Características da Psicologia do Trabalho e das Organizações na Formação do Psicólogo no Brasil

Fellipe Coelho-Lima, Pedro Fernando Bendassolli, Oswaldo Hajime Yamamoto

Resumo


Este artigo analisa a participação e as características dos conteúdos da Psicologia do Trabalho e das Organizações (PT&O) presentes na formação do psicólogo brasileiro após as novas Diretrizes Curriculares Nacionais. Para isso, os projetos pedagógicos de 43 cursos de Psicologia de diversas regiões e origens administrativas passaram por análise documental, sendo a amostra construída por conveniência. Como principais resultados, encontrou-se que 41 cursos citaram a PT&O na definição do seu perfil de egresso ou no processo de formação do psicólogo; todos os cursos possuíam ao menos uma disciplina desse campo, ocupando uma média de 10% da carga horária; e que a PT&O é vinculada às discussões de qualidade de vida e saúde do trabalhador, pensada para locais como empresas, políticas públicas e sindicatos. Além de apresentar uma ampla variedade temática, esses resultados sugerem que a PT&O ocupa um lugar relevante na formação em psicologia no Brasil.

Palavras-chave


Psicologia organizacional; Formação do psicólogo; Análise de conteúdo.

Texto completo:

PDF

Referências


Borges, L. O. (2010). A Psicologia do Trabalho e das Organizações no

Brasil floresce? Estudos de Psicologia, 15(3), 277-279.

Borges, L. O., Oliveira, A. C. F., & Morais, L. T. W. A. (2005). O exercício do papel profissional da Psicologia Organizacional e do Trabalho. Revista Psicologia: Organizações e Trabalho, 5(2), 101-139.

Borges-Andrade, J. E. & Pagotto, C. P. (2010). O estado da arte da pesquisa brasileira em Psicologia do Trabalho e Organizacional. Psicologia: teoria e pesquisa, 26(n. esp.), 37-50.

Botelho, A. S. O. (2003). Estudo exploratório-descritivo sobre a formação do psicólogo do trabalho no Brasil. Dissertação de mestrado, Universidade Católica Dom Bosco, Campo Grande.

Campos, D. C. & Romaro, R. A. (2008). Os estágios em Psicologia Organizacional e Psicologia do Trabalho tal como acontecem: com a palavra a coordenação de estágio. In D. C. Campos (Org.). Atuando em Psicologia do Trabalho, Psicologia Organizacional e Recursos Humanos (pp. 10-14). Rio de Janeiro: LTC.

Codo, W. (1989). O papel do psicólogo na organização industrial (notas sobre o “lobo mau” em Psicologia). In S. T. M. Lane & W.

Codo (Orgs.). Psicologia Social: o homem em movimento (pp. 195-202). São Paulo: Brasiliense.

Coelho-Lima, F., Costa, A. L. F., & Yamamoto, O. H. (2011). O exercício profissional do psicólogo do trabalho e das organizações: uma revisão da produção científica. Revista Psicologia: organizações e trabalho, 11(2), 21-35.

Conselho Nacional de Educação – CNE. Câmara de Educação Superior. (2004, 19 de fevereiro). Diretrizes curriculares nacionais para os cursos de graduação em psicologia: Parecer CNE/CES no. 62/2004. Brasília, DF.

Freitas, S. M. P. (2002). A Psicologia no contexto do trabalho: uma análise dos saberes e dos fazeres. Dissertação de mestrado, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Gondim, S. M. G., Bastos, A. V. B., & Peixoto, L. S. A. (2010). Áreas

de atuação, atividades e abordagens teóricas do psicólogo brasi-

leiro. In A. V. B. Bastos & S. M. G. Gondim (Orgs.). O trabalho do psicólogo no Brasil (pp. 174-199). Porto Alegre: Artmed.

Gondim, S. M. G., Borges-Andrade, J. E., & Bastos, A. V. B. (2010). Psicologia do Trabalho e das Organizações: produção científica e desafios metodológicos. Psicologia em Pesquisa, 4(2), 84-99.

Heloani, R., Macêdo, K. B., & Cassiolato, R. (2010). O exercício da profissão: características gerais da inserção profissional do psicólogo. In A. V. B. Bastos & S. M. G. Gondin (Orgs.). O trabalho do psicólogo no Brasil (pp. 107-130). Porto Alegre: Artmed.

Iema, C. R. D. (1999). Um estudo teórico sobre a formação do psicólogo organizacional no Brasil. Psicologia: teoria e prática, 1(1), 31-41.

Morello Filho, O. (2004). Um estudo sobre a formação do aluno

em Psicologia Organizacional. Dissertação de Mestrado, Centro Universitário Capital, São Paulo.

Pfromm Neto (1990). Psicologia: introdução e guia de estudo. São Paulo: EPU.

Rocha Jr, A. (1999). Das discussões em torno da formação em Psicologia às Diretrizes Curriculares. Psicologia: teoria e prática, 1(2), 3-8.

Sampaio, J. E. (1998). Psicologia do trabalho em três faces. Em I. B. Goulart & J. R. Sampaio (Orgs.). Psicologia do Trabalho e Gestão dos Recursos Humanos: estudos contemporâneos (pp. 19-40). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Sato, L. (2003). Psicologia, saúde e trabalho: distintas construções dos objetos “trabalho” e “organizações”. In Z. A. Trindade, & Â. N. Andrade (Orgs.). Psicologia e saúde: um campo em construção (pp. 167-178). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Seixas, P. S. (2014). A formação graduada em Psicologia no Brasil: reflexão sobre os principais dilemas em um contexto pós-DCN. Tese de Doutorado, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal.

Seixas, P. S., Coelho-Lima, F., Silva, S. G., & Yamamoto, O. H. (2013). Projeto Pedagógico de Curso e formação do psicólogo: uma proposta de análise. Psicologia Escolar e Educacional, 17(1), 113-122.

Zanelli, J. C. (1986). Formação e atuação em Psicologia Orga-

nizacional. Psicologia: ciência e profissão, 6(1), 31-32.

Zanelli, J. C. (1995). Formação e atuação do psicólogo orga-

nizacional: uma revisão da literatura. Temas em Psicologia, 1, 95-107.

Zanelli, J. C. & Bastos, A. V. B. (2004). Inserção profissional do psicólogo nas organizações e no trabalho. In J. C. Zanelli, J. E. Borges-Andrade & A. V. B. Bastos (Orgs.). Psicologia, organizações e trabalho no Brasil (pp. 466-491). Porto Alegre: Artmed.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1980-8623.2014.4.15155

e-ISSN: 1980-8623 | ISSN-L: 0103-5371


Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada.