Escala abreviada de preferência musical (STOMP): evidências de sua validade fatorial e consistência interna

Valdiney V. Gouveia, Carlos Eduardo Pimentel, Neliane Lima de Santana, Wises Albertina Chaves, Carolina Andrade Rodrigues

Resumo


O presente estudo teve como objetivo adaptar a STOMP (Short Test Of Music Preference), procurando reunir evidências de sua validade fatorial e consistência interna. Participaram 200 estudantes universitários de uma instituição pública da cidade de João Pessoa. Estes tinham idade média de 22 anos (DP = 4,77; 93,5% com amplitude de 18 a 30 anos), sendo a maioria mulher (51%), solteira (88%) e de classe média (60%). Com relação ao curso, a maioria foi composta de alunos de Psicologia (29%) e Administração (18%). Corroborando estudos prévios, foram identificados quatro fatores de estilo musical: Reflexivo e Complexo (α =0,74), Convencional (α = 0,59), Intenso e Rebelde (α = 0,64) e Energético e Rítmico (α = 0,60). Quando comparados os modelos uni e bi-fatorial com o de quatro fatores, este último se relevou mais satisfatório: χ²/gl = 2,59, GFI = 0,89, AGFI = 0,84 e RMSEA = 0,09; Δχ² (5) = 128,25, p < 0,001. Observaram-se diferenças de preferência musical de acordo com o gênero; as mulheres indicaram gostar mais do estilo Convencional, enquanto os homens preferiram o estilo Intenso e Rebelde. Estes resultados são criticamente discutidos, ponderando-se a necessidade de incluir novos estilos musicais e sugerindo estudos futuros sobre o tema.

Palavras-chave: Música; preferência musical; estilo musical; STOMP.

Palavras-chave


Música, preferência musical, estilo musical, STOMP

Texto completo:

PDF




e-ISSN: 1980-8623 | ISSN-L: 0103-5371


Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada.