, 52-67.

Dobson, K. S., & Shaw, B. F. (1993). The training of cognitive therapists: What Have we learned from treatment manuals? Psychotherapy, 30(4), 573-577.

Freitas, F. A., & Noronha, A. P. (2007). Habilidades do psicoterapeuta segundo supervisores: diferentes perspectivas. PSIC, 8(2), 159-166.

Löhr, S. S., & Silvares, E. F. M. (2006) Clínica-escola: integração da formação acadêmica com as necessidades da comunidade. In Silvares, E. F. M. (Org.). Atendimento Psicológico em clínicas-escola (pp. 11-22). Campinas: Alínea.

Macedo, M. M. K., Baldo, M. A., Santos, R. L., Ribas, R. F., Silva, S. M., & Goncalves, T. G. (2011). Motivos de busca de atendimento psicológico por adolescentes em uma

clínica-escola. Revista de Psicologia: Teoria e Prática [online], 3, 63-75.

Macedo, M. M. K., & Dockhorn, C. N. B. F. (2009). A Supervisão em Psicanálise: o fazer na clínica. In M. M. K. Macedo (Org.), Fazer Psicologia: uma experiência em clínica-escola (pp. 207-219). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Macedo, M. M. K., Nunes, M. L. T., Campezatto, P. M., & Padilha, I. P. (2009). A clínica-escola SAPP e o fazer Psicologia. In M. M. K. Macedo (Org.). Fazer Psicologia: uma experiência em clínica-escola (pp. 17-41). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Macedo, M. M. K., Silva, F. C. F., Giaretta, D. G., Ribas, R. F., & Druck, C. M. (2010). Atenção integral à saúde mas-

culina: a busca por atendimento psicológico em uma clínica-escola. Revista de Psicologia: Teoria e Prática [online], 12, 154-170.

Melo, S. A., & Perfeito, H. C. (2006). Características da população infantil atendida em triagem no período de 2000 a 2002 numa clínica-escola. Estudos de Psicologia, 23(3), 239-249.

Nigam, T., Cameron, P. M., & Leverette, J. S. (1997). Impasses in the supervisory process: A resident’s perspective. American Journal of Psychotherapy, 51(2), 252-272.

Oliveira-Monteiro, N. R., & Nunes, M. T. (2008). Supervisor de Psicologia clínica: um professor idealizado? PsicoUSF, 13(2), 287-296.

Pretorius, W. M. (2006). Cognitive behavioural therapy supervision: recommended practice. Behavioural and Cognitive Psychotherapy, 34, 413-420.

Romaro, R. A., & Capitão, C. G. (2003). Caracterização da clientela da clínica-escola de Psicologia da Universidade São Francisco. Psicologia: Teoria e Prática, 5(1), 111-121.

Silvares, E. F. (1993). O papel preventivo das clínicas-escola de Psicologia em seu atendimento a crianças. Temas em Psicologia, 2, 87-97.

Tavora, M. T. (2002). Um modelo de supervisão clínica na formação do estudante de Psicologia: A experiência da UFC. Psicologia em Estudo, 7(1), 121-130.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1980-8623.2014.2.15417



e-ISSN: 1980-8623 | ISSN-L: 0103-5371


Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada.