Caracterização da Saúde Mental em Crianças e Adolescentes em Acolhimento Institucional

Jordana Calcing, Silvia Pereira da Cruz Benetti

Resumo


Este estudo teve como objetivo identificar as experiências de vida traumáticas e a prevalência de problemas de comportamento em crianças e adolescentes em situação de acolhimento institucional. O grupo investigado foi constituído por 41 crianças e adolescentes de ambos os sexos, com idade de 7 a 18 anos, provenientes de cinco casas de acolhimento localizadas na região norte do estado do Rio Grande do Sul. Para a obtenção dos dados, utilizaram-se os instrumentos: Inventário de Eventos Estressores na Infância e Adolescência (IEEIA), Inventário de Depressão Infantil (CDI), e o Child Behavior Checklist (CBCL). Os dados apontaram para a presença de problemas de comportamento em um número significativo de crianças e adolescentes, tendo em vista suas histórias de vida marcadas por eventos traumáticos. Considerando esses dados, destaca-se a importância de instituir políticas públicas que contemplem as necessidades de crianças e adolescentes institucionalizados, a fim de que seus direitos sejam garantidos.

Palavras-chave


Crianças; Adolescentes; Abrigo; Políticas públicas.

Texto completo:

PDF

Referências


Achenbach, T. M. (1991). Integrative Guide for the CBCL/4-18, YSR, and TRF Profiles, University of Vermont, department of Psychiatry, Burlington, VT, pp. 1-211. doi: 10.1037/0021-843X.106.3.425

Baptista, M. V. (2006). Abrigo: comunidade de acolhida e socioeducação. Em M. V. Baptista (Org.), Um olhar para a história (pp. 24-37). São Paulo: Instituto Camargo Corrêa.

Benetti, S. P. C., Pizetta, A., Schwartz, C. B., Hass, R. A., & Melo, V. L. (2010). Problemas de saúde mental na adolescência: características familiares, eventos traumáticos e violência. Psico-USF, 15, 321-332. Recuperado de http://www.scielo.br/ scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-82712010000300006&.

Bordin, I. A. S., Mari, J. J., & Caeiro, M. F. (1995). Validação da versão brasileira do Child Behavior Checklist (CBCL) (Inventário de Comportamentos da Infância e Adolescência): Dados Preliminares. Revista da ABP-APAL, 17, 55-66.

Brasil. (2009). Estatuto da Criança e do Adolescente (1990). Lei n° 8069, de 13 de julho de 1990. Brasília, DF.

Brasil. Ministério da Saúde (2009). O impacto da violência na saúde das crianças e adolescentes. Brasília, DF.

Cavalcante, L. I. C., Magalhães, C. M. C., & Pontes, F. A. R. (2007). Institucionalização precoce e prolongada de crianças: discutindo aspectos decisivos para o desenvolvimento. Aletheia, 25, 20-34.

Cruvinel, M., Boruchovitch, E., & Santos, A. A. A. (2008). Inventário de Depressão Infantil (CDI): análise dos parâmetros psicométricos. Fractal, Revista de Psicologia, 20(2), 473-489. doi: 10.1590/S1984-02922008000200013.

Conselho Nacional de Justiça, Brasil. Recuperado de http://www.direitolegal.org/noticias-gerais/brasil-tem-mais-de-30-mil-criancas-e-adolescentes-vivendo-em-abrigos/

Dalbem, J. X. & Dell’Aglio, D. D. (2008). Apego em adolescentes institucionalizadas: processos de resiliência na formação de novos vínculos afetivos. Psico, 39(1), 33-40.

Erol, N., Simsek, Z., & Munir, K. (2010). Mental health of adolescents reared in institutional care in Turkey: challenges and hope in the twenty-first century. European Child and Adolescent Psychiatry, 19, 113-124. doi: 10.1007/s00787-009-0047-2

Fernández Millán, J., Hamido-Mohamed, A., & Ortiz-Gómez, M. M. (2009). Influencia del acogimiento residencial en los menores en desamparo. Education & Psycology, 7(2), 715-728.

Gonçalves, L. P. M. C. (2008). O impacto da vida em instituições: narrativas e significados em crianças vítimas de maus tratos. Monografia, Faculdade de Ciências Humanas e Sociais, Universidade Fernando Pessoa, Porto.

Gouveia, V. V., Barbosa, G. A., Almeida, H. J. F., & Gaião, A. A. (1995). Inventário de Depressão Infantil – CDI: Estudo de adaptação com escolares de João Pessoa. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, 44, 345-349.

Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (2003). Levantamento Nacional dos Abrigos para Crianças e Adolescentes da Rede de Serviço de Ação Continuada (SAC). Brasília, DF.

Johnson, R., Browne, K., & Hamilton-Giachritsis, C. (2006). Young children in institutional care at risk of harm. Trauma, Violence, & Abuse, 7, 34-60. doi: 10.1177/1524838005283696

Kristensen, C., Leon, J., D’Incao, D., & Dell’Aglio, D. (2004). Análise da frequência e do impacto de eventos estressores em uma amostra de adolescentes. Interação em Psicologia, 8, 45-55.

Krug, E. G., et al. (2002). World report on violence and health. Geneva: World Health Organization. doi:10.1016/S0140-6736(02)11133-0

Martins, P. (2005). O acolhimento familiar como resposta de proteção à criança sem suporte familiar adequado. Infância e Juventude, 4, 63-84.

Maclean, K. (2003). The impact of institutionalization on child development. Development and Psychopathology, 15(4). Recuperado de http://journals.cambridge.org/action/displayAbstract?fromPage=online&aid=187219. doi: 10.1037/2157-3883.1.S.3

Mota, C. P. & Matos, P. M. (2008). Adolescência e institucionali-

zação numa perspectiva de vinculação. Psicologia e Sociedade, 20(3), 367-377. doi: 10.1590/S0102-71822008000300007

Nogueira, P. C. (2004). A criança em situação de abrigamento: Reparação ou re-abandono. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Psicologia Clínica, Universidade de Brasília, Brasília, Distrito Federal.

Parreira, S. M. C. P. & Justo, J. S. (2005). A criança abrigada: Considerações acerca do sentido da filiação. Revista Psicologia e Estudo, 10, 175-180.

Poletto, M., Koller S. H., & Dell’Aglio, D. D. (2009). Eventos estressores em crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade social de Porto Alegre. Ciência & Saúde Coletiva, 14, 455-466.

Quintãns, C. R. P. (2009). Era uma vez a Instituição onde eu cresci: narrativas de adultos sobre experiências de institucionalização. Dissertação de Mestrado, Instituto de Educação e Psicologia, Universidade do Minho, Portugal.

Ramos, M. E. C. & Oliveira, K. D. (2008). A transmissão geracional em diferentes contextos. In M. A. Penso & L. F. Costa (Org.). Transgeracionalidade percebida nos casos de maus-tratos (pp. 99-122). São Paulo: Summus.

Rygaard, N. P. (2008). El nino abandonado: Guia para el tratamiento de los transtornos del apego. Barcelona: Gedisa.

Schmid, M., Goldbeck, L., Nuetzel, J., & Fegert, J. M. (2008). Prevalence of mental disorders among adolescents in German youth welfare institutions. Child and Adolescent Psychiatry Mental Health, 28, 2-2. doi: 10.1186/1753-2000-2-2.

Serafini, A. J. (2004). Teste das Fábulas: um estudo com crianças abrigadas. Dissertação de Mestrado, Instituto de Psicologia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Siqueira, A. C. & Dell’Aglio, D. D. (2010). Crianças e adolescentes institucionalizados: desempenho escolar, satisfação de vida e rede de apoio social. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 26(3), 407-415.

Smyke, A. T., Dumitrescu, A., & Zeanah, C. H. (2002). Attachment disturbances in young children I: The continuum of caretaking causality. Journal of the American Academy of Child and Adolescent Psychiatry, 41, 972-982.

UNICEF. Situação Mundial da Infância 2011: Caderno Brasil. Brasília, DF, 2011.

Wathier, J. L. & Dell’Aglio, D. D. (2007). Sintomas depressivos e eventos estressores em crianças e adolescentes no contexto de institucionalização. Revista de Psiquiatria do Rio Grande do Sul, 29(3).

Wathier, J. L., Dell’Aglio, D. D., & Bandeira, D. R. (2008). Análise fatorial do Inventário de Depressão Infantil (CDI) em amostra de jovens brasileiros. Avaliação Psicológica, 7(1), 75-84. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php? script=sci_arttext&pid= S1677-04712008000100010&lng=pt&nrm=iso

Wathier, J. L. & Dell’Aglio, D. D. (2007). Sintomas depressivos e eventos estressores em crianças e adolescentes no contexto de institucionalização. Revista de Psiquiatria do Rio Grande do Sul, 29(3), 305-314. Recuperado de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-81082007000300010&lng=en&tlng=pt. 10.1590/S0101-81082007000300010

Yunes, M. (2003). Psicologia positiva e resiliencia: o foco no indivíduo e na família. Psicologia em Estudo, 8, 1-15.

Zeanah, C. H., Smyke, A. T., Koga S. F., & Carlson, E. (2005). Attachment in institutionalized and community children in Romania. Child Development, 76(5), 1015-1028. doi: 10.1111/ j.1467-8624.2005.00894.x




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1980-8623.2014.4.13629



e-ISSN: 1980-8623 | ISSN-L: 0103-5371


Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada.