Elementos para uma Intervenção em Aconselhamento Psicológico com Pais Enlutados

Ana Bárbara Morelli, Fabio Scorsolini-Comin, Manoel Antônio dos Santos

Resumo


Este estudo teve por objetivo delinear os principais elementos que devem compor um programa de intervenção em aconselhamento psicológico com pais enlutados, a partir das necessidades de casais que perderam seus filhos. Trata-se de um estudo de caso coletivo desenvolvido com cinco casais, que foram entrevistados individualmente e, em seguida, em díades, totalizando 15 entrevistas. Os resultados permitiram a construção de três categorias, que constituem os elementos centrais a serem considerados na proposição de um programa de aconselhamento psicológico: (1) necessidade de acolhimento emergencial do sofrimento, (2) conjugalidade e (3) espiritualidade/religiosidade. Com base na experiência dos pais investigados, recomenda-se disponibilizar intervenções individuais, na estratégia de atendimento breve, ou de casal, com foco no acolhimento e potencialização de recursos adaptativos advindos da conjugalidade e da prática espiritual/religiosa.

Palavras-chave


Conjugalidade; Luto; Intervenções psicológicas; Aconselhamento psicológico.

Texto completo:

PDF

Referências


Alves, D., Fernández-Navarro, P., Ribeiro, A. P., Ribeiro, E., & Gonçalves, M. M. (2014). Ambivalence and innovative moments in grief psychotherapy: The cases of Emily and Rose. Psychotherapy, 51(2), 308-321.

Bittencout, A. L. P., Quintana, A. M., & Velho, M. T. A. C. (2011). A perda do filho: Luto e doação de órgãos. Estudos de Psicologia (Campinas), 28(4), 435-442.

Bolze, S. D. A. & Castoldi, L. (2005). O acompanhamento familiar antes e depois da morte da criança: Uma proposta de intervenção para o psicólogo hospitalar. Aletheia, 21, 79-91.

Bonanno, G. A., Moskowitz, J. T., Papa, A., & Folkman, S. (2005). Resilience to loss in bereaved spouses, bereaved parents, and bereaved gay men. Journal of Personality and Social Psychology,

(5), 827-843.

Bowlby, J. (1985). Perda: Tristeza e depressão (Valtensir Dutra, Trad.). São Paulo: Martins Fontes.

Dennis, M. R. & Kunkel, A. (2012). Relationship after loss: Communication in the new grief paradigm. In O. Gillath, G. Adams, & A. Kunkel (Eds.). Relationship science: Integrating evolutionary, neuroscience, and sociocultural approaches (pp. 199-218).

Washington, DC, US: American Psychological Association.

Domingues, G. R., Alves, K. O., Carmo, P. H. S., Galvão, S. S., Teixeira, S. S., & Baldoino, E. F. (2013). A atuação do psicólogo no tratamento de pacientes terminais e seus familiares. Psicologia Hospitalar, 11(1), 2-24.

Féres-Carneiro, T. (1998). Casamento contemporâneo: O difícil convívio da individualidade com a conjugalidade. Psicologia: Reflexão e Crítica, 11(2), 379-394.

Ferreira, R. A., Lira, N. P. M., Siqueira, A. L. N., & Queiroz, E. (2013). Percepções de psicólogos da saúde em relação aos conhecimentos, às habilidades e às atitudes diante da morte. Psicologia: Teoria e Prática, 15(1), 65-75.

Forghieri, Y. C. (2007). Aconselhamento terapêutico: Origens, fundamentos e prática. São Paulo: Thomson Learning.

Freud, S. (1976). Sobre o narcisismo: Uma introdução. In S. Freud, Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud: Volume XIV (pp. 75-83) (J. Salomão, Trad.). Rio de Janeiro: Imago. (Original publicado em 1914).

Gonçalves, M. O. (2001). Morte e castração: Um estudo psicanalítico sobre a doença terminal infantil. Psicologia: Ciência e Profissão, 21(1), 30-41.

Kovács, M. J. (1992). Morte e desenvolvimento humano. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Kovács, M. J. (2005). Educação para a morte. Psicologia: Ciência e Profissão, 25(3), 484-497.

Kovács, M. J. (2012). Educadores e a morte. Psicologia Escolar e Educacional, 16(1), 71-81.

Larson, D. G. & Hoyt, W. T. (2007). What has become of grief counseling? An evaluation of the empirical foundations of the new pessimism. Professional Psychology: Research and Practice, 38(4), 347-355.

Magagnin, C., Kõrbes, J. M., Hernandez, J. A. E., Cafruni, S., Rodrigues, M. T., & Zarpelon, M. (2003). Da conjugalidade à parentalidade: Gravidez, ajustamento e satisfação conjugal. Aletheia, 17/18, 41-52.

Magalhães, A. S. & Féres-Carneiro, T. (2004). Transmissão psíquico-geracional na contemporaneidade. Psicologia em Revista, 10(16), 243-255.

Meihy, J. C. S. B. & Holanda, F. (2010). História oral: Como fazer, como pensar. São Paulo: Contexto.

Menezes, C. C. & Lopes, R. C. S. (2007). A transição para o casamento em casais coabitantes e em casais não-coabitantes. Revista Brasileira de Crescimento e Desenvolvimento Humano, 17(1), 52-63.

Minayo, M. C. S. (2006). O desafio do conhecimento: Pesquisa qualitativa em saúde. (9ª ed.). São Paulo: Hucitec.

Monti, M. R. (2008). Contrato narcisista e clínica do vazio. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, 11(2), 239-253.

Morato, H. T. P. (Org.) (1999). Aconselhamento psicológico centrado na pessoa: Novos desafios. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Morelli, A. B., Scorsolini-Comin, F., & Santos, M. A. (2013). Impacto da morte do filho sobre a conjugalidade dos pais. Ciência & Saúde Coletiva, 18(9), 2711-2720.

Muza, J. C., Sousa, E. N., Arrais, A. R., & Iaconelli, V. (2013). Quando a morte visita a maternidade: Atenção psicológica durante a perda perinatal. Psicologia: Teoria e Prática, 15(3), 34-48.

Pascoal, M. (2012). Trabalho em grupo com enlutados. Psicologia em Estudo, 17(4), 725-729.

Peres, R. S. & Santos, M. A. (2005). Considerações gerais e orientações práticas acerca do emprego de estudos de caso na pesquisa científica em Psicologia. Interações, 20(10), 109-126.

Sandler, I. N., Ayers, T. S., Wolchik, S. A., Tein, J., Kwok, O., Haine, R. A. et al. (2003). The family bereavement program: Efficacy evaluation of a theory-based prevention program for parentally bereaved children and adolescents. Journal of Consulting and Clinical Psychology, 71(3), 587-600.

Santos, O. B. (1982). Aconselhamento psicológico & psicoterapia: auto-afirmação – um determinante básico. São Paulo: Pioneira.

Santos, E. M., & Sales, C. A. (2011). Familiares enlutados: Compreensão fenomenológica existencial de suas vivências. Texto & Contexto Enfermagem, 20(n. esp.), 214-222.

Schmidt, M. L. S. (2012). O nome, a taxonomia e o campo do aconselhamento psicológico. In H. T. P. Morato, C. L. B. T. Barreto, & A. P. Nunes (Orgs.), Aconselhamento psicológico numa perspectiva fenomenológica existencial (pp. 1-21). Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.

Scorsolini-Comin, F. (2014). Aconselhamento psicológico e psicoterapia: Aproximações e distanciamentos. Contextos Clínicos, 7(1), 2-14.

Scorsolini-Comin, F. & Santos, M. A. (2011). Casamento e satisfação conjugal: Um olhar da Psicologia Positiva. São Paulo: Annablume/FAPESP; Brasília: CNPq.

Scorsolini-Comin, F. & Santos, M. A. (2013). Counseling Psychology: A view of the scientific production in the Brazilian postgraduation. Revista Brasileira de Crescimento e Desenvolvimento Humano, 23(3), 338-345.

Silva, A. C. O. & Nardi, A. E. (2010). Luto pela morte de um filho: Utilização de um protocolo de terapia cognitivo-comportamental. Revista de Psiquiatria do Rio Grande do Sul, 32(3), 113-116.

Souza, A. M., Moura, D. S. C., & Corrêa, V. A. C. (2009). Implicações do pronto-atendimento psicológico de emergência aos que vivenciam perdas significativas. Psicologia: Ciência e Profissão, 29(3), 534-545.

Wagner, A. & Mosmann, C. P. (2010). Educar para a conjugalidade: Que a vida não nos separe. In L. C. Osório & M. E. P. Valle (Orgs.). Manual de terapia familiar (Vol. 2; pp. 261-270). Porto Alegre: Artmed.

Wagner, A. & Mosmann, C. P. (2012). Intervenção na conjugalidade: Estratégias de resolução de conflitos conjugais. In M. N. Baptista, & M. L. M. Teodoro (Orgs.). Psicologia de família: Teoria, avaliação e intervenção (pp. 240-248). Porto Alegre: Artmed.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1980-8623.2014.4.14640



e-ISSN: 1980-8623 | ISSN-L: 0103-5371


Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada.