Sobre a Construção da Marginalidade no Mesmerismo

Maurício da Silva Neubern

Resumo


O presente trabalho procura destacar alguns processos de ordem sociocultural que contribuíram de maneira significativa para a marginalização do mesmerismo na França. Criticando as perspectivas lineares e progressistas da história da psicologia, o artigo destaca como as instituições sociais francesas, como a Igreja, o Estado e as Academias de Ciência encarnaram o princípio de regulação social diante das diversas ameaças existentes naquela proposta terapêutica, fosse por princípios epistemológicos incompatíveis com a racionalidade dominante, fosse devido a sua associação com ovimentos subversivos e com a crítica social ao sistema político vigente. Destaca ainda como que o papel da mulher na sociedade e o componente erótico das relações terapêuticas também oferece subsídios para uma acentuada rejeição do mesmerismo. Conclui, por fim, que como a marginalização desta proposta não se deu especificamente devido a problemas metodológicos, como freqüentemente consta nas referências históricas, torna-se necessária uma nova atitude diante da história da psicologia que possa compreender com mais pertinência as relações da ciência com seus princípios epistemológico e com o contexto sociocultural onde se insere.
Palavras-chave: Mesmerismo; história; epistemologia; instituições; subjetividade.

Palavras-chave


mesmerismo, história, epistemologia, instituições, subjetividade

Texto completo:

PDF




e-ISSN: 1980-8623 | ISSN-L: 0103-5371


Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada.